Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/281707
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.CRUESPUNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINASpt_BR
dc.descriptionOrientador: Armando Boito Juniorpt_BR
dc.descriptionDissertaçãO (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciencias Humanaspt_BR
dc.descriptionO exemplar do AEL pertence a Coleção CPDSpt_BR
dc.format.extent260f.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.typeDISSERTAÇÃOpt_BR
dc.titleOs comunistas e a estrutura sindical corporativa (1948-1952) : entre a reforma e a rupturapt_BR
dc.contributor.authorBuonicore, Augusto Cesarpt_BR
dc.contributor.advisorBoito Junior, Armando, 1949-pt_BR
dc.contributor.advisorJunior, Armando Boitopt_BR
dc.contributor.institutionUniversidade Estadual de Campinas. Instituto de Filosofia e Ciências Humanaspt_BR
dc.contributor.nameofprogramPrograma de Pós-Graduação em Ciência Políticapt_BR
dc.subjectComunista do Brasil - História - 1948-1952pt_BR
dc.subjectSindicatos - Brasilpt_BR
dc.subjectPopulismo - Brasilpt_BR
dc.description.abstractResumo: Este trabalho analisa a política sindical do PCB entre 1948 e 1952, especialmente as suas posições em relação a estrutura sindical estatal criada no pós-30. Além do estudo da bibliografia referente à política do PCB no período, me concentrei nos documentos oficiais do próprio partido e na sua imprensa. Constatei uma contradição entre o conjunto das memórias dos militantes comunistas, que serviram de base para a construção de uma história do PCB, e os documentos produzidos por esse mesmo partido no período. A principal característica de toda essa produção é uma avaliação bastante negativa da política sindical do PCB neste período. As principais críticas se dirigem às tentativas de formação de associações profissionais à margem da estrutura sindical oficial. Essa política teria sido, segundo esses autores, responsável pela perda de influência dos comunistas junto às massas trabalhadoras urbanas. Porém, os meus estudos sobre a política sindical do PCB me levaram a conclusões bastante diversas. Primeiro, podemos afirmar que a política de construção de organizações de trabalhadores à margem da estrutura oficial não teve como objetivo a construção de uma outra estrutura sindical paralela de caráter permanente. Essa foi a forma encontrada para acumular forças no sentido de reconquistar os sindicatos oficiais. A minha pesquisa não indicou também que a política adotada pelos comunistas tenha sido diretamente responsável pelo descenso da lutas de massas e pela perda de influência dos comunistas junto aos trabalhadores urbanos. Em geral tais teses tenderam a subestimar o papel desempenhado pela repressão ao movimento operário durante o governo Dutra e superestimar a adesão ao sindicato oficial. Minha tese aponta no sentido oposto: sustento que, nas condições colocadas para o movimento operário, naquela conjuntura, a constituição de associações profissionais e de organizações nos locais de trabalho foi a melhor forma de manter os trabalhadores minimamente organizados. Sustento também que não seria correta a visão de que nos sindicatos oficiais estivessem as massas operárias e que, portanto, as associações livres seriam entidades paralelas e divisionistas e por esse motivo não atraíam os trabalhadores. Concluo que este foi um período em que os comunistas chegaram mais perto de romper com o que se convencionou chamar de ideologia do populismo sindical. Mas, a conjuntura, no geral, desfavorável para a classe operária (aumento da repressão) e os limites da crítica comunista à estrutura sindical estatal (como indica a sua omissão quanto aos mecanismos de outorga) impossibilitaram que os comunistas pudessem substituir essa estrutura corporativa e tutelada por uma outra assentada no sindicalismo livrept
dc.description.abstractAbstract: Not informed.en
dc.publisher[s.n.]pt_BR
dc.date.issued1996pt_BR
dc.identifier.citationBUONICORE, Augusto Cesar. Os comunistas e a estrutura sindical corporativa (1948-1952): entre a reforma e a ruptura. 1996. 260f. DissertaçãO (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciencias Humanas, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/281707>. Acesso em: 21 jul. 2018.pt_BR
dc.description.degreelevelMestradopt_BR
dc.description.degreenameMestre em Ciência Políticapt_BR
dc.contributor.committeepersonalnameAraujo, Angela Maria Carneiropt_BR
dc.contributor.committeepersonalnameAntunes, Ricardopt_BR
dc.contributor.committeepersonalnameBatalha, Claudio Henrique de Moraespt_BR
dc.date.available2018-07-21T13:24:54Z-
dc.date.accessioned2018-07-21T13:24:54Z-
dc.description.provenanceMade available in DSpace on 2018-07-21T13:24:54Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Buonicore_AugustoCesar_M.pdf: 9708074 bytes, checksum: 9a46c28478e84a017d859275514796b3 (MD5) Previous issue date: 1996en
dc.identifier.urihttp://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/281707-
Appears in Collections:IFCH - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Buonicore_AugustoCesar_M.pdf9.48 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.