Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/286687
Type: TESE
Title: A relação universidade-movimentos sociais na America Latina = habitação popular, agroecologia e fabricas recuperadas
Title Alternative: The relationship between university and social movements in Latin America : social housing, agroecology and recovered factories
Author: Novaes, Henrique Tahan
Advisor: Dagnino, Renato Peixoto, 1948-
Abstract: Resumo: Este trabalho trata da relação da universidade pública com atores (e projetos políticos) externos, hoje percebida, de vários ângulos, como inadequada e demandando uma reorientação proveniente desses atores. Pretendeu-se descrever e articular, numa compreensão totalizante, a atuação, os limites, desafios e contradições presenciadas por alguns pesquisadores-extensionistas das ciências duras considerados por nós pólos avançados da relação universidade-movimentos sociais na América Latina. Como era de se esperar dada a politização inerente ao tema, o trabalho se baseia explicitamente numa perspectiva ideológica: de esquerda. E num referencial analítico-conceitual inspirado no marxismo contemporâneo e nas contribuições críticas do Pensamento Latino-americano em Ciência, Tecnologia e Sociedade. Coerentemente com essas opções e intenções, o trabalho adota um propósito normativo: conceber uma proposta que aproxime as atividades de extensão, pesquisa e docência da universidade pública latino-americana da agenda dos movimentos sociais. Para dar conta desse desafio, foram seguidos três procedimentos atinentes aos momentos de descrição, explicação e prescrição, usuais em trabalhos desta natureza. O primeiro foi a pesquisa bibliográfica envolvendo, principalmente, levantamento e crítica de autores com distintas orientações que tratam o tema enfocando as questões de natureza ideológica e política que julgamos mais pertinentes a sua abordagem. O segundo, o estudo de campo visando à observação, no âmbito de grupos de pesquisadores-extensionistas das ciências duras que têm atuado em consonância com o posicionamento adotado em função de nossas convicções e do resultado da pesquisa bibliográfica realizada. O terceiro, o contraste entre os resultados dos dois procedimentos anteriores de modo a informar o momento prescritivo em que se buscou sugerir cursos de ação visando à construção de uma alternativa à universidade atual, que seja mais sintonizada com os movimentos sociais. A Introdução trata da trajetória das instituições (universidades, institutos de pesquisa, política de C&T, estrutura de fomento) públicas latino-americanas e da sua relação com aspectos explicativos de caráter político, sócio-econômico dos contextos nacional e internacional e com características específicas dos atores que influenciaram - no plano da policy e da politics - esta trajetória dando especial atenção ao comportamento da comunidade de pesquisa. Os resultados da pesquisa bibliográfica são apresentados nos dois primeiros capítulos. O Capítulo 1 reflete sobre as mudanças mais profundas que a América Latina presenciou nos últimos 40 anos: financeirização da economia, baixo crescimento, mudanças no mundo do trabalho (avanço do toyotismo, aumento do desemprego, subemprego estrutural, etc.), as reformas do estado, a concentração de renda e a favelização da América Latina. Ele encerra com as rebeliões populares que tentaram subverter este processo. O Capítulo 2 trata dos fundamentos teórico-práticos de um estilo de desenvolvimento alternativo que poderá emergir como extrapolação de tendências portadoras de futuro observáveis na região. Baseado na propriedade coletiva dos meios de produção, na autogestão, na desmercantilização e, no contexto reflexo mais adstrito ao tema do trabalho, numa visão crítica à Neutralidade e ao Determinismo da tecnociência e, em conseqüência, numa participação ativa dos setores sociais hoje excluídos no desenvolvimento científico e tecnológico. Os resultados do estudo de campo são apresentados nos três capítulos seguintes. Eles abordam a relação entre grupos de pesquisadores-extensionistas latino-americanos provenientes das ciências duras e da arquitetura e os movimentos sociais. Ressaltando sua condição de frutos da contradição entre a trajetória apresentada no Capítulo 1 e as percepções que ela engendra, expostas no Capítulo 2, são aqui tratados três aspectos positivos principais de sua atuação: os argumentos teóricos fundamentados em sua autoridade científica e em conhecimento prático oriundo de um sólido trabalho de pesquisa e ação; o resgate histórico de experiências e teóricos alternativos, as críticas que fazem, nos seus respectivos campos (habitação popular, agroecologia e fábricas recuperadas) à tecnologia convencional (desnaturalização da indústria da construção civil, o papel da revolução verde, a tecnologia e organização heterogestionária do trabalho na indústria) e ao tipo de assistência técnica vigente no país (difusionista, pouco dialógica, concebida tendo em vista os grandes produtores e não os trabalhadores); a análise da autogestão, desmercantilização e as críticas à propriedade dos meios de produção, a maneira como combinam teoria e prática, saber e poder, concepção e execução, aprendendo com o conhecimento dos trabalhadores e, conferindo "intenção" à extensão, ao inserir estudantes e pesquisadores na transformação da universidade pública, e as "propostas" de assistência técnica e de adequações tecnológicas que fazem. Foram também observados quatro aspectos que tendem a dificultar a ação dos grupos pesquisados e, de maneira geral, a transformação que desejam. No plano cognitivo, a manutenção, por parte de seus pares, da concepção da Neutralidade e do Determinismo da tecnociência. No plano das políticas públicas em geral, a escassa atenção conferida pelo atual governo à garantia dos direitos dos movimentos sociais, à criação de mecanismos de controle das corporações e criação de condições gerais de produção para os movimentos sociais. Num cenário mais amplo, as contingências históricas que a esquerda vem passando, dentre eles a crise teórica e o avanço do capital, que a colocam na defensiva. No plano da política universitária e de C&T, a orientação para o "privado", que segue impedindo as universidades e institutos de pesquisa públicos a cumprirem sua missão de dedicar-se à melhoria do que é "público" através de alianças com os movimentos sociais. O último capítulo se inicia com um retrospecto de experiências latino-americanas de construção de uma universidade alternativa. Na Argentina, se analisam a Reforma de Córdoba de 1918, a criação de Universidades Populares e o contexto revolucionário dos anos 1960. No