Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/305644
Type: TESE DIGITAL
Degree Level: Doutorado
Title: Os derivativos como capital fictício : uma interpretação marxista
Title Alternative: Derivatives as fictitious capital : an marxist interpretation
Author: Palludeto, Alex Wilhans Antonio, 1986-
Advisor: Andrade, Rogério Pereira de, 1958-
Abstract: Resumo: O objetivo deste trabalho é examinar os derivativos na economia contemporânea a partir de uma abordagem centrada na categoria marxista de capital fictício. Em linhas gerais, busca-se contribuir para o entendimento dos derivativos na economia capitalista atual com base na hipótese de que os derivativos se apresentam como uma modalidade particular de capital fictício, cuja especificidade reside no fato de constituírem-se na forma pela qual diversos eventos considerados como riscos concretos à aplicação da riqueza capitalista tornem-se comensuráveis em termos monetários. Desse modo, ao permitirem que diferentes combinações de risco-retorno sejam imediatamente comparáveis nos mercados financeiros, os derivativos possibilitam a avaliação da rentabilidade ajustada pelo risco de qualquer espécie de carteira e, portanto, ampliam o horizonte espaço-temporal do cálculo capitalista. Nesse sentido, argumenta-se que os derivativos estão intimamente associados ao processo de mercantilização da reprodução material da sociedade, que atinge seu ápice no capitalismo contemporâneo. A fim de cumprir o objetivo proposto, a tese divide-se em duas partes compostas por dois capítulos cada. Na primeira delas, apresenta-se uma recuperação histórica dos derivativos desde suas primeiras manifestações na Antiguidade, demonstrando que onde e quando a atividade mercantil ocupa uma fração importante do processo de reprodução material, em maior ou menor medida, os derivativos, mesmo os derivativos financeiros, estão presentes. Por conseguinte, guardadas as devidas proporções, seria esperado que em uma sociedade capitalista com uma regulação mais flexível e em que o fracionamento da produção atingiu magnitudes sem paralelo na história, os derivativos estivessem em evidência. Na segunda parte, por sua vez, faz-se, inicialmente, uma avaliação crítica da literatura marxista recente sobre os derivativos, procurando avançar na concepção de que os derivativos se apresentam como instrumento por meio do qual os inúmeros riscos concretos tornam-se comensuráveis e precificados, convertidos, assim, em risco abstrato. Em seguida, a partir de uma reinterpretação da categoria de capital fictício, apresenta-se como a capitalização se estabelece como princípio a partir do qual o capitalista avalia sua riqueza e como, nesse contexto, os derivativos estendem o horizonte do cálculo capitalista em relação à consideração do tempo-espaço. Desse modo, conclui-se que, ao permitir que, a cada momento do tempo, a classe capitalista tenha, sob a forma de um preço, uma avaliação objetiva da variabilidade potencial de determinada variável, os derivativos, enquanto capital fictício, tornam-se parte constitutiva das estimativas das diversas possibilidades de aplicação da riqueza privada, sobretudo quando esta assume crescentemente a forma de títulos financeiros em um contexto de ampla e profunda divisão internacional do trabalho, tal como a economia, hoje, apresenta-se

Abstract: The purpose of this work is to examine the role of derivatives in contemporary economies based on the Marxist category of fictitious capital. Broadly speaking, the work seeks to contribute to the understanding of derivatives based on the assumption that derivatives are a particular form of fictitious capital, whose specificity lies in their being the way different events taken as concrete risks to alternative allocation of capitalist wealth become measurable in monetary terms. Thus, by making different risk-return combinations readily comparable in financial markets, derivatives allow the assessment of risk-adjusted returns of any kind of portfolio, and allows for the possibility of broadening the space-time horizon of capitalist calculation. In this sense, it is argued that derivatives are closely associated with the commodification process of the material reproduction of society, which reaches its peak in contemporary capitalism. In order to achieve its goal, the work is divided into two parts, consisting of two chapters each. The first part covers the history of derivatives, from its first manifestations in ancient times, demonstrating that where and when the commercial activity occupies an important fraction of the material reproduction process, derivatives are present, even financial derivatives, to a greater or lesser extent. Therefore, mutatis mutandis, it would be expected that in modern capitalist economies, with a more flexible regulation, and in which the fragmentation of production reached magnitudes unparalleled in history, derivatives were (are) in evidence. The second part, by its turn, begins with a critical evaluation of the recent Marxist literature on derivatives, in order to advance the view that derivatives are instruments through which the numerous concrete risks become commensurate and priced, thus converted in abstract risk. Then, from a reinterpretation of the category of fictitious capital, it is argued how capitalization is established as a principle from which capitalists evaluate their wealth and how, in this context, derivatives extend the horizon of capitalist calculation in relation to considerations of time-space. Finally, the basic conclusion is that derivatives (as fictitious capital), by allowing that at every point of time the capitalist class has, in the form of a price, an objective assessment of the potential variability of a given variable, become a crucial constitutive ingredient of the estimates of the several alternative allocations of private wealth, especially when they increasingly take the form of financial securities in a context of broader and deeper international division of labor, as well as in the presence of global finance, as capitalist economies can today be characterized
Subject: Derivativos (Finanças)
Capitalismo
Economia marxista
Questão monetária
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2016
Appears in Collections:IE - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Palludeto_AlexWilhansAntonio_D.pdf1.87 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.