Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/280136
Type: TESE
Title: Marx e a America para alem da historia do capitalismo
Title Alternative: Marx and America beyond the capitalism history
Author: Antunes, Jair
Advisor: Benoit, Alcides Hector Rodriguez, 1951-
Abstract: Resumo: A história para Marx aparece como a história da separação entre homem e natureza. Esta história teria como princípio fundante as formas de apropriação privada das condições objetivas de existência surgidas de forma imanente na sociedade ocidental. Ela se manifestaria como um processo de desenvolvimento da contradição da luta de classes. No Oriente esta história somente teria se assentado quando da conquista européia, quando os europeus teriam destruído o milenar modo de produção asiático e assentado ali as formas da apropriação burguesa. Na América, este princípio ocidental teria se manifestado quando da formação das colônias. Marx diz que teriam sido três as formas principais de colônias estabelecidas na América: as colônias do tipo do México, as colônias de Plantação e as colônias de Povoamento. Estas colônias, segundo Marx, cada uma a seu modo, estariam conformes às necessidades burguesas de acumulação originária de capital. As colônias de Plantação (Pflanzungskolonien), para Marx, seriam colônias produtoras de formas excepcionais de mais-valia. Nestas colônias, as formas de trabalho compulsório, aparentemente pré-capitalistas, encobririam, no fundo, segundo Marx, o caráter essencialmente burguês das relações de produção coloniais. Marx faz também a aproximação entre colônias de Plantação e colônias de Povoamento, afirmando que, quanto ao conteúdo, elas seriam essencialmente idênticas. Esta afirmação de Marx, porém, coloca em xeque a tradicional classificação da história colonial americana dividida entre 'colônias de povoamento¿ versus 'colônias de exploração¿, pois, a 'tradição¿ historiográfica latino-americana tenderia a aproximar as colônias de Plantação às colônias do tipo do México. Marx, enfim, deixa claro que na América as forças produtivas estariam fadadas a atingir seus mais elevados níveis de desenvolvimento, e as relações de produção atingiriam graus de pureza muito além daquelas postas na própria Europa. Seria na América, segundo Marx, que o capitalismo se ajustaria plenamente ao seu próprio conceito. É esta teoria do caráter capitalista da colonização americana de Marx e as desventuras de tal tese ao longo do último século que estão no centro de nosso trabalho

Abstract: History to Marx arises as the history of the separation between man and nature. This history has as its main principle the private appropriation of the objective conditions of existence that appeared in an immanent form in the Western society. It manifests itself as a development process of the contradiction in the class struggle. In the East, this history would have been settled down by the time the European conquest took place,when the Europeans destroyed the ancient Asian production system and implanted there the bourgeois ideology. In America, this Western principle manifested itself when the colonies were formed. To Marx, three main kinds of colonies were established in America: the Mexico-type, the Plantation and the Colonizer. These colonies were suitable to the bourgeois necessity of primitive capital accumulation. Still according to him, the Plantation colonies (Pflanzungskolonien) produced the more-value products. In these colonies the compulsory labor form, which was apparently pre-capitalist, covered the essential bourgeois character of the colonial production relations. Marx also draws a parallel between the Colonizer and Plantation colonies, affirming that they were essentially identical. This statement, however, questions the traditional classification of the American Colonial History, usually divided into ¿Colonizer¿ versus ¿Exploration¿, because the traditional Latin-American written history tends to compare the Plantation colonies to the Mexico-type ones. Finally Marx points out that the productive forces were meant to reach their higher levels of development, and that the production relations would reach much purer degrees than those used in Europe. This is Marx¿s American Colonization Capitalism Character theory, and the problems of such thesis along the last century are the focus of the present research
Subject: Marx, Karl, 1818-1883
Filosofia - História
História - Teoria
Capitalismo
America - História - Período colonial
Asia - Aspectos econômicos
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2007
Appears in Collections:IFCH - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Antunes_Jair_D.pdf1.65 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.