Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/279678
Type: DISSERTAÇÃO DIGITAL
Degree Level: Mestrado
Title: Michelangelo como modelo de artista moderno (França, 1830-1876)
Title Alternative: Michelangelo as a modern artist stardard (France, 1830-1876)
Author: Ramos, Renato Menezes, 1990-
Advisor: Marques Filho, Luiz Cesar, 1952-
Filho, Luiz Cesar Marques
Abstract: Resumo: Ao longo do século XIX a figura de Michelangelo, artista paradigmático do assim chamado Renascimento Italiano e o maior artista da Idade Moderna, passaria por uma profunda reformulação. É detectável na França, caso sobre o qual esta dissertação se deterá, o florescimento de uma compreensão particular a seu respeito, que o entende constantemente como sujeito insubmisso, de temperamento melancólico e de difícil gênio. É sabido que tais características emergem das fontes quinhentistas sobre as quais os olhos do século XIX voltam especial atenção, mas é também importante compreender tal fenômeno como unidade fundamental do complexo processo de redefinição do estatuto social do artista. Em 1830, ano marcado pela Revolução, Eugène Delacroix redige uma biografia do mestre florentino. Em 1876, Auguste Rodin vai pela primeira e única vez à Itália após as comemorações do quarto centenário do nascimento de Michelangelo e envia de lá uma carta para sua companheira. Neste intervalo temporal, diversas outras biografias para o mestre seriam escritas e sua imagem ligar-se-ia a diversos artistas que, fosse do ponto de vista iconográfico, fosse no tocante à formulação de seus próprios horizontes estéticos, compreenderam a melancolia de Michelangelo como núcleo de onde derivam problemas artísticos que desembocam na desautorização crônica da autoridade do clássico

Abstract: During the nineteenth century, the image of Michelangelo, a paradigmatic artist from the Italian Renaissance and the biggest artist of Modern Age, would pass through a deep reformulation. In France, as this thesis will analyze, it is possible to note the flowering of a particular comprehension regarding Michelangelo, constantly understanding him as a submissive person, with a melancholic and temperamental behavior, being hard to deal with. It is known that the aforementioned characteristics emerge from the sixteenth sources, to which the nineteenth century devotes special attention, but it is also important to comprehend this phenomenon as the fundamental unity of the complex process of redefinition of the artist¿s social status. In 1830, a year marked by the Revolution, Eugène Delacroix wrote a biography of the Florentine master. In 1876, Auguste Rodin went for the first and only time to Italy, after the celebration of the fourth centenary of Michelangelo¿s birth. From there, he sent a letter to his companion. During this time interval, many other biographies to the master were written and his image would be related to many artists that, from an iconographic point of view and also regarding the formulation of their own aesthetic horizons, understood Michelangelo¿s melancholy as the core from which artistic problems are originated, debouching in the chronicle disempowerment of the classic¿s authority
Subject: Michelangelo Buonarroti, 1475-1564
Arte francesa - Séc. XIX
Arte italiana
Editor: [s.n.]
Citation: RAMOS, Renato Menezes. Michelangelo como modelo de artista moderno (França, 1830-1876). 2015. 1 recurso online ( 160 p.). Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/279678>. Acesso em: 29 ago. 2018.
Date Issue: 2015
Appears in Collections:IFCH - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Ramos_RenatoMenezes_M.pdf7.13 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.