Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/30527
Type: Artigo de periódico
Title: Reproductive biology of the protandrous Ferdinandusa speciosa Pohl (Rubiaceae) in Southeastern Brazil
Title Alternative: Biologia reprodutiva de Ferdinandusa speciosa Pohl (Rubiaceae), uma espécie protândrica do sudeste brasileiro
Author: CASTRO, CIBELE CARDOSO DE
OLIVEIRA, PAULO EUGÊNIO ALVES MACEDO DE
Abstract: A study of the floral biology and the breeding system of Ferdinandusa speciosa Pohl (Rubiaceae) was carried out from March to September 1996 in Uberlândia, MG, central Brazil. This species is a shrub or small tree that occurs in swampy edges of gallery forests. The two studied populations flowered somewhat asynchronously from March to July. The tubular flowers are red, approximately 4.7 cm long and last for two days. They are protandrous and the pollen is available one day before the stigma becomes receptive. The beginning of anthesis and the opening of the stigmatic lips occur at dusk. The nectar is secreted during both the male and the female phases, with concentration of sugars greater in the male phase. The flowers are pollinated by two hummingbird species, Chlorostilbon aureoventris and Phaethornis pretrei. Ferdinandusa speciosa is a self-compatible, non-apomictic species, with low fruit production under natural conditions in the populations studied. No differences were found between fruit set of self- and cross-pollinated flowers, nor in the pollen tube growth rate in the pistils of these flowers. The seeds formed by cross-pollination are larger, heavier and show a higher percentage of germination than those formed by self-pollination, which indicates inbreeding depression. This result suggests that, although the species is self-compatible, cross-pollination may be advantageous.
O estudo da biologia floral e sistema de reprodução de Ferdinandusa speciosa Pohl (Rubiaceae) foi realizado durante os meses de março a setembro de 1996 em Uberlândia, MG, Brasil central. Esta espécie é uma arvoreta que ocorre em margens alagadas de matas de galeria. As populações estudadas floresceram de março a julho, apresentando pulsos de emissão de inflorescências que conferiram uma certa assincronia de floração tanto individual quanto populacional. As flores possuem corola vermelha, tubular, levemente curvada, medindo cerca de 4,7 cm de comprimento e duram dois dias. São protândricas, e a oferta de pólen precede em um dia a receptividade estigmática. Tanto o início da antese quanto a abertura dos lábios estigmáticos ocorrem no crepúsculo. O néctar está disponível nas fases masculina e feminina, apresentando maior concentração de açúcares na fase masculina. As flores são polinizadas por duas espécies de beija-flor, Chlorostilbon aureoventris e Phaethornis pretrei. Ferdinandusa speciosa é uma espécie autocompatível, não apomítica e com baixa produção de frutos em condições naturais. Não houve diferença significativa entre a produção de frutos formados por autopolinização e polinização cruzada, nem na taxa de crescimento de tubos polínicos provenientes destes dois tipos de cruzamento. As sementes formadas por polinização cruzada são maiores, com massa e taxa de germinação maiores do que as formadas por autopolinização, indicando que, embora a espécie seja autocompatível, a polinização cruzada é vantajosa.
Subject: Ferdinandusa
hummingbird
pollination
protandry
Rubiaceae
Editor: Sociedade Botânica de São Paulo
Rights: aberto
Identifier DOI: 10.1590/S0100-84042001000200006
Address: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-84042001000200006
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84042001000200006
Date Issue: 1-Jun-2001
Appears in Collections:Unicamp - Artigos e Outros Documentos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
S0100-84042001000200006.pdf164.53 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.