Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/281184
Type: TESE
Degree Level: Doutorado
Title: De Taylor a Stakhanov : utopias e dilemas marxistas em torno da racionalização do trabalho
Title Alternative: From Taylor to Stakhanov : marxists utopias and dilemmas around labor rationalization
Author: Lucas, Marcilio Rodrigues, 1984-
Advisor: Segnini, Liliana Rolfsen Petrilli, 1949-
Abstract: Resumo: Este trabalho analisa dilemas do marxismo em torno da questão da racionalização do trabalho no século XX, especialmente no período entreguerras, quando se difundia pelo mundo capitalista os princípios tayloristas de organização científica do trabalho. Tais dilemas se relacionam ao fato de que o desenvolvimento da grande indústria moderna e a difusão dos princípios tayloristas permitiram uma grande elevação da produtividade do trabalho, ao mesmo tempo em que exacerbaram a condição subordinada dos trabalhadores no interior do processo de produção. Essa dinâmica colocou problemas para os movimentos operários e o pensamento marxista, tanto no que se refere às estratégias e possibilidades de resistência ao incremento da subordinação e da exploração sobre a força de trabalho, quanto em relação aos desafios teóricos e práticos contidos na tarefa de distinção entre os elementos potencialmente positivos desse processo de produção e os traços degradantes de sua exploração capitalista. As dificuldades se revelaram de forma mais dramática no caso da experiência revolucionária russa, na qual o horizonte aberto para a emancipação dos trabalhadores se chocava com a necessidade imediata de organizar e desenvolver o aparato produtivo frágil e deficiente. Por isso, esta pesquisa se concentra sobre o conjunto de problemas e experiências verificado na sociedade soviética, desde as formulações de Lenin a respeito do taylorismo, passando pelas tentativas de concretização de um "taylorismo soviético" na década de 1920, até o surgimento do stakhanovismo durante o período stalinista, em 1935, formando um movimento de operários que obtinham recordes de produção e reivindicavam, como princípio, uma racionalização do trabalho fundada em propostas e iniciativas dos próprios trabalhadores. A hipótese principal defendida em relação a essas experiências é que a estratégia de incorporação do taylorismo carregava limites incontornáveis do ponto de vista da emancipação dos trabalhadores, mas, por outro lado, o seu abandono no momento da ascensão stalinista representou um retrocesso e não um avanço, já que engendrou uma dinâmica em que a exaltação dos stakhanovistas, como "heróis do trabalho", obscurecia a formação de uma organização despótica e ineficiente da produção, cujos traços essenciais permaneceram até a dissolução do regime

Abstract: This thesis analyses Marxism¿s dilemmas around the question of the labor rationalization in the 20th century, specifically on the interwar period, when was diffused on the capitalist world the Taylor's principles of scientific organization of work. These dilemmas were associated with the modern industry development and the diffusion of the Taylor¿s principle. These facts allowed a huge increase of the work productivity causing at the same time an exacerbation of the worker¿s subordination condition inside the productive process. This dynamic put some problems for the workers movement and for the Marxist thought. Whether to the resistance strategies and possibilities against subordination increase and against work force exploitation, whether to the theoretical and practical challenges linked with the task of making a distinction between the potentially positive factors of this productive process and the degraded traits of the capitalist exploitation of this. The dilemmas were shown in a more dramatic way in the Russian¿s revolutionary experience, in which the possibility for worker¿s emancipation collided with the immediate necessity of organize and develop the productive resource, which was fragile and low. Considering all these facts, this research focused on all problems and experiences verified in the soviet society since Lenin¿s formulations about taylorism, going through concretion efforts to stablish a "soviet taylorism" in 1920, until the raising of Stakhanovism during the Stalinist period in 1935. In that year was formed a worker¿s movement that broken productive records and claimed, as a principle, a labor rationalization rooted on proposals and initiatives of the workers by themselves. The main hypothesis defended about these experiences was that the attempt of taylorism incorporation brought unsolvable limits to the worker's emancipation matters, but on the other hand, the renunciation of this attempt during Stalinist rising, meant a regression instead an improvement. It happened because was engendered a dynamic in which the Stakhanovist¿s exaltation as "heroes of the work" obscured the formation of a despotic and inefficient productive organization, which essential traits remained until the end of the regime
Subject: Racionalização
Taylorismo
Socialismo
Movimento stakhanovista
União Soviética - História
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2015
Appears in Collections:IFCH - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Lucas_MarcilioRodrigues_D.pdf2.97 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.