Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/308245
Type: DISSERTAÇÃO
Degree Level: Mestrado
Title: Velocidade da marcha, força de preensão e saúde percebida em idosos = dados do FIBRA Campinas
Title Alternative: Gait speed, grip strength and self-rated health among community-dwelling elderly : data from the Study FIBRA Campinas
Author: Bez, Joelita Pessoa de Oliveira
Advisor: Neri, Anita Liberalesso, 1946-
Neri, Anita Liberalesso
Abstract: Resumo: A importância da autopercepção de saúde para o autocuidado e o bem-estar e a escassez de dados brasileiros sobre relações entre perda de força e função muscular e autoavaliação de saúde em idosos, justificam a realização de uma investigação sobre relações entre essas variáveis. Objetivos: descrever condições de força de preensão, velocidade da marcha e autoavaliação de saúde e investigar relações entre elas, considerando-se as variáveis gênero, idade e renda familiar, em amostra probabilística de idosos comunitários com 65 anos e mais, integrantes de um estudo populacional sobre fragilidade. Métodos: 689 idosos sem déficit cognitivo sugestivo de demência foram submetidos a testes de velocidade da marcha (média do tempo gasto para percorrer três vezes 4,6 m, ajustada por gênero e IMC) e de força de preensão manual (média em kg força de 3 medidas com dinamômetro Jamar na mão dominante, ajustada por altura e gênero). Os idosos foram classificados como de baixa, média e alta força e velocidade. Auto-avaliação de saúde foi avaliada por um item escalar com 5 pontos. Resultados: Os homens e os idosos mais novos pontuaram mais alto em força de preensão e velocidade da marcha; os de 80 anos e mais e as mulheres tiveram menor força de preensão e menor velocidade da marcha; lentidão da marcha e baixa renda foram fatores de risco para pior avaliação de saúde. Conclusões: Baixa força muscular afeta a autoavaliação de saúde porque acarreta diminuição da capacidade funcional, especialmente na presença de pobreza e escassez de recursos compensatórios

Abstract: The scarcity of Brazilian data on the effects of loss of muscle strength and function and self-rated heath in old age, as well as the evidence according with self-rated health is an important antecedent of self-care and well-being are good reasons to investigate relationships between these variables. Objective: Investigating patterns of performance and relationships between grip strength, gait speed and self-rated health in community-dwelling elderly stratified by gender, age and family income. Methods: 689 elderly people without cognitive deficit suggestive of dementia were submitted to 3 measures of grip strength with dynamometer Jamar and to 3 measures of time spent to walk 4,6 m. The means were respectively adjusted by gender and BMI and by gender and height. Comparisons between groups were based on their quartiles of strength and speed. Self-related health was assessed with a five point scale. Results: The male and the youngest scored significantly higher on grip strength and gait speed than the female and oldest did; the richest scored higher than the poorest on grip strength and gait speed; those aged greater than 80 and female showed lower grip strength and gait speed than the youngest and male did. The poorest scored lower and the richest higher than the other groups in self-rated health. Multivariate regression analysis showed low gait speed and low income as risk factors to worse health evaluation. Conclusion: The association between low muscular strength and worse self-evaluations of health is mediated by functional incapacities in interaction with insufficient environmental resources
Subject: Saúde do idoso
Força muscular
Capacidade funcional
Fragilidade
Velhice
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2011
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Bez_JoelitaPessoadeOliveira_M.pdf1.39 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.