Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/279271
Type: DISSERTAÇÃO
Degree Level: Mestrado
Title: Constelações corporativas e alianças de poder : análise da Companhia América Móvil no mercado brasileiro de telecomunicações
Title Alternative: Corporate constelation and power alliance : analysis of the American Movil Company in the Brazilian telecommunications market
Author: Haro, Omar Rodrigo, 1981-
Advisor: Antunes, Ricardo, 1953-
Antunes, Ricardo Luiz Coltro
Abstract: Resumo: Examina-se o processo de internacionalização da maior corporação de telecomunicações da América Latina: a América Móvil, proprietária, no Brasil, das empresas EMBRATEL, CLARO, NET Serviços e Star One. Cada uma dessas empresas é especializada na administração de mensagens e informações do sistema comunicativo brasileiro e têm redes distribuídas em diversas partes da América Latina. O objetivo geral da presente dissertação é analisar as ligações entre os principais grupos financeiros internacionais com o proprietário da América Móvil, o magnata Carlos Slim Helú - hoje considerado o homem mais rico do mundo. Para conhecer o caminho percorrido no Brasil por esse empresário e a história do grupo de empresas de sua propriedade. Foram examinados os momentos de aquisição dos ativos de gigantescas corporações do mesmo ramo de indústrias como a MCI, a SBC e a AT&T, processo que colocou a América Móvil como terceiro grupo de telecomunicações no Brasil. Para tanto, considera-se importante analisar as transformações do sistema capitalista nos últimos anos, no que se refere aos novos mecanismos para gerar capital e permitir as migrações de grandes montantes de dinheiro em curto prazo a partir de um catalisador que maximizou suas operações: a indústria de telecomunicações. O desenvolvimento e a internacionalização da América Móvil não representam propriamente um ponto de ruptura com as formas de centralização de lucros das épocas passadas. Pelo contrário, essa empresa continua desenvolvendo os mecanismos próprios do sistema capitalista como o tráfico de influências, a falta de transparência de informação sobre suas operações e as alianças com gigantescos grupos de poder financeiro dos países centrais, predominantemente dos Estados Unidos. O primeiro capítulo problematiza as formas como é entendido o conceito de globalização na economia política, a partir de uma perspectiva que privilegia os processos produtivos e informacionais subordinados aos grandes negócios, bem como a relação entre as grandes corporações e o capital financeiro para o exercício de controle da indústria das telecomunicações em escala internacional. O segundo capítulo examina o papel da indústria das telecomunicações na atual crise do capitalismo. Apresenta-se uma explicação útil para compreensão de como, utilizando-se dessa indústria, o capital consegue grandes avanços no sentido de reinvestir os excedentes do sistema e aplicá-los na aquisição de antigas empresas paraestatais. Analisa-se o papel do grupo de empresas componentes da América Móvil e todas as aquisições de empresas privatizadas no Brasil. No geral, é possível perceber que o processo de compra e venda de empresas públicas só pode concretizar-se por meio da geração da interdependência do governo no Brasil e no México, com os grandes grupos empresariais de investidores envolvidos com o capital financeiro. O êxito da privatização da indústria de telecomunicações nesses dois países acompanhou a destruição dos movimentos operários, principalmente por meio de um movimento generalizado de "flexibilização" e "precarização" do trabalho. O terceiro e último capítulo procura trazer algumas contribuições sobre a questão da estruturação da propriedade da América Móvil, e como essa organização do capital permite gerar dinâmicas de grandes negócios com outros grupos empresariais e financeiros. O foco da análise abrange a estrutura da propriedade da América Móvil, as alianças no plano internacional com outros grupos econômicos e o potencial e real tráfico de influências que existe no conselho diretivo dessa empresa

Abstract: To examine the process of internationalization of a major telecommunication corporation of Latin America: America Movil, owned by Brazilian companies EMBRATEL, CLARO, NET and Star One. Each of these companies specialized in the administration of messages and information within the brazilian communication system and has networks in many parts of Latin America. The general objective is to present my dissertation on the partnerships between the major international financial groups with the major owner of America Movil, tycoon Carlos Slim Helú, currently considered the richest man in the world. To learn the chosen path in Brazil by this business man and the history of his group of companies, its political and economical aspects, to examine the acquisition of brazilian companies, such as MCI, SBC and AT&T. This process ranked America Movil the top three telecommunications groups in Brazil. I also want to consider important analysis as transforming the capitalist system in the latest years, new methods of creating capital and allowing the flow of great quantities of money in the short term. Recognizing the telecommunication industry as one of the most important catalysts of this process. Development and internationalization of America Movil don't represent a breaking point in the different forms of centralization of profits and wealth in the past. To the contrary, this corporation continues developing mechanisms of the capital system such as traffic of Information influence, lack of transparency about their operations and alliances with huge powerful financial groups of central countries, predominately the United States. The first chapter problemizes the understood forms of political and economic concepts of globalization, the perspective from the productive and informatic processes characteristic of large companies and the relation between big corporations and financial capital in order to control the telecommunication industry on an international scale. The second chapter examines the role of the telecommunication industry in the current capitalist crisis. It looks to explain and understand how, using this industry, capital profits grow in order to reinvest surplus back into the whole system and acquire old government corporations. There is an analysis of the role of the corporate group America Móvil and all acquisitions of privatized companies in Brazil. Overall, it's possible to see that the process of buying and selling of public companies can only become real through the generation of interdependence of the public sector in Brazil and Mexico, with major business groups of investors involved with financial capital. The successful privatization of the telecommunications industry in both countries caused the destruction of labor movements mainly through a general movement of "flexibility" and "instability" of work. The third and final chapter seeks to bring some contributions on the issue of the ownership structure of América Móvil, and how this organization can generate dynamic capital of big business with other business groups and financial giants. The focus of the analysis covers the ownership structure of América Móvil, its international alliances with other groups and economic potential and actual influence peddling that exist in the Board of Directors of that company
Subject: América Móvil
Telecomunicações
Corporações
Mercado financeiro
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: HARO, Omar Rodrigo. Constelações corporativas e alianças de poder: análise da Companhia América Móvil no mercado brasileiro de telecomunicações. 2013. 158 p. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/279271>. Acesso em: 22 ago. 2018.
Date Issue: 2013
Appears in Collections:IFCH - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Haro_OmarRodrigo_M.pdf4.65 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.