Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/279661
Type: DISSERTAÇÃO
Degree Level: Mestrado
Title: A fórmula demoníaca entre jesuítas e agostinianos nos Andes peruanos do século XVI
Title Alternative: The demonic formula between Augustinian and jesuits in the peruvian Andes of the sixteenth century
Author: Ruz Torres, Eduardo Andrés, 1976-
Advisor: Karnal, Leandro, 1963-
Abstract: Resumo: Nos séculos que antecederam a Idade Moderna, normatizar a figura do demônio foi um processo essencial para os trabalhos evangelizadores de uma Europa heterogênea e que se repetiram nos Andes peruanos do século XVI. Se bem entendemos (dentro do discurso proposto pelos conquistadores) que evangelizar, na perspectiva dos religiosos, tratava-se em resgatar da ignorância e aproximar à população nativa ao único caminho tolerado pelos europeus (a verdadeira religião). Para conseguir este objetivo, se valeram do mal, num movimento aparentemente contraditório, mas que havendo sido uma estratégia longamente usada no Velho Mundo teve resultados excepcionais. O deslocamento de um satanismo comprovadamente utilitário foi parte da construção de um discurso de dominação e aculturação, mas que também permitiu concentrar os esforços políticos e sociais europeus numa guerra cósmica infatigável, permitindo a constante renovação de religiosos e laicos nas terras falsamente edênicas. Neste contexto, agostinianos e jesuítas escutaram o chamado evangelizador procedente do Novo Mundo e empreenderam sistemáticas campanhas em procura deste objetivo, cada ordem evidenciando diferentes mecanismos, mas tendo uma visão bastante aproximada do que era necessário fazer: os primeiros, através, da doutrina; os segundos por meio da missão. Mas tanto os ermitões como os da companhia, sempre esperaram deparar-se com o mal em pessoa, o próprio diabo, mas, ao não poder ter esta batalha real, passou-se à demonização da cultura local

Abstract: In the centuries preceding the Modern Age, regulate the devil¿s figure was an essential process for the evangelizer work in a heterogeneous Europe. This work was replicated in the Peruvian Andes, in the XVIth century. Comprehending (according to the discourse proposed by the conquistadores) that evangelize, in the religious¿ perspective, meant to rescue the native population from ignorance and to introduce it to the only way tolerated by the Europeans (the true religion). To achieve this goal, they took advantage of evil, in a movement apparently contradictory, but already utilized in the Old World, had exceptional results. The displacement of a Satanism proved useful was part of the construction of a domination and acculturation discourse, which also permitted the concentration of European political and social efforts in an indefatigable cosmic war, permitting the constant renovation of religious and laic in the falsely Edenic lands. In this context, augustinians and jesuits heard the evangelizer call coming from the New World and undertook systematic campaigns searching for this objective, each order showing different mechanisms, but possessing a very similar vision concerning what was necessary to do: the former, through the doctrine; the later, through the mission. Although, both the hermits and the society members continually hope to face the evil in person, the devil himself; but, not being able to have this real battle, they moved to the demonization of local culture
Subject: Demonologia
Agostinianos
Jesuitas
Peru - História - Séc. XVI
Editor: [s.n.]
Citation: RUZ TORRES, Eduardo Andrés. A fórmula demoníaca entre jesuítas e agostinianos nos Andes peruanos do século XVI. 2015. 166 p. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/279661>. Acesso em: 27 ago. 2018.
Date Issue: 2015
Appears in Collections:IFCH - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
RuzTorres_EduardoAndres_M.pdf2.43 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.