Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/287954
Type: TESE
Title: Associação da performance mastigatoria com variaveis corporais e dentarias em crianças
Title Alternative: Associations of masticatory performance with body and dental variables in children
Author: Tureli, Maria Claudia de Morais
Advisor: Gavião, Maria Beatriz Duarte, 1955-
Abstract: Resumo: A dificuldade na mastigação é o mecanismo mais provável pelo qual as condições precárias de saúde bucal podem afetar a alimentação. Assim, o objetivo deste estudo foi avaliar a performance mastigatória em 97 crianças na faixa etária de 08 a 12 anos de idade, considerando as categorias de Índice de Massa de Corporal (IMC) e as condições dentárias. Além disso, as variáveis sociodemográficas foram obtidas para associar às categorias do IMC. As condições dentárias foram avaliadas pelo índice CPOD/ceo e o número de dentes presentes. A performance mastigatória foi determinada pela mastigação de 17 cubos do material teste Optocal (3 cm3) durante 20 ciclos mastigatórios. O grau de fragmentação foi determinado pelo método da peneiragem fragmentada, obtendo-se o valor mediano (X50) das partículas e a distribuição destas nas peneiras (b). As crianças foram submetidas à avaliação antropométrica, com medida do peso corporal e altura para cálculo do IMC (kg/m2). Os percentis das curvas de crescimento foram utilizados como referência para definição dos grupos, de acordo com as seguintes categorias: "obesos" (IMC = percentil 95); "sobrepeso" (percentil 85 = IMC < percentil 95); peso "normal" (percentil 5 = IMC < percentil 85); "baixo" peso (IMC < percentil 5). O grau de escolaridade das mães foi categorizado em primeiro grau (até oito anos de escolaridade) e segundo grau (até onze anos de escolaridade). As condições socioeconômicas foram classificadas de acordo com oito classes econômicas (A1, A2, B1, B2, C1, C2, D e E), onde a classe A representa o maior poder aquisitivo. Os dados foram comparados entre os grupos pela análise de variância e teste de Tukey como post-hoc. Coeficientes de Pearson e Spearman, teste Qui-quadrado e análise de regressão logística múltipla foram também aplicados. Os resultados mostraram que o grupo com peso "normal" apresentou valor de X50 significativamente menor que o grupo "sobrepeso e obeso", denotando melhor performance mastigatória; no entanto, não se observou diferença significativa com o grupo "baixo" peso. As comparações dos valores de "b", CPOD, ceo e número de dentes não mostraram diferença significativa. A maioria das famílias pertencia à classe socioeconômica baixa em todos os grupos e o número de mães com primeiro grau de escolaridade foi significantemente maior em relação às do segundo grau nos grupos com peso "normal" e "sobrepeso e obeso". O valor de X50 apresentou correlação negativa e significativa com a idade no grupo "baixo" peso e correlação positiva com o CPOD no grupo peso "normal". As crianças com peso considerado abaixo do normal apresentaram risco maior de performance mastigatória mais deficitária do que o grupo "normal" (OR = 1.87). Para as outras variáveis o risco foi similar, assim como para o grupo "sobrepeso e obeso". Concluiu-se que crianças com sobrepeso/obesas apresentaram pior performance mastigatória do que as com peso "normal". A condição de pior performance mastigatória foi significativamente associada com o grupo de "baixo" peso e com as condições dos dentes permanentes em crianças com peso "normal". O nível socioeconômico e o grau de escolaridade não tiveram associação com as categorias do IMC.

Abstract: Difficulty in chewing is probably the most likely mechanism by which poor oral health status may affect dietary intake, thus the aim of this study was to evaluate the masticatory performance in 97 children aged from 8 to 12 years considering the categories of Body Mass Index (BMI) and dental conditions. Furthermore, socio-demographic variables were taken into account for associating with the categories of BMI. Dental conditions were appraised by DMFT/dmf and number of teeth. The masticatory performance was determined by chewing 17 cubes of chewable test material (3 cm3) over the course of 20 cycles. The degree of fragmentation was determined by the sieving method, for obtaining the median particle size (X50) and broadness of distribution (b). BMI was calculated as the body weight (kg) divided by the height squared (m2) and put into the respective Growth Charts for determining the percentiles. The following categories were considered: "obese" (BMI = 95th percentile); "overweight" (85th percentile = BMI < 95th percentile); "normal" weight (5th percentile = BMI < 85th percentile); "underweight" (BMI < 5th percentile). Maternal schooling was categorized in first degree (until eight years of schooling) and second degree (until eleven years of schooling). Socioeconomic status was classified according to eight economic classes (A1, A2, B1, B2, C1, C2, D and E), where class A is of larger purchasing power. The data were compared among groups by ANOVA and Tukey's test as post-hoc. Pearson and Spearman's coefficients, chi-square test and multiple logistic regression analysis were also applied. The results showed that "normal" group presented significant smaller X50 than the "overweight and obese" group, meaning a better masticatory performance, whereas no significant difference was observed with "underweight" group. Comparisons of "b", DMFT, dmf and number of teeth showed no significant differences among groups. The most of the families belonged to very low economic class in all groups and the number of mothers with first degree was significant larger than the ones with second degree, in "normal" and "overweight and obese" groups. Age showed a negative and significant correlation with X50 in the "underweight" group. DMFT showed a positive and significant correlation with X50 in "normal" group. Underweight children are at higher relative risk of exhibiting poor masticatory performance than "normal" weight children (OR = 1.87). For other variables the risks were similar, as well as for "overweight and obese" children. It was concluded that "overweight/obese" children presented lower masticatory performance than "normal" children. Poor masticatory performance had a significant relationship with being "underweight" and with the conditions of permanent teeth in "normal" children. Economic class and years of schooling were not associated with BMI categories.
Subject: Mastigação
Índice de massa corporal
Peso baixo
Obesidade
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2009
Appears in Collections:FOP - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Tureli_MariaClaudiadeMorais_M.pdf2.01 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.