Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/278993
Type: TESE
Title: O controle da infância = caminhos da medicalização
Title Alternative: The control of childhood : ways of the medicalization
Author: Barbarini, Tatiana Andrade, 1984-
Advisor: Moraes, Maria Lygia Quartim de, 1943-
Abstract: Resumo: O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) é um transtorno mental infantil que tem ganhado evidência nos ambulatórios e consultórios médicos, escolas e mídia. Não parar, parecer estar no "mundo da lua" e não obedecer às ordens dos adultos são alguns indícios, entre tantos outros, de que a criança é uma potencial portadora de TDAH. Ao considerar-se que o TDAH tem origem em disfunções genéticas e neurológicas, encerra-se o problema no corpo individual, em sua constituição biológica, o que dá autoridade aos médicos psiquiatras para diagnosticar e propor tratamentos - sendo o uso de medicamentos psicoestimulantes o método mais utilizado - e deixam-se de lado questões sociais, históricas, culturais, econômicas e políticas importantes. Assim, nesta dissertação pretende-se analisar e interpretar o TDAH, seu diagnóstico e seu tratamento médico (psiquiátrico) e medicamentoso designados a crianças, a fim de desnaturalizá-los e desvendