Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/280093
Type: TESE
Degree Level: Doutorado
Title: O ovo da serpente : monopolio da terra e violencia na Nova Republica
Author: Bruno, Regina Angela Landim
Advisor: Wanderley, Maria de Nazareth Baudel, 1939-
Abstract: Resumo: O período da Nova República, em especial o ano de 1985, parecia reunir elementos que poderiam, senão romper, pelo menos dar início a um processo capaz de estabelecer novos limites ao monopólio fundiário. É nos anos 80, no contexto da democratização e do agravamento dos conflitos de terra, que a bandeira da reforma agrária ganha maior visibilidade. É, também, quando Irrompe um novo movimento de ocupações de terra que, apesar de todas as dificuldades e impasses, gradativamente vai se afirmando como instrumento de pressão em favor da democratização da propriedade e da luta por direitos. No entanto, os acontecimentos que se produziram no ano de 1985 apontam o contrário: o que se assistiu foi uma mobilização patronal rural, sem precedentes na história, contra as demandas de democratização da propriedade e integração dos trabalhadores rurais ao novo processo produtivo e ao exercício da cidadania.O objetivo do nosso trabalho é apresentar, tendo como referência o debate na grande imprensa, uma reflexão sobre a nova identidade e a nova retórica patronal, que se constituíram no bojo da reação dos grandes proprietários e empresários rurais em tomo do debate sobre a reforma agrária da Nova República e as lutas por terra. Há um habitus social dos proprietários e empresários rurais intimamente ligados a nossa formação histórica e que amiúde se produzem e se reproduzem juntamente com as transformações da sociedade brasileira. É a junção de novas e velhas formas de agir e pensar, de permanências e novidades, que irá compor a nova identidade patronal, contida na designação, "nós, os produtores e empresários rurais"

Abstract: The Nova República (New Republic) period, especially the year 1985, seemed . have elements that could, if not break, at least start a process of establishing new limits the monopoly of land. It' s in the 80' s, in the context of democratization and of worsenÍI ofland conflicts that the claim on land reform becarne more visible. It's also when arose new movement of land occupations that, despite all difficulties and deadlock, gradual becarne an instrument of pressure in behalf of the property democratization and of tI struggle for rights. Nevertheless, the events of 1985 showed the opposite: there was landowner mobilization, with no precedents in history, against the demands for laI democratization and rural workers integration to the productive process and to ti citizenship exercises.The purpose of this work is to present - having the debate in media as a reference reflection on this new identity and the new landowners rhetoric, that carne out in ti context of the great landowners and rural employers reaction to the debate on No' República land reform and to the struggle for land. There is a social habitus of landowne and rural employers intimately linked to our historical background and that often produc, and reproduces itself with the changes of the Brazilian society at the same time. It is ti link of new and old forms of acting and thinking, of continuities and novelties, that w constitute the landowner new identity, defined by the statement, "We, the producers aI rural employers"
Subject: Agricultura e Estado - Brasil
Proprietarios de terras - Brasil
Empresas rurais
Brasil - Política e governo
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2002
Appears in Collections:IFCH - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Bruno_ReginaAngelaLandim_D.pdf16.28 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.