Brasil, a criação e destruição do projeto da Universidade de Brasília na década de 1960. Principalmente nesses momentos históricos foram levantadas as bandeiras de união latino-americana, alianças entre a universidade e os "movimentos sociais" e formação de intelectuais públicos. As lições dessas experiências no que respeita à necessidade de uma pressão simultânea "de dentro" e "de fora" da Universidade foram o pano de fundo para entrelaçar o que foi tratado nos capítulos anteriores na direção de proposições conclusivas. Como proposta orientadora da construção da universidade alternativa, concluímos que uma revolução socio-política protagonizada pelos movimentos sociais é certamente uma condição necessária. Mas associá-la a uma revolução cognitiva nucleada pelo questionamento da concepção da Neutralidade e do Determinismo da tecnociência é imprescindível para que essas condições componham um conjunto suficiente. O fato de que essa condição, embora seja interna à universidade, dependa da participação do "ator" política que pesquisamos - os movimentos sociais - indica como é importante seguir explorando o tema

Abstract: This dissertation explores the relations between public universities and external actors (and political projects) now perceived as inadequate and in need of reorientation. It intended to describe and articulate, in a broad view, the actions, limits, challenges and contradictions experienced by some researchers from the hard sciences considered to be "advanced poles" of the university-social movements relations in Latin America. As expected, given the innate politization of this theme, this dissertation is explicitly based on an ideological perspective: a left-wing one. It is also based on an approach inspired by contemporary marxism and the critical contributions of the Latin American Thought on Science, Technology and Society. Accordingly, it adopts a normative proposal: to conceive alternatives that bring together extension, research and teaching activities in Latin American public universities and in social movements' agenda. In order to respond to this challenge three procedures related to description, explanation and prescription were followed. The first was the bibliographical research involving the mapping and critical review of the work of authors with distinct orientations that treat the theme focusing on political and ideological questions that were deemed pertinent to this approach. The second refers to field study and the observation of groups of extension and researcher acting in consonance to that which would be expected based on the review of the literature. The third is the result of the comparison between the results of both procedures in order to inform the prescriptive moment oriented to the proposal of alternatives to the universities. The introduction provides a view of the trajectory of universities, research institutes, science and technology policy and funding structures in Latin America and their relations with the explanatory aspects of political, social and economic nature of the national and international context with the specific characteristics of the actors that have influenced them. The results of the bibliographical research are presented in the first two chapters. Chapter 1 ponders on the changes Latin America has undergone in the last 40 years: the growth of the financial aspects of the economy, slow growth, changes in the labor, state reforms, income concentration and the process of "favelization". It closes with a description of the popular revolts that tried to subvert these processes. Chapter 2 deals with the theoretical and practical aspects of an alternative development model that would emerge as an extrapolation of the promising tendencies rising in the region, based on collective property, self-management, decommodification, increased participation and the critical views on science, technology and society relations. The results of the field study are presented on the three following chapters, which emphasize the products of the contradictions presented in the first two chapters: the arguments based on their scientific authority and the practical knowledge derived from research and action; the historical recovery of alternative theories and experiences and the criticism they provide of conventional technology and the type of technical assistance practiced in each country; the analysis of self-management and the criticism to private property, the way in which theory and practice are combined, knowledge and power, "conception and execution" (Braverman; Gramsci), learning from workers and conferring an "intention" to extension are some of these products. The analysis showed that four aspects, in particular, tend to undermine the efforts of these groups: in the cognitive level, the maintenance of the view of scientific and technological neutrality and determinism; in public policies, the scarce attention given to the guarantee of social movements' rights; in a broader context, the historical contingencies faced by the progressive sectors of society; and in terms of university and science and technology policy, the private orientation that prevent universities and research institutes to fulfill their mission of improving that which is public through their interaction with social movements. The last Chapter begins with a retrospect of Latin American experiences of shaping an alternative university: in Argentina, the Cordoba Reform of 1918, the creation of popular universities and the revolutionary context of the 1960s; in Brazil, the creation and destruction of the project for the University of Brasília in the 1960s. Specially in these opportunities, the flags of Latin American unity and of the alliance between universities and social movements was raised. The lessons from these experiences concerning the necessity of a simultaneous pressure from outside as well as from within the university serves as the connection between chapters. As a proposal for shaping a new university, we point out to the necessity of a social and political change led by social movements. But to associate it to a cognitive revolution derived from the questions that were stressed before is also mandatory. The universities cannot take on this challenge by themselves. They need to cooperate actively with the social movements
Subject: Universidades e faculdades
Movimentos sociais - América Latina
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2010
Appears in Collections:IG - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Novaes_HenriqueTahan_D.pdf3.46 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.