Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/286123
Type: TESE
Degree Level: Doutorado
Title: O trato as margens do pacto
Author: Camargo Neto, Fernão Pompeo
Advisor: Gonçalves, Jose Ricardo Barbosa, 1953-
Abstract: Resumo: Capítulo 1 - O Brasil no contexto do Antigo Sistema Colonial. Mostra este capítulo uma retrospectíva histórica de como Portugal, dominando pioneiramente o mar oceano, a partir do século XV, veio a responder, até ser absorvido durante um interregno de sessenta anos pelo império espanhol, pela constituição de um sistema comercial e político que lhe possibilitou formar uni verdadeiro império transatlântico, envolvendo a participação de seus redutos situados nos três continentes banhados pelo Atlântico, entre os quais o açúcar funcionou como um elo de importância crucial. É apresentado, ainda, no capítulo, o arcabouço teórico e interpretativo que permite entender o contexto do Antigo Sistema Colonial, dentro do qual o mercantilismo, enquanto ideologia principal, foi posto em prática pelas nações que passaram a deter a hegemonia comercial e política do mundo da Idade Moderna. Mostra, ele, também, a enorme importância que teve na formação e na evolução desse sistema, o tráfico transatlântico de escravos, do qual Portugal foi o precursor. Estende-.w essa análise até o momento em que Portugal, ao assinar com a Inglaterra o Tratado de Methuen, em 1703, transforma-se, com a continuidade do mesmo, possibilitada pelo afluxo de ouro brasileiro que passou desde então a receber em quantidades crescentes, numa dependência agrícola da Inglaterra. Capítulo 2 - A crescente abertura, por parte dos "brasileiros', de circuitos comerciais autônomos e de outras fontes de capitais mercantis aproveitando-se das brechas existentes no "pacto colonial". É, inicialmente, feita uma avaliação, num cenário de grande expansão do Mercantilismo e das práticas a ele inerentes, da situação da parte que sobrou para Portugal, após a Restauração, do seu outrora extenso e rico impérío colonial, bem como da fragilidade desse país, em termos de capacidade bélica, de autonomia política e de suas condições econômicas. Em seguida, é desenvolvida uma avaliação das condições nas quais se amalgamou a sociedade no Brasil colonial, bem como do conflito de interesses nascente, mas que assumia proporções cada vez maiores, entre uma classe de colonos possuidores de terra "que se identificava com o Brasil, de preferência a Portugal" e a burguesia comercial portuguesa, não só a metropolitana, mas mesmo a parcela desta aqui residente. Em seguida, é feita uma analise das transformações de natureza econômica, social e política que têm lugar na colônia, após a descoberta das minas das Geraes, a partir das profundas alterações estruturais ocorridas na economia colonial decorrentes dos efeitos dinâmicos, no que tange ao desenvolvimento do mercado interno, que, escapando ao controle exercido pela metrópole, veio a acarretar a enorme massa de poder de compra liberada pelo ouro, que provocou uma cada vez maior expansão e diversificação das atividades produtivas nela praticadas. São apresentados, também neste capítulo, comentários sobre a importância do tráfico de africanos na organização produtiva da colônia, tanto no ponto-de-vista de autores coevos - que nos mostram em detalhes o meio ambiente. a sociedade e a vida econômica do Brasil-colônia, especialmente a partir do último quartel do século XVIII - quanto de autores que escreveram sobre esse assunto ao longo da presente segunda metade do século XX, que ora está terminando. Capítulo 3 - A forma pela qual o escravo era produzido como mercadoria na Costa da Mina. Neste capítulo, teceremos considerações a respeito do comércio direto que faziam nos portos africanos, os comerciantes das principais praças portuárias do Brasil-colônia, contornando os meandros estabelecidos pelo "pacto colonial", cuja fórmula clássica para o comércio colonial era a do comércio triangular. O conteúdo deste capítulo está fundamentalmente apoiado em informações constantes da importante obra de Pierre Verger, intitulada Fluxo e refluxo do tráfico de escravos entre o golfo do Benin e a Bahia de Todos os Santos, o qual, laboriosa e pacientemente, recolheu em seu livro um volume incrível de informações, obtidas através de pesquisas diretas que fez em inúmeros arquivos europeus, brasileiros e africanos. Comentários de autores diversos a respeito de situações, povos, pessoas, costumes, etc., que avalizam ou complementam as informações passadas por Verger ao longo de sua obra, entremeiam, através de notas-de-rodapé, todo o texto. Capítulo 4 - O "trato dos viventes" tal e qual era praticado em Angola. A análise que será feita, em boa parte deste capítulo. apoiar-se-á, fundamentalmente no amplo estudo desenvolvido por Joseph C. Miller, em seu livro Way of death: merchant capitalism and the Angolan slave trade, que é um dos textos mais ricos a que tive acesso, a respeito das práticas e costumes vinculados em distintas paisagens regionais e momentos históricos ao tráfico de escravos que teve lugar em Angola. Ao longo de todo o trecho do capítulo em que o texto acima citado de Miller é a fonte principal usada para os comentários feitos, estão colocadas uma série de notas-de roda pé, citando autores coevos ou atuais como contraponto ou como apoio às análises desenvolvidas por ele. Capítulo 5 - O tráfico de escravos e seus múltiplos encadeamentos como principal fonte de acumulação capitalista mercantil na colônia. Este capítulo se compõe especialmente de unia grande série de casos demonstrativos de atividades ancilares do tráfico de escravos que estão a ele encadeadas para a frente, para trás e enquanto o mesmo se acha em processo, constantes de fontes diversas, algumas coetâneas (com destaque das fontes oficiais) e outras atuais
Subject: Escravidão
Escravos - Tráfico
Mercantilismo
Brasil - História - Período colonial, 1500-1822
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2001
Appears in Collections:IE - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
CamargoNeto_FernaoPompeo_D.pdf2.12 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.