Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/286553
Type: TESE DIGITAL
Title: Revisitando os mapas em sala de aula : outras possibilidades teórico-metodológicas
Title Alternative: Revisiting the maps in the classroom : other theoretical and methodological possibilities
Author: Cracel, Viviane Lousada, 1986-
Advisor: Compiani, Mauricio, 1956-
Abstract: Resumo: Pesquisas sobre mapas no ensino de Geografia não é algo novo na literatura brasileira. Nos últimos anos, principalmente a partir da década de 1990, os encontros científicos e trabalhos com essa temática têm sido cada vez mais recorrentes, assim como certo aumento nos questionamentos acerca das inúmeras possibilidades dos mapas em sala de aula, nas relações de ensino. Sem dúvida, os mapas estão bastante presentes no ensino de Geografia e, muitas vezes, tido como sinônimo dessa disciplina e os estudantes têm contato com eles desde os primeiros anos de escolarização. Mas será que aprendemos de fato a lê-los? Quais possibilidades de leitura são realmente oportunizadas aos alunos em ambiente escolar? O objetivo central da tese é valorizar o mapa em sua condição de linguagem e representação e, por conseguinte, resgatar seu papel cognitivo no ensino básico a partir de algumas estratégias e atividades elaboradas para alunos do segundo ano do ensino médio de uma escola estadual de Campinas/SP. Tais abordagens, apresentadas e discutidas no decorrer do trabalho, logravam uma postura questionadora em relação aos mapas, desvendando intenções e posições presentes por trás da representação, além de compreendê-la como uma linguagem e, portanto, uma produção social transmissora e produtora de ideologias, como toda linguagem. Para tanto, optou-se pelo desenvolvimento de uma pesquisa de cunho qualitativo fundamentada teórica e metodologicamente na abordagem histórico-cultural, cujas interlocuções principais foram com Mikhail Bakhtin e Lev Vygotsky, principalmente em suas contribuições acerca da concepção e papel da linguagem. O pressuposto de que os mapas se configuram como construtos histórico-sociais é sustentado pelas ideias de Bakhtin acerca do enunciado. Esse referencial vem colaborando para a defesa e compreensão dos mapas como linguagem eminentemente ideológica. Analisando os documentos oficiais, foi possível perceber que há grande ênfase no ensino da cartografia enquanto técnica e que por mais que esteja explícita a preocupação e a importância da formação de um aluno leitor e produtor de mapas, isso ainda está focalizado na decodificação, no tratamento da cartografia enquanto língua e não enquanto linguagem. Assim, a valorização da cartografia como linguagem por meio da concepção de ensino enquanto prática social, alteritária por natureza, possibilita que os alunos compreendam os mapas de outra forma e realizem leituras e raciocínios espaciais mais completos

Abstract: Researches on maps in teaching geography are not new in Brazilian literature. In recent years, mainly from the 1990s, scientific meetings and work with this theme it has been increasingly applicant, as well as some increase in inquiries about the numerous possibilities of the maps in the classroom, in educational relations. Undoubtedly, the maps are quite present in the teaching of Geography and often seen as synonymous with this discipline and students have contact with them since the early years of schooling. But we will learn actually reading them? What reading possibilities are really provide to the students in the school? The central aim of the thesis is to enhance the map in their capacity as language and representation and therefore recover their cognitive role in basic education from some strategies and activities designed for the second year high school students from a public school of Campinas / SP. Such approaches, presented and discussed during the work, looking for a questioning attitude towards maps, revealing intentions and present positions behind the representation, and understand it as a language and therefore a social production broadcaster and producer of ideologies like every language. To this end, we opted for the development of a theoretical based qualitative research and methodologically the cultural-historical approach, the main dialogues were with Mikhail Bakhtin and Lev Vygotsky, particularly in their contributions on the design and role of language. The assumption that the maps are configured as historical and social constructs is supported by Bakhtin's ideas about the statement. This reference has been working for the defense and understanding of maps as eminently ideological language. Analyzing the official documents, it was revealed that there is great emphasis on teaching of cartography as a technique and as much as is explicitly the concern and the importance of training a student reader and producer of maps, it is still focused on decoding, treatment cartography as language and not as a language. Thus, the appreciation of cartography as language by designing education as a social practice, otherness by nature, allows students to understand the maps otherwise and perform readings and more complete spatial reasoning
Subject: Bahktin, M. M. (Mikhail Mikhailovich), 1895-1975
Vigotsky, L. S. (Lev Semenovich), 1896-1934
Ensino
Mapas
Linguagem
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2015
Appears in Collections:IG - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Cracel_VivianeLousada_D.pdf4.13 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.