Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/281947
Type: TESE
Title: Experiencia vivida e liberdade : (estudo da liberdade em Jean-Paul Sartre)
Author: Cabrera, Francisca Maria
Advisor: Castilho, Fausto, 1929-2015
Abstract: Resumo: A liberdade, centro das reflexões de Jean-Paul Sartre (1905-1980), é objeto deste estudo, na tentativa de mostrar sua questão como sempre presente no pensamento de Sartre, desenhando sua trajetória filosófica desde La Transcendance de I'Ego (1936) até os anos sessenta, como um motivo único perseguido pelo filósofo. Este estudo passa por alto, portanto, a divisão tradicional proposta para o pensamento de Sartre (o período metafísico até L'être et le Néant e o período materialista dialético, culminando em Critique de la raison dialectique) procurando mostrar que o tema da liberdade conduz esse pensamento a outros campos de problemas, mas que estes são originados e ganham seu acesso através da própria reflexão sobre a liberdade. A liberdade, definida num primeiro momento na translucidez da consciência espontânea, ganha em seguida uma dimensão de opacidade na qual possui o sentido ambíguo de escolha e consentimento, de ruptura e de pacto e, portanto, abrigando no cerne de sua constituição uma passividade. Sem desconhecer o papel fundamental de uma dialética no pensamento do filósofo, este estudo segue, entretanto, um caminho diverso, privilegiando a perspectiva fenomenológica para ser capaz de apreender o ponto cego dessa liberdade. Para tanto, buscou-se mostrar na obra de Sartre a liberdade constituindo-se no contramovimento de dois circuitos condicionais: o primeiro - que perfaz as primeiras reflexões do filósofo - é aquele do domínio psíquico da consciência; o segundo - que vem unir-se à problemática do primeiro - é a dimensão histórica na qual se dá e se perde a ação humana e a liberdade

Abstract: In the following pages I shall attempt to situate Jean-Paul Sartre's reflexion on freedom, defined in a first moment by the spontaneity of translucid consciousness, advancing in way of giving back a dimension of opacity for freedom, that acquires an ambiguous sense of choice and consent, rupture and agreement and, thus, involving in its own constitution a passivity. Without neglecting the important function fulfilled by the dialectic in Sartre's thought my interpretation is, in spite of this, directed in phenomenological perspective so it will be possible to grasp the vanishing point of freedom. In order to proceed it I try to demonstrate that freedom constitutes itself in the turning point of two conditional circuits wherein it lacks itself and gains itself, that is, the psyché - psychic domain of conciousness - and the historical dimension. The first one represents the earlier reflections of Sartre until Being and Nothingness and the second his subsequent evolution to common praxis. Nevertheless, as I attempt to demonstrate, the transition from freedom as concerned in Being and Nothingness, that is, as synthetical activity of the for-itself on being, to ambiguous freedom as lived experience {vécu) claims at the same time for a redefinition of the typical statements of Being and Nothingness
Subject: Sartre, Jean-Paul, 1905-1980
Fenomenologia
Existencialismo
Psicologia
Psicanálise
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2000
Appears in Collections:IFCH - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Cabrera_FranciscaMaria_M.pdf4.12 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.