Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/290575
Type: TESE
Degree Level: Doutorado
Title: Avaliação da influencia dos hormonios sexuais na nocicepção da articulação temporomandibular de ratos e estudo dos mecanismos envolvidos
Title Alternative: The role of sex hormones in temporomandibular joint nociception and study of the mechanisms involved.
Author: Fischer, Luana
Advisor: Tambeli, Cláudia Herrera, 1969-
Abstract: Resumo: O objetivo deste estudo foi avaliar a influência dos hormônios sexuais na nocicepção da articulação temporomandibular (ATM) de ratos e os possíveis mecanismos envolvidos. A injeção de formalina na ATM em uma concentração (0,5%) que não induziu nocicepção em machos intactos, induziu em machos gonadectomizados e em fêmeas intactas, o que sugere que os níveis fisiológicos de testosterona diminuem o risco de machos desenvolverem nocicepção da ATM. A resposta nociceptiva induzida pela injeção de uma alta concentração de formalina (1,5%) na ATM de machos é significativamente menor que àquela induzida na ATM de fêmeas em diestro, fase do ciclo estral com baixos níveis de estrógeno, mas semelhante àquela induzida na ATM de fêmeas em proestro, faze do ciclo estral com altos níveis de estrógeno. Esse resultado sugere que a nocicepção da ATM, em fêmeas, é exacerbada durante a fase do ciclo estral em que os níveis de estrógeno estão baixos. A administração sistêmica de estrógeno ou progesterona em fêmeas gonadectomizadas e de testosterona em machos gonadectomizados reduz a resposta nociceptiva induzida pela injeção de formalina na ATM. A influência do sexo e dos hormônios ovarianos na nocicepção induzida pela injeção de formalina ou de glutamato na ATM foi exatamente a mesma, o que demonstra que o efeito antinociceptivo dos hormônios ovarianos na ATM não é estritamente relacionado a nocicepção induzida pela formalina. A semelhança entre estudos clínicos e os resultados obtidos utilizando estes dois agentes nociceptivos sugere que o modelo comportamental de nocicepção da ATM pode ser útil e confiável para estudar os mecanismos envolvidos no efeito antinociceptivo dos hormônios sexuais na ATM de ratos. A administração de drogas no líquido cefalorraquidiano da região de complexo sensorial trigeminal também é útil para o estudo desses mecanismos, mas o procedimento cirúrgico realizado para a implantação do cateter usado para a injeção pode afetar a expressão dos comportamentos relacionados a nocicepção orofacial. Portanto, a técnica que permite a injeção direta de drogas nessa região, sem a necessidade de procedimentos cirúrgicos contribui para o estudo dos mecanismos envolvidos no efeito antinociceptivo dos hormônios sexuais na ATM de ratos. A administração, por meio dessa técnica, do antagonista de receptores opióides naloxona no espaço subaracnóide da região do complexo sensorial trigeminal bloqueou o efeito antinociceptivo induzido pelos níveis fisiológicos de estrógeno em fêmeas em proestro e pela administração sistêmica de estrógeno ou progesterona em fêmeas gonadectomizadas e de testosterona em machos o gonadectomizados. No entanto, a co-administração de naloxona e formalina na ATM bloqueou o efeito antinociceptivo da progesterona e da testosterona, mas não do estrógeno. Esses dados sugerem que mecanismos opióides centrais medeiam o efeito antinociceptivo do estrógeno, da progesterona e da testosterona, enquanto mecanismos opióides periféricos também medeiam o efeito antinociceptivo da progesterona e da testosterona. A administração local de estrógeno, conjugado ou não com a albumina plasmática, na ATM de fêmeas reduziu significativamente a nocicepção induzida pela formalina. Como o estrógeno conjugado com a albumina tem ação restrita a receptores de membrana, esse dado sugere que o estrógeno reduz a nocicepção através de uma ação periférica não genômica. O efeito antinociceptivo do estrógeno foi bloqueado pelo antagonista de receptores estrogênicos ICI 182 780 e pelos inibidores da óxido nítrico sintase, L-NNA, e da guanilato ciclase, ODQ, mas não pelo antagonista de receptores opióides, naloxona. Esse dado sugere que o efeito antinociceptivo periférico do estrógeno é mediado pela ativação da via do óxido nítrico/GMP cíclico. Juntos, os resultados desse estudo demonstram que os níveis fisiológicos de testosterona diminuem o risco de ratos desenvolverem nocicepção da ATM e os de estrógeno diminuem a nocicepção da ATM em ratas. Além disso, a nocicepção da ATM também é diminuída pela administração sistêmica de estrógeno ou progesterona em ratas e de testosterona em ratos. O efeito antinociceptivo dos hormônios sexuais é mediado por mecanismos opióides centrais, enquanto mecanismos opióides periféricos medeiam o efeito da progesterona e da testosterona, mas não do estrógeno. De fato, a administração de estrógeno na ATM reduz a nocicepção através de um mecanismo periférico não genômico, mediado pela ativação da via do óxido nítrico-GMPc, mas não pela ativação do sistema opióide periférico

Abstract: The aim of this study was to evaluate the effect of sex hormones on temporomandibular joint (TMJ) nociception in rats and the possible mechanisms underlying their effect. The TMJ injection of 0.5% formalin induced nociception in intact females and gonadectomized males, but not in intact males, suggesting that the physiological level of testosterone protect males by decreasing their probability to develop TMJ pain. A higher dose of formalin (1.5%) induced a nociceptive behavior response significantly higher in female rats during diestrus phase of the estrous cycle than in those during proestrus phase and male rats. Since estradiol serum level was higher in proestrus than in diestrus females, this finding suggests that during low estradiol level of the estrous cycle the TMJ nociception is increased in female rats. Systemic administration of estradiol or progesterone in gonadectomized females and of testosterone in gonadectomized males significantly decreased 1.5% formalin-induced TMJ nociception. The role of sex and ovarian hormones in formalin and glutamate-induced TMJ nociception was virtually the same, showing that the antinociceptive effect of ovarian hormones was not exclusively related to the nociception induced by formalin. The similarity between clinical studies and the present results, obtained by using two different nociceptive agents, suggests that the TMJ behavior model may be useful and reliable to study the mechanisms underling the antinociceptive effect of sex hormones in the TMJ. Drug delivery to the medullary cerebrospinal fluid is also useful to study these mechanisms, however, the surgical procedure for implantation of the catheter used for drug delivery may affect the expression of the nociceptive behaviors related to orofacial nociception. Therefore, the technique for direct drug delivery to the medullary cerebrospinal fluid, without catheter implantation, will contribute for the study of the mechanisms underling the antinociceptive effect of sex hormones in the TMJ. The administration, though this technique, of the opioid receptor antagonist naloxone in the medullary region blocked the antinociceptive effect of estradiol, progesterone and testosterone. However, the co-administration of naloxone with formalin into the TMJ blocked the antinociceptive effect of progesterone and testosterone, but not of estradiol. These findings suggest that central opioid mechanisms mediate the antinociceptive effect of estradiol, progesterone and testosterone, while peripheral opioid mechanisms also mediated the antinociceptive effect of progesterone and testosterone. The local administration of estradiol, conjugated or not with the bovine serum albumin, significantly decreased formalin-induced TMJ nociception in female rats. Given that estradiol conjugated with bovine serum albumin is a membrane impermeable compound, these findings suggest that estradiol decreases TMJ nociception by a peripheral nongenomic mechanism. The antinociceptive effect of estradiol was blocked by an estrogen receptor antagonist and by a nitric oxide synthase and a guanilato cyclase inhibitors, but not by a opioid receptor antagonist. These findings suggest that estradiol decreases TMJ nociception in female rats through a peripheral activation of NO-cGMP signaling pathway. Taken together, the findings of this study suggest that the high physiological level of testosterone decreases the risk of male rats develop TMJ pain and that of estradiol decreases TMJ nociception in female rats. Furthermore, TMJ nociception was also decreased by systemic administration of estradiol or progesterone in female and of testosterone in male rats. The antinociceptive effect of sex hormones is mediated by central opioid mechanisms, while peripheral opioid mechanisms mediate the antinociceptive effect of progesterone and testosterone, but not of estradiol. In fact, the administration of estradiol in the TMJ decreases nociception by a peripheral non-genomic mechanism mediated by activation of the nitric oxide-cGMP signaling pathway, but not by opioid receptors
Subject: Estrogênios
Progesterona
Testosterona
Dor
Sexo
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: FISCHER, Luana. Avaliação da influencia dos hormonios sexuais na nocicepção da articulação temporomandibular de ratos e estudo dos mecanismos envolvidos. 2008. 153p. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Piracicaba, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/290575>. Acesso em: 19 set. 2018.
Date Issue: 2008
Appears in Collections:FOP - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Fischer_Luana_D.pdf1.1 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.