Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/285939
Type: TESE
Title: Moeda endogena e teoria monetaria da produção
Author: Meirelles, Antonio Jose de Almeida, 1958-
Advisor: Possas, Mario Luiz, 1948-
Abstract: Resumo: Formulado por Keynes nos primeiros esboços da Teoria Geral, o conceito de Teoria. Monetária da Produção procura enfatizar as peculiaridades, em relação às visões econômicas ortodoxas, de um sistema no qual a moeda atua "como um fator 'real' ", capaz de afetar o nivel de produto e os preços relativos. Definida pelo autor como o ativo de liquidez máxima, este atributo da moeda é associado a suas caracteristicas de baixas elasticidades de produção e de substituição. São tais características da moeda e a exigência, supostamente correlata, de uma exogenia completa de sua quantidade, os alvos da critica de parcela dos adeptos da endogenia monetária, em especial dos horizontalistas. A presente tese está centrada justamente na análise desta polêmica, colocando ênfase nos aspectos que são enumerados a seguir: 1. Ao sugerir a curva de oferta de moeda infinitamente elástica como a melhor alternativa à abordagem monetarista e sua defesa da plena exogenia monetária, o horizontalismo revela sua dificuldade de reconhecer o caráter dual da moeda; ou seja, o seu papel como meio de troca e ativo, que participa tanto da circulação industrial como da financeira. Ele passa, deste modo, ao largo da principal critica de Keynes à Teoria Quantitativa da Moeda, a qual destaca a dificuldade de relacionar diretamente, com alguma significância teórica, a quantidade de moeda e a renda nominal; 2. A noção deste duplo papel da moeda ganha maior relevância na Teoria Geral, com a ênfase atribuida à questão da incerteza. A opção por uma abordagem mais enxuta, sem a riqueza de detalhes de sua obra anterior, cumpre neste caso o objetivo de demarcar com maior nitidez as questões realmente mais relevantes na análise de uma economia monetária. O conceito de preferência pela liquidez ocupa o centro desta nova formulação; 3. Deste modo, a questão central não é tanto a contra posição exogenialendogenia da quantidade de moeda, mas o reconhecimento que a taxa de juros, ao contrário do que sugere o horizontalismo, é também endógena, principalmente no sentido de que a criação de moeda de crédito é dependente da preferência pela liquidez dos bancos. A opção, a exemplo do monetarismo, por uma contraposicão na qual a quantidade de moeda ou a taxa de juros deva ser necessariamente exógena, desconsidera a dimensão de um ativo que a concessão de crédito tem no portfolio bancário; 4. Ao considerar a plena endogenia monetária como a forma de dar coerência ao principio da demanda efetiva, o horizontalismo indica não só o seu débito com a Teoria dos Fundos de Empréstimo, como a sua dificuldade, a exemplo daquela teoria, de se desvencilhar da noção de poupança como a fonte, em Última instância, dos recursos para financiar o investimento; 5. A critica horizontalista também se equivoca ao não diferenciar a relação estabelecida por Keynes entre as propriedades essenciais da moeda e seu atributo de iiquidez, da causalidade moeda-preço sugerida pela. Teoria Quantitativa. O ativo líquido moeda, desejado como resen'a de ,'alor e na qualidade de participante da circulação financeira, não está associado, de forma exclusiva, à circulação do produto. Portanto, se são as baixas elasticidades de produção e substituição que garantem a liquidez da moeda, são jusiamente elas que impedem a existência de uma conexão direta entre a quantidade deste ativo e os preços monetários

Abstract: Not informed.
Subject: Moeda
Produção (Teoria econômica)
Taxas de juros
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 1997
Appears in Collections:IE - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Meirelles_AntonioJosedeAlmeida_D.pdf8.47 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.