Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/289421
Type: TESE
Degree Level: Doutorado
Title: Análise morfométrica mandibular por meio de tomografia volumétrica visando a melhor forma de fixação interna da osteotomia sagital do ramo mandibular
Title Alternative: Morphometrical examinations of the ramus mandibular for the indication stable internal fixation to sagittal ramus split osteotomy : a cone beam computer tomography study
Author: Oliveira, Marcelo Vinicius de, 1963-
Advisor: Albergaria-Barbosa, José Ricardo de, 1956-
Abstract: Resumo: A osteotomia sagital do ramo mandibular (OSRM) como descrito por Obwegeser e Dal-Pont é atualmente um procedimento comum e de sucesso na cirurgia oral e maxilo-facial no tratamento de certas discrepâncias mandibulares. Em cirurgia ortognática, entre muitas diferentes propostas de osteotomia para correções de deformidades dento-faciais na mandíbula, é evidente que a osteotomia sagital da mandíbula (OSRM) é a mais utilizada pelos cirurgiões buco-maxilo-faciais. Este fato, devido a várias razões, principalmente a estabilidade alcançada pelo contato osso grande entre os segmentos, sem a necessidade de enxerto ósseo, função mandibular precoce; estabilidade no tratamento em longo prazo e fixação fácil. Diferentes métodos para fixação interna foram utilizados para permitir a mobilização precoce e funções após a OSRM. A introdução dispositivos de fixação interna, como miniplacas e parafusos diminui substancialmente a duração do bloqueio maxilo-mandibular ou mesmo o elimina completamente. A espessura da cortical óssea mandibular tem demonstrado ser um dos muitos fatores que levam a falha de afrouxamento de parafuso e, conseqüentemente, o poder de fixação do parafuso. Mensurações da morfologia mandibular utilizando métodos convencionais têm sido relatadas na literatura. Até o momento, apenas um estudo foi publicado em que analisa a espessura do osso cortical no ramo mandibular relacionando-a com fixação interna na osteotomia sagital do ramo mandibular. O objetivo deste estudo foi quantificar a espessura do osso cortical do ramo mandibular para determinar as condições relacionadas com a osteotomia sagital do ramo e colocação de parafusos. A amostra foi composta por 44 pacientes de pacientes, com idades variando de 46 a 52 (idade média de 49 anos). Tomografias computadorizada Cone-Beam foram realizadas fazendo três cortes; na área de terceiro molar (seção A), posterior 5mm (seção B) e 5 milímetros posterior a este último (seção C). Foram realizadas as medidas das corticais em nível superior e inferior relacionada com o canal mandibular além das medições relacionadas com a largura total da mandíbula. Coeficiente de correlação intra classe com p <0,05 foi usado. O resultado mostrou que as corticais vestibular e lingual não apresentaram diferenças estatísticas e seu menor valor foi 1,5 milímetros para cada um. Corticais ósseas superior e inferior não apresentaram diferenças e a largura total da mandíbula foi entre 15,9 milímetros a 8,5 milímetros na região anterior, entre os 17,4 milímetros a 12,8 milímetros na área intermediária e 18mm de 8,8 milímetros na região posterior. A distância superiormente ao canal mandibular apresentou um desvio padrão mínimo com uma média de 8,5 milímetros na região anterior, 10,6 milímetros para a região intermediária e 12,5 milímetros na região posterior. Em conclusão, a espessura cortical do ramo mandibular é particularmente forte e oferece um bom ancoradouro para SSRO osteossíntese com parafusos de fixação independente do tipo de disposição

Abstract: The sagittal split ramus osteotomy (SSRO) as described by Obwegeser and Dai­Pont is now a standard, common and successful procedure in oral and maxillofacial surgery for the treatment for certain mandibular discrepancies. In orthognathic surgery, among many different designs proposed osteotomy for correction of dental­facial deformities in the jaw, it is clear that the sagittal osteotomy of the mandibular (OSRM) is the most commonly used by surgeons maxillofacial. This fact due to several reasons, mainly the stability achieved by the large bone contact between the segments, without the need for bone grafts, early jaw function; stability in long-term treatment and easy fixation. Different methods for internal fixation have been used to allow early mobilization and functions after the common use of the SSRO. The introduction of modern devices for internal fixation such as miniplates or lag screws substantially shortens the duration of intermaxillary fixation (IMF) or even obviates it completely. Cortical bone thickness has been shown to be one of many factors affecting screw pullout strength and, consequently, the holding power of the screw. Measurement of mandibular ramus morphology using conventional methods has been reported in the literature28, but surgeons have found that further investigatio of the anatomical relationship is needed. To date, only one study have been publi hed in which the thickness of cortical bone at the mandibular ramus relates to stable internal fixation of SSRO. The objective of this study was to quantify the cortical bone thickness of the mandibular ramus to determine conditions related to sagittal split ramus osteotomy and placement of screws. The patient sample comprised 44 patients, ages ranging. from 46 to 52 (mean age, 49 years). The cone beam computed tomography were periormed and realized three cuts in third molar area (section A), 5 mm posterior (section B) and 5mm posterior to the latter (section C). Was executed measurement in cortical areas of superior and inferior level related to mandibular canal and measurement related to total width of mandible. Intra class Correlation Coefficient with p<0.05 was used. The result showed that buccal and lingual cortical zone was not present sta1istical differences and his minor value was 1.5mm for each one. Superior and inferior cortical bone was not present differences and the total width of mandible was between 15.9mm to 8.5mm in the anterior area, between 17.4mm to 12.8mm in the meddle area and 18mm to 8.8 mm in the posterior area. The distance superiorly to mandible canal presented a minimal standard deviation with a mean of 8.5mm in the anterior region, 10.6 mm for meddle region and 12.5mm in the posterior region. In conclusion, the cortical thickness of the mandibular ramus is particularly strong and offers a good anchorage for SSRO using osteosynthesis screws independently of disposition fixation type
Subject: Cirurgia ortognática
Deformidades dentofaciais
Mandibula
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2011
Appears in Collections:FOP - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Oliveira_MarceloViniciusde_D.pdf1.91 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.