Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/304747
Type: TESE DIGITAL
Title: A economia monetária de Keynes : a moeda e o sistema financeiro a serviço da produção ou a administração financeira estatal
Title Alternative: The monetary economy of Keynes : the money and the financial system working for production or financial state administration
Author: Rosa, Everton Sotto Tibiriçá, 1984-
Advisor: Deos, Simone Silva de, 1968-
Abstract: Resumo: A tese apresenta uma discussão sobre a ação financeira do Estado, em economias com sofisticados sistemas financeiros, a partir da recuperação da teoria da economia monetária e das propostas de política econômica e reforma institucional de Keynes. Os problemas econômicos enfrentados neste século XXI, tanto nos países centrais quanto nos periféricos, são similares aos que estiveram no cerne da análise do maior economista do século XX. No período corrente, eles apenas ilustram a importância do entendimento e consideração do conjunto da obra do autor, indo além da Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda. Desde já, não significa um abandono desta última, mas o resgate da riqueza teórica, histórica e prática que permitiu ao autor escrever sua obra mais conhecida, e que fundamentou suas ações como economista destacado no enfrentamento dos grandes desafios econômicos do século XX ¿ a depressão, a guerra e o sistema monetário internacional. O maior problema econômico do fim do século passado, e do início deste, é a negação dos princípios de funcionamento de uma economia monetária. Este problema resulta em falta de clareza (e divergência política) sobre a ação do Estado em ambientes, nos quais, os empresários, banqueiros, financistas, trabalhadores, famílias e burocratas tomam decisões que envolvem dinheiro, passagem do tempo e desconhecimento do futuro. Em suma, o maior problema econômico não é a escassez dos recursos, mas a falta de organização sistêmica da produção e das decisões monetárias. Neste sentido, desemprego, inflação, falências, ociosidade de recursos produtivos, instabilidade e crises refletem apenas a incompreensão/negação de que as economias operam de forma dinâmica e cumulativa ao longo do tempo. Em economias monetárias, a ação financeira do Estado é o elemento que pode compensar o resultado das interações das decisões individuais e, pode ser o elemento norteador e condicionante dos objetivos de longo prazo da sociedade. Desde logo, a organização econômica é uma tarefa de responsabilidade do Estado, que se observa, independentemente das particularidades de tempo e espaço, através da gestão da moeda e do Sistema Financeiro. Nesta tese, defende-se que, além de compreender essa característica das economias monetárias, Keynes fornece uma teoria da administração financeira estatal que é vinculada a uma filosofia de organização social da economia. Em outras palavras, o conjunto da obra de Keynes fornece uma teoria econômica com interesse na estabilidade econômica, na liberdade de pessoas nas atividades produtivas, comerciais e financeiras, na eficiência da produção e voltada aos que recebem rendas derivadas do próprio trabalho. Keynes fornece uma teoria econômica compatível com a preservação da liberdade política e econômica, inclusive com apreservação da propriedade privada, sendo, portanto, uma teoria alternativa às proposições que defendem o fim do Estado, da propriedade e, até mesmo, da moeda. No entanto, por buscar inibir os elementos que representam ganhos individuais ao custo da sociedade, sua teoria é apenas resgatada em momentos de crise, para preservação da ordem econômica, e logo é abandonada nas recuperações, pois a sua aplicação continua é, de forma inevitável, um instrumento de transformação (reforma) da organização social da economia

Abstract: The thesis presents a discussion on the financial action of the State in economies with sophisticated financial systems, from the recovery of monetary economic theory and proposals of economic policy and institutional reform of Keynes. The economic problems faced in the twenty-first century, both in the central countries and peripheral, are similar to those that were at the core of the analysis the greatest economist of the twentieth century. In the current period, it just illustrates the importance of understanding and consideration of the author's work as a whole, going beyond the General Theory of Employment, Interest and Money. It does not mean an abandonment of the latter, but the rescue of theoretical wealth, history and practice that allowed the author to write his best-known work, and that justified their actions as an highlighted economist in facing the great economic challenges of the twentieth century - depression the war and the international monetary system. The biggest economic problem of the end of the last century, and the beginning of this, is the negation of the principles of operation of a monetary economy. This problem results in lack of clarity (and political disagreement) on the action of the State in environments where, entrepreneurs, bankers, financiers, workers, families and bureaucrats make decisions that involve money, the passage of time and ignorance of the future. In short, the biggest economic problem is not the shortage of resources, but the lack of systemic organization of production and monetary decisions. In this sense, unemployment, inflation, bankruptcies, idle productive resources, instability and crises reflect the misunderstanding /denial that the economies operate in a dynamic and cumulatively shape over time. In monetary economies, the financial action of the State is the element that can compensate the result of interactions of individual decisions and it may be the guiding element and conditioning of long-term goals of society. The economic organization is a task of responsibility of the State, which is observed, regardless of the particularities of time and space, by managing the currency and financial system. In this thesis, it is argued that in addition to understanding this feature of monetary economies, Keynes provides a theory of the financial administration of the State that is linked to a philosophy of social organization of the economy. In other words, Keynes's lifetime achievement provides an economic theory with an interest in economic stability, freedom of people in the productive, commercial and financial activities, efficiency of production and to those receiving income derived from the work itself. Keynes provides an economic theory compatible with the preservation of political and economic freedom, including the preservation of private property, and therefore an alternative theory to the propositions advocating the end of the state, property and even the money. However, by seeking to inhibit the elements representing individual gains at the cost of society, his theory is just rescued in times of crisis, to preserve the economic order, and is soon abandoned in recovery, because its implementation is, inevitably, an instrument of change (reform) of social organization of the economy
Subject: Keynes, John Maynard, 1883-1946
Questão monetária
Mercado financeiro
Produção (Teoria econômica)
Estado
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2016
Appears in Collections:IE - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Rosa_EvertonSottoTibirica_D.pdf4.54 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.