Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/287952
Type: TESE
Degree Level: Doutorado
Title: Mordida cruzada posterior e expansão rapida da maxila na fase da dentição mista = avaliação eletromiografica, ultrassonografica e cefalometrica
Title Alternative: Posterior crossbite and rapid maxillary expansion in mixed dentition stage : electromyographic, ultrassonographic and cephalometric
Author: De Rossi, Moara
Advisor: Gavião, Maria Beatriz Duarte, 1955-
Abstract: Resumo: O objetivo dessa tese, composta por três artigos, foi avaliar a musculatura mastigatória de crianças com mordida cruzada posterior (MCP) antes e após a expansão rápida maxila (ERM); bem como verificar se há diferenças esqueléticas, verticais e sagitais, com o uso do aparelho disjuntor bandado ou colado com cobertura oclusal de acrílico. Nos artigos 1 e 2, 55 crianças (entre 6 e 10 anos de idade, de ambos os gêneros) foram divididas em três grupos: grupo controle (normoclusão, n=24), grupo MCP unilateral (n=18) e grupo MCP bilateral (n=13). As crianças com MCP foram submetidas à ERM com o uso do disjuntor do tipo Hyrax modificado. Exames de ultrassonografia (US) e eletromiografia (EMG) de superfície foram realizados inicialmente (T1) nos três grupos. Nas crianças com MCP, a avaliação foi repetida aproximadamente quatro meses após a ERM (T2). Os dados foram comparados intragrupos (entre lados e entre T1 e T2) e intergrupos (em T1 e T2). No artigo 1, a espessura US e a atividade EMG dos músculos mastigatórios foram analisadas durante o repouso e apertamento dental. Uma possível correlação entre EMG e US também foi analisada. Os resultados mostraram que: a espessura muscular dos grupos MCP, em T1 e T2, foi semelhante a do controle; a atividade EMG do grupo MCP bilateral apresentou algumas diferenças em relação aos outros dois grupos durante o repouso, em T1 e T2; a atividade EMG e espessura dos músculos dos pacientes com MCP bilateral não modificou em T2, mas a espessura do masseter dos pacientes com MCP unilateral diminuiu durante o repouso; assimetrias musculares ocorreram em pacientes com e sem MCP; correlação positiva entre EMG e US foi encontrada apenas no grupo controle durante o apertamento dental. No artigo 2, a atividade EMG foi analisada durante a mastigação habitual e unilateral. Os resultados mostraram que: o grupo controle e MCP unilateral e bilateral, em T1 e T2, apresentaram atividade EMG simétrica durante a mastigação habitual; o grupo controle e MCP bilateral, em T1 e T2, apresentaram os músculos do lado de trabalho mais ativos durante a mastigação unilateral; o que ocorreu no grupo MCP unilateral apenas em T2; a atividade EMG do grupo MCP unilateral diminuiu em T2 e não modificou no grupo MCP bilateral; algumas diferenças na atividade EMG foram encontradas entre os grupos em T1 e T2. O artigo 3 foi realizado em dois grupos de 26 crianças (entre 6 e 10 anos de idade, de ambos os gêneros), submetidas a ERM com o disjuntor bandado (grupo Hyrax) ou colado com cobertura oclusal de acrílico (grupo colado). Radiografias cefalométricas laterais foram analisadas antes do tratamento e após um período de contenção de pelo menos dez meses. Os resultados mostraram que os efeitos esqueléticos da ERM foram semelhantes com o uso dos dois tipos de aparelhos. De acordo com os três artigos, concluiu-se que assimetrias na espessura e atividade muscular ocorreram em crianças com e sem MCP. A espessura muscular de crianças com MCP, antes e após o tratamento, foi semelhante à de crianças sem MCP. Diferenças na atividade EMG, entre crianças, ocorreram independentes da presença de MCP ou desvio mandibular. A espessura muscular e a atividade EMG de crianças com MCP unilateral diminuíram após o tratamento, porém essas características não se modificaram em crianças com MCP bilateral. As alterações esqueléticas verticais e sagitais após a ERM, com o uso do disjuntor bandado ou colado com cobertura oclusal de acrílico, foram semelhantes.

Abstract: The aim of this thesis, comprised by three manuscripts, was to analyze the masticatory muscles of children with posterior crossbite (PCB) before and after rapid maxillary expansion (RME); as well to analyze if there are vertical and sagittal skeletal differences resulted by the uses of the banded or bonded RME appliance. In articles 1 and 2, 55 children (aged between 6 and 10 years, both gender) were divided into three groups: control group (normocclusion, n=24), unilateral (n=18) and bilateral (n=13) PCB groups. The children having PCB were submitted to RME using the Hyrax modified appliance. Ultrassonographic (US) and surface eletromyographic (EMG) exams were initially made in both groups (T1). In children having PCB, the evaluation was repeated nearly four months after RME (T2). The data were compared intra- group (between sides and between T1 and T2) and inter- group (at T1 and T2). In article 1, US thickness and EMG activity of the massteres and anterior temporalis muscles were analyzed during rest and dental clenching. A possible correlation between muscle thickness and EMG activity was also evaluated. The results showed that: the muscular thickness of patients with PCB at T1 and T2 were similar to those of control group; the EMG activity of the bilateral PCB group presented some differences compared to the other two groups; the EMG activity and muscular thickness of bilateral PCB did not modify at T2, but the masseter thickness of unilateral PCB patients decreased during rest; muscular asymmetry occurred in patients with and without PCB; positive correlation between EMG and US was found only in the control group during clenching. In article 2, the EMG activity of massteres and anterior temporalis muscles were analyzed during habitual and unilateral chewing. The results showed that: the control, unilateral and bilateral PCB groups presented symmetric EMG activity during habitual chewing; the control and bilateral PCB groups, at T1 and T2, presented the working side muscles more active during unilateral chewing, which occurred in unilateral PCB group only at T2; the EMG activity of unilateral PCB group decreased at T2 and did not modified in bilateral PCB group; some inter groups differences in EMG activity were found among the groups at T1 and T2. The article three was performed in two groups of 26 children (aged between 6 and 10 years, both gender), submitted to RME using the banded (Hyrax group) or bonded (bonded group) appliance. Lateral cephalometric radiographs were analysed before the treatment and at least ten months after retention. The results showed that skeletal differences after RME were similar with banded and bonded RME appliances-According to the three articles, it can be concluded that masticatory muscles thickness and EMG activity asymmetries occured in children with and without PCB. The muscular thickness of PCB children, before and after treatment, was similar to that of no crossbite children. Different muscular electrical activity between children occured independent of PCB or mandible deviation. The thickness and EMG activity of children with unilateral PCB decreased after treatment, but these characteristics did not modify in children with bilateral PCB. The vertical and sagittal skeletal changes after RME were similar with bonded and bonded appliances.
Subject: Maloclusão
Eletromiografia
Ultrasonografia
Cefalometria
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2010
Appears in Collections:FOP - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
DeRossi_Moara_D.pdf20.54 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.