Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/280207
Type: TESE
Degree Level: Doutorado
Title: Entre as serras : etnoecologia de duas comunidades quilombolas no sudeste brasileiro
Title Alternative: Traditional knowledge of cerrado and AtlanticForest coomunities : a comparasion
Author: Almada, Emmanuel Duarte, 1981-
Advisor: Joly, Carlos Alfredo, 1955-
Abstract: Resumo: O moderno e hegemônico modelo urbano-industrial de desenvolvimento capitalista demonstra claros sinais de esgotamento e falência geral, expressa de forma especial pela crise socioambiental gerada pela degradação dos ecossistemas em todo o planeta. A construção de caminhos alternativos a esse modelo de desenvolvimento passa inevitavelmente pela promoção de uma ecologia dos saberes, a partir de um diálogo verdadeiro entre a ciência moderna e outras formas de saber e produzir conhecimento, tal como os chamados saberes tradicionais. O presente trabalho se insere dentro do escopo da etnoecologia, a qual pode ser entendida como um campo de cruzamento de saberes científicos e populares sobre o funcionamento dos ecossistemas. Utilizando uma abordagem quali-quantitativa, o objetivo do trabalho foi descrever de forma comparativa os saberes tradicionais de duas comunidades quilombolas situadas no sudeste brasileiro sobre alguns processos ecológicos, em especial as relações tróficas entre plantas e animais. Os saberes ecológicos das duas comunidades foram compradas tendo-se em consideração tanto as diferenças biofísicas que diferenciam os biomas que habitam (Mata Atlântica e Cerrado), bem como a história ambiental de cada região. Além disso, o trabalho propõe uma revisão crítica do fazer etnoecológico enquanto uma construção de um discurso sobre coletivos naturezas-culturas. Os resultados encontrados reforçam o caráter preciso e ao mesmo tempo dinâmico dos saberes ecológicos das comunidades tradicionais. Em geral, o conhecimento das comunidades sobre a ecologia das espécies investigadas no trabalho demonstrou-se tão ou mais detalhado quanto aquele existente na literatura científica disponível. Isso demonstra claramente o "desperdício de experiências humanas" que caracteriza a maioria das políticas de conservação da biodiversidade que não permitem a participação das comunidades locais dos processos decisórios. Algumas diferenças encontradas nos saberes ecológicos das duas comunidades aparentemente estão relacionadas as características de composição florística e a estrutura da comunidade vegetal dos ambientes campestres e florestais. No entanto, percebe-se que a história de vida dos indivíduos bem como a história ambiental são elementos fundamentais para a compreensão dos padrões encontrados. Por fim, uma análise dos saberes ecológicos das comunidades enquanto componentes de redes sóciotécnicas mais amplas indica os novos papéis que esses saberes tem desempenhado na ação política desses grupos. A inserção das comunidades estudadas nas dinâmicas sociopolíticas regionais e globais tem provocado releituras locais dos significados de seus saberes tradicionais. Além do caráter cultural, esses saberes tem se tornado ferramentas políticas na luta por direitos territoriais e identitários das comunidades tradicionais. Desta maneira, a prática de uma "etnoecologia abrangente" caracteriza-se por uma percepção do caráter híbrido dos saberes ecológicos, componentes de uma rede de relações em expansão no tempo e no espaço, a um só tempo tradicionais e modernos, locais e globais, expressão da natureza e da cultura dos povos

Abstract: The modern and hegemonic urban-industrial model of capitalist development shows clear signs of exhaustion and general bankruptcy, expressed in a special way by the crisis generated by the environmental degradation of ecosystems across the planet. The construction of alternative paths to this model of development inevitably involves the promotion of an "ecology of knowledge", from a true dialogue between modern science and other ways of knowing and producing knowledge, such as the so-called traditional knowledge. This work falls within the scope of ethnoecology, which can be understood as a field of intersection of traditional and scientific knowledge on the functioning of ecosystems. Using a qualitative and quantitative approach, the objective of this study was to describe comparatively traditional knowledge of two maroon communities located in southeastern Brazil on some ecological processes, especially the tropic relationships between plants and animals. The ecological knowledge of the two communities was compared taking considering both the biophysical differences that distinguish the living biomes (Atlantic Forest and Cerrado) and the environmental history of each region. Furthermore, this work proposes a critical review of the ethnoecological practice, while doing a construction of a discourse on natures-cultures collectives. The results found reinforce the precise and dynamic character of the ecological knowledge of traditional communities. In general, the knowledge of the communities on the ecology of the species investigated showed up to be as much or as more detailed as the one existing in the available scientific literature. This clearly demonstrates the "waste of human experiences" that characterizes most biodiversity conservation policies that do not allow the participation of local communities in decision making processes. Some differences found in the ecological knowledge of both communities apparently are related to features of floristic composition and plant community structure of grassland and forest environments. However, it is clear that the life histories of the individuals, as well as the environmental history, are key elements to understanding the patterns found. Finally, an analysis of the ecological knowledge of communities as components of broader socio-technical networks indicates new roles that this knowledge has played in these political action groups. The insertion of the communities studied in regional and global sociopolitical dynamics has caused local re-evaluations of the meanings of their traditional knowledge. Besides the cultural character, this knowledge has become political tools in the struggle for land rights and identity of traditional communities. Thus, the practice of an "embracing ethnoecology" is characterized by a perception of the hybrid character of ecological knowledge, components of an expanding network of relationships in the time and space, at the same time traditional and modern, local and global, expressing of nature and culture of the people
Subject: Negros - Etnobiologia
Cultura
Natureza
Ecologia do cerrado
Ecologia - Mata Atlântica
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2012
Appears in Collections:IFCH - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Almada_EmmanuelDuarte_D.pdf7.88 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.