Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/279689
Type: DISSERTAÇÃO DIGITAL
Degree Level: Mestrado
Title: Frege's Puzzle, cognitive value and direct reference = Problema de Frege, valor cognitivo e referência direta
Title Alternative: Problema de Frege, valor cognitivo e referência direta
Author: Martone, Filipe, 1988-
Advisor: Ruffino, Marco, 1963-
Ruffino, Marco Antonio Caron, 1963-
Abstract: Resumo: Devemos lidar com o Problema de Frege dentro da semântica? É o valor cognitivo da linguagem um aspecto do significado? O próprio Frege assumiu uma resposta afirmativa a essas questões, assim como vários teóricos da referência direta, como David Kaplan e John Perry. Apesar de defenderem uma teoria semântica que é anti-fregeana por natureza, eles compartilham da concepção de que é tarefa da semântica resolver o Problema de Frege e explicar fenômenos de valor cognitivo. Há duas maneiras tradicionais de se fazer isso numa semântica referencialista. Uma é via caráter e outra é via conteúdo reflexivo. Meu objetivo nesta dissertação é argumentar que ambas falham. Para isso, primeiramente examino o que é exatamente o Problema de Frege, e se o que tradicionalmente é chamado de "Problema de Frege" na literatura corresponde ao que Frege tinha em mente. Depois disso, explico como supostamente funcionam as soluções ao Problema de Frege através do caráter e através do conteúdo reflexivo no caso dos indexicais ¿ onde elas são mais plausíveis ¿ e no caso de nomes próprios. Argumento que nenhuma versão dessas soluções é bem sucedida em explicar todos os fenômenos que devem ser explicados. Concluo então que, se esse é o caso, então temos boas razões para acreditar que o Problema de Frege não deve ser solucionado dentro da semântica, e que o valor cognitivo não é um aspecto do significado como comumente se supõe

Abstract: Should we deal with Frege¿s Puzzle on semantic grounds? Is the cognitive value of language an aspect of meaning? Frege himself assumed an affirmative answer to those questions, and so did many direct reference theorists, such as David Kaplan and John Perry. Even though they defend a theory that is anti-Fregean by nature, they share the view that it is semantics¿ business to account for Frege¿s Puzzle and cognitive value. There are two traditional ways to do so in referentialist semantics. One is via character and the other via reflexive content. My aim in this dissertation is to argue that both fail. To do that, I first examine what exactly Frege¿s Puzzle is, and if what traditionally goes under the name of "Frege¿s Puzzle" really corresponds to the puzzle that Frege himself formulated. I then examine how the solutions to the puzzle in terms of character and reflexive content are supposed to work for indexicals, where they are most appealing, and for proper names. I argue that there is no version of these solutions that is able to account for all the relevant phenomena. I conclude that, if this is the case, then we have serious reasons to suspect that Frege¿s Puzzle should not be explained by semantics, and that cognitive value is not an aspect of meaning as it is often supposed
Subject: Frege, Gottlob, 1848-1925
Linguagem - Filosofia
Semântica
Epistemologia
Language: Inglês
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2015
Appears in Collections:IFCH - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Martone_Filipe_M.pdf1.15 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.