Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/283894
Type: TESE
Title: Carga microbiana dos trocartes de laparoscopia ginecológica, possíveis fontes de contaminação e repercussão clínica
Title Alternative: Microbial load of trocars gynecological laparoscopy, possible source of contamination and clinical significance
Author: Vilas-Boas, Vanessa Aparecida, 1981-
Advisor: Freitas, Maria Isabel Pedreira de, 1948-
Abstract: Resumo: Introdução: Instrumentos cirúrgicos utilizados em cirurgias minimamente invasivas podem oferecer risco de infecção cruzada. Identificar sua fonte de contaminação contribui para prevenção de infecção e prestação do cuidado com qualidade e segurança. Contudo, a infecção de sítio cirúrgico é complexa, multifatorial e pode ser subnotificada se não houver programa de vigilância pós-alta efetivo. Objetivos: avaliar a relação entre carga microbiana de trocartes e microbiota da paciente, bem como a ocorrência de infecção de sítio cirúrgico após laparoscopia ginecológica; validar um instrumento de vigilância pós-alta por contato telefônico para cirurgias vídeo-assistidas. Método: estudo realizado em hospital público especializado em saúde da mulher. Fase I - estudo longitudinal prospectivo, 2011-2012, no qual amostras da microbiota da paciente foram coletadas no dia da internação por esfregaço com zaragatoa nas regiões da pele, ponto de McBurney esquerdo, cicatriz umbilical e fundo de saco vaginal. Após laparoscopia, trocartes foram coletados com técnica asséptica, obtendo-se o lavado microbiológico por adição de água destilada estéril e agitação, filtrados por membrana. As amostras foram incubadas para análise microbiológica. Após alta hospitalar, realizou-se vigilância por retorno ambulatorial e por contato telefônico. Realizada análise descritiva dos dados e aplicação dos testes de concordância de Kappa e Mc Nemar com nível de significância de 5%. Fase II - desenvolvida em duas etapas, a primeira 2011-2012, estudo metodológico com elaboração do instrumento de vigilância pós-alta por contato telefônico, para investigação de sinais e sintomas de infecção de sítio cirúrgico, seguida pela validação por peritos. O instrumento foi avaliado por cinco peritos quanto à pertinência, clareza e abrangência do conteúdo. A validação foi feita analisando-se a porcentagem de concordância entre peritos, sendo válidas as questões que obtiveram 80% de concordância. A segunda etapa, 2013, estudo transversal com aplicação do instrumento validado a pacientes submetidas aos procedimentos de histeroscopia e/ou laparoscopia ginecológica. Os dados foram analisados por estatística descritiva. Resultados: Fase I - a amostra foi composta por 24 pacientes, 68 esfregaços e 52 trocartes. Nos esfregaços encontrou-se predomínio de microbiota de pele Gram-positiva, mas também foram isoladas Escherichia coli, Klebsiella pneumoniae, Pseudomonas aeruginosa, dentre outros. Trocartes de 5 mm apresentaram crescimento bacteriano em 33,3% dos casos, com carga microbiana de 0-6 UFC. Trocartes de 10 mm apresentaram crescimento em 29,2%, com carga microbiana de 0-366 UFC. Observou-se grau de concordância pobre na comparação entre trocartes e microbiota da paciente (Kappa= 0,05; p= 0,08), exceto para Staphylococcus spp (p< 0,0001) e Corynebacterium spp (p= 0,0002). Não houve infecção decorrente da laparoscopia. Fase II - houve discordância entre peritos na primeira avaliação, o instrumento foi reformulado obtendo-se concordância na segunda avaliação. A amostra foi composta por 68 pacientes, sendo o contato telefônico possível em 86,36% dos casos. Queixas de dor abdominal, sangramento e edema incisional foram mais frequentes. Nenhuma apresentou infecção. Conclusão: Este estudo encontrou baixa contaminação nos trocartes, com a maioria das bactérias pertencentes à microbiota de pele da paciente sugerindo ser esta, sua principal fonte de contaminação. O questionário de vigilância pós-alta para cirurgias vídeo-assistidas foi validado, aplicado e encontra-se disponível para utilização

Abstract: Background: Surgical instruments used in minimally invasive surgery may offer risk of cross infection. Identify its source of contamination contributes to infection prevention and provision of quality and safety care. However, surgical site infection is complex, multifactorial and may be underreported if there is no post-discharge surveillance effective program. Aim: To evaluate the relationship between microbial load of trocars and patient flora as well as the occurrence of surgical site infection after gynecological laparoscopy; validate an instrument of post-discharge surveillance by telephone for video-assisted surgery. Method: study developed in public hospital specializing in women's health. Phase I - longitudinal prospective study, 2011-2012, in which the patient flora samples were collected with swabs the skin regions, left McBurney's point, umbilicus and vaginal fornix, on day of the admission. After the laparoscopy, trocars were collected using sterile technique, obtaining microbiological wash by addition of sterile distilled water and stirring, filtered through the membrane. The samples were incubated for microbiological analysis. After discharge, patients were followed up by outpatient and telephone call. Descriptive statistics, Kappa coefficient and McNemar¿s test were applied with significance level of 5%. Phase II - two stages, the first 2011-2012, methodological study with development of the post-discharge surveillance instrument for investigation of signs and symptoms of surgical site infection by telephone, addied with validation by experts. The instrument was evaluated by five experts on the relevance, clarity and completeness of contents. The validation was performed by analyzing the percentage of agreement among experts being considered valid the questions that have obtained 80% agreement. The second stage, in 2013, was a cross-sectional study with application of validated instrument to patients undergoing to hysteroscopy or gynecological laparoscopy. Data were analyzed using descriptive statistics. Results: Phase I - The sample consisted of 24 patients, 68 swabs and 52 trocars. In smears by swab there was a predominance of Gram-positive skin flora, but were also isolated Escherichia coli, Klebsiella pneumoniae, Pseudomonas aeruginosa, among others. The 5 mm trocars presented bacterial growth in 33.3% of cases with microbial load of 0-6 CFU. The 10 mm trocars presented bacterial growth in 29.2% with microbial load of 0-366 CFU. Noted poor agreement degree when comparing trocars and patient flora (Kappa= 0.05, p= 0.08), except for Staphylococcus spp (p<0.0001), and Corynebacterium spp (p= 0.0002). There was no infection resulting from laparoscopy. Phase II - there was disagreement among experts in the first evaluation, the instrument was redesigned obtaining agreement in the second evaluation. The sample consisted of 68 patients being telephone call possible in 86.36% of cases. Complaints of abdominal pain, bleeding and incisional edema were more frequent. No patient had infection. Conclusion: This study found low contamination in trocars, with most of the bacteria belonging to patient skin flora, their main source of contamination. The instrument of post-discharge surveillance for video-assisted surgery has been validated, implemented and is available for use
Subject: Laparoscopia
Vigilância epidemiológica
Enfermagem perioperatória
Segurança do paciente
Infecção da ferida operatória
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2014
Appears in Collections:FENF - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Vilas-Boas_VanessaAparecida_D.pdf3.65 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.