Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/287257
Type: TESE
Title: Contribuição a genese da mineralização de cobre de Caraiba, Bahia : relações estruturais e parageneticas
Author: Lacerda, Carla Maria Mendes
Advisor: Oliveira, Elson Paiva de, 1947-
Abstract: Resumo: O terreno Paleoproterozóico (Transamazônico) de alto grau do Vale do Rio Curaçá (município de Jaguarari-Ba) é composto de três unidades litológicas distintas, denominadas, (i): A sequência Supracrustal, composta por paragnaisses (biotita gnaisses, hiperstênio gnaisses) intercalados com anfibolitos, quartzitos, mármores e formação ferrífera;(ii) a sequência dos granitóides composta pela suíte dos ortognaisses tonalíticos e granodioritos e pela suíte granítica, e (iii) os corpos máfico-ultramáficos mineralizados em cobre. Do ponto de vista estrutural, a região foi submetida a um evento tectônico Transamazônico, que foi separado em duas fases de deformação progressivas: 1) A primeira Dn está associada a uma tectônica tangencial em condições de fácies anfibolítica a granulítica; 2) A segunda Dn + 1 associada uma tectônica direcional de caráter sinistral em grau anfibolito alto até xisto verde. Esta última foi acompanhada de grande aporte de fluidos. A mineralização de cobre esta hospedada em rochas máfico-ultramáficas intrusivas (hiperstenitos e noritos) colocadas na forma de diques, veios e corpos irregulares durante a segunda fase de deformação. Com base nos sulfetos e óxidos presentes, foram identificadas duas paragêneses denominadas do tipo I e tipo 11. A primeira é constituída por calcopirita, bornita, magnetita, ilmenita e hercinita; e a segunda composta por calcopirita, pirrotita, pentlandita, macknawita, cubanita e magnetita. Estas paragêneses foram interpretadas como resultantes da diferenciação do magma original, em condições de fugacidades de oxigênio diferentes, antes de sua colocação final. As rochas máfico-ultramáficas foram metamorfisadas e deformadas, e como resultado houve mobilização dos sulfetos, resultando em concentração da mineralização. Evidências de mobilização mecânica são mostradas por cicatrização de fratura de calcopirita e pirrotita em silicatos. Feições de deformação em piroxênios foram principalmente devido a deslizamento dos deslocamentos e estão representadas por extinção ondulante, bandas de deformação, kinks, formação de grãos e subgrãos e geminação mecânica (raras). Análises de microssonda eletrônica nos grãos velhos e novos mostram uma pequena diferença composicional que foi associada a processo de nucleação. Através das feições em macro e microescala observadas nas rochas mineralizadas e nas rochas encaixantes foi considerado que a colocação dos corpos máfico-ultramáficos ocorreu durante o evento Dn + 1, e que o metamorfismo e a deformação posteriores proporcionaram a mobilização de sulfetos na forma de bolsões e veios resultando numa distribuição heterogênea da mineralização

Abstract: The Paleoproterozoic (Transamazonian) Curaçá River Valley high-grade terrane, near the Caraíba Copper Mine, consists of three lithologic units, namely, (i) a supracrustal sequence made-up of paragneisses (biotite gneisses, hypersthene gneisses) conformable interleaved with amphibolite, quartzite, marble and iron formation, (ii) a sequence of granitoids composed of a tonalitic to granodioritic orthogneiss suite and a granitic suite, and (iii) copper-bearing mafic-ultramafic bodies. From the structural point of view, the region has been subject to a tectonic event that may be separated into two progressive deformation phases. The first (Dn) was associated with a tangential tectonics under amphibolite to granulite facies metamorphic conditions, and the second (Dn+ 1) with a left-sense wrench tectonics under amphibolite to greenschist grade metamorphism. The latter is marked by a significant fluid input. The copper mineralisation is host in mafic-ultramafic rocks (hypersthenite and norite) which intruded the country rocks as dyke, veins and irregular bodies during the second deformation phase. Sulphides and oxides can be grouped into two parageneses, viz. Type I and Type 11. The first consists of chalcopyrite, bomite, magnetite, ilmenite and hercynite, whereas the second of chalcopyrite, pyrrhotite, pentlandite, macknawite, cubanite and magnetite. These two parageneses were interpreted as the result of magmatic differentiation under different oxygen fugacities and before their host-rocks fmal emplacement. The mafic-ultramafic rocks have been deformed and metamorphosed under amphibolite to greenschist facies conditions. During this tectonic episode, the ore mineraIs have been mechanically concentrated by mobilisation as shown by silicate fracture-infilling chalcopyrite and pyrrhotite. Deformation of orthopyroxenes took place mostly by dislocation gliding, as indicated by optical undulose extinction, deformation bands, kink-bands, formation of grains and subgrains and mechanical twining (more rare). Microprobe analysis of father- and daughter grains of orthopyroxenes yielded a minor but significant compositional difference which has been associated to nucleation processes. The microtectonic features described above, coupled with cross-cutting relationships between ore-bearing mafic-ultramafic bodies and the country rock gneisses indicate that the emplacement of the copper-rich rocks has taken place during Dn+ 1. The subsequent deformation and metamorphism were responsible for the present-day heterogeneous distribution of copper sulphides as veins and massive irregular bodies
Subject: Cobre - Metamorfismo (Geologia) - Bahia
Sulfetos
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 1995
Appears in Collections:IG - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Lacerda_CarlaMariaMendes_M.pdf9.11 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.