Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/308330
Type: DISSERTAÇÃO
Degree Level: Mestrado
Title: Restrição do crescimento intra-uterino : identificação e fatores de risco
Author: Cyrino, Maria Lucia Mazzariol
Advisor: Barros Filho, Antonio de Azevedo, 1947-
Abstract: Resumo: Foi realizado um estudo transversal das crianças nascidas no Hospital e Maternidade Celso Pierro-PUCCAMP, São Paulo, durante o período de 20 de janeiro de 1999 a 19 de janeiro de 2000, com o objetivo de avaliar as características antropométricas dos recém-nascidos, de acordo com diversas classificações. Também, foram estudados os fatores de risco para restrição do crescimento intra-uterino (RClU). Verificou-se a idade gestacional do recém-nascido, seu peso ao nascer, a relação entre o peso ao nascer e a idade gestacional, a proporcionalidade corpórea, ocorrência de RCIU e sua gravidade. As variáveis consideradas de risco para RCIU foram: escolaridade materna, estado civil, renda por pessoa, idade materna, cor da mãe, número de gestações, paridade, abortos espontâneos, filhos anteriores mortos, natimortos, filhos anteriores com baixo peso ou com peso insuficiente, intervalo entre nascimentos e entre gestações, doença hipertensiva específicada gestação, assistência pré-natal e hábito de fumar. A população estudada caracteriza-se por nível socioeconômico baixo, em sua maioria previdenciárias e procedentes do próprio município de Campinas. A fteqüência de mães adolescentes é elevada, 25,8%. As mães com 35 anos ou mais têm fteqüência menor, 6,7%, porém apresentam condições socioeconômicas e gestacionais piores quando comparadas ao restante da população. As mães não brancas mostram desvantagens sociais e gestacionais em relação às brancas. A prevalência de recém-nascidos com baixo peso ao nascer é de 10,3%, tendo a maioria deles, 76,7%, RCIU. A prevalência de recém-nascidos com peso insuficiente é de 27,7%, sendo 21,7% com RCIU. A fteqüência de neonatos prétermo é de 5,3%, identificando-se fteqüência maior de crianças com RClU neste grupo (41,6%) do que entre os recém-nascidos maduros (12,4%). A maioria dos recém-nascidos pré-termo softeram restrição grave. Contudo, na população neonatal estudada o resultado gestacional desfavorável de maior prevalência é a RCIU entre os recém-nascidos a termo (11,7%). o diagnóstico de RCIU identificou maior número de recém-nascidos com esta condição do que a classificação do peso ao nascer para a idade gestacional identificou recém-nascidos pequenos para a idade gestacional ( PlG ). Das crianças PlG, 93,0% são simétricas. São fatores de risco para RClU em crianças a termo: situação conjugal não unida (OR=1,37), filho anterior com baixo peso (OR=1,71), doença hipertensiva específica da gestação (OR=1,85) e hábito de :fumar(OR=2,37). Todos apresentam maiores efeitos na restrição grave, sendo que o fator etiológico de mais impacto é o hábito de fumar, com risco atribuível de 23,6%

Abstract: A cross-sectional study of the children bom at Hospital and Maternity Celso Pierro-PUCCAMP, São Paulo, from January the 20th, 1999 to January the 19th,2000, was accomplished, with the objective of evaluating the newbom anthropometric characteristics according to several classifications. The risk factors for restriction of the intrauterine growth (IUGR) were also studied. The variable evaluated were: gestational age of the newborn, birth weight, the relation between birth weight and gestational age, body proportionality and, finally, occurence and severity of intrauterine growth restriction (IUGR). The risk variable considered for IUGR were: maternal education, marital status, per capita income, maternal age, maternal race, number ofpregnancies, parity, spontaneous abortion, prior dead infants, stillbirth, prior low birth weight infants, prior insufficient birth weight infants, birth and pregnancy intervals, pregnancy-induced hypertension, prenatal care and habit of smoking cigarettes. The studied population was of a low socioeconomicallevel, most of the women have public insurance and are local inhabitants. The frequency of adolescent mothers is high, 25,8%. The frequency ofmothers aging 35 or more and higher is lower (6,7%), but their socioeconomical and gestational situation are worse than observed in the total population. Nonwhite mothers show social and gestational disadvantages when compared to white mothers. The prevalence oflow birth weight newborns is 10,3%, and most ofthem (76,7%) has IUGR. The prevalence of insufficient birth weight newborns is 27,7%, and 21,7% has IUGR. The frequency of premature newborns is 5,3% and the frequency of infants with IUGR is higher in this group (41,6%) than in the group of term newborns (12,4%). Most ofthe premature newborns have severe restriction in growth. In spite ofthis fact, the most prevalent disadvantageous result, in the newbom population studied, is the IUGR among term newborns (11,7%). The number of newborns with IUGR was higher than the number of small for gestational age newborns (SGA). Consideringall the SGA infants, 93,0% are symmetric. The risk factors for rnGR among tenn newborns are: non-stable maritus status (OR=1,37), prior low birth weight infants (OR=1,71), pregnancy-induced hypertension (OR=1,85) and the habit of smoking cigarettes (OR=2,37). All these factors have a larger effects on the severe restriction of intrauterine growth, but the most relevant etiological factor is the habit ofsmoking, with an attributable risk of23,6%
Subject: Recém-nascidos
Peso ao nascer
Feto - Retardo do desenvolvimento
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2001
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Cyrino_MariaLuciaMazzariol_M.pdf17.09 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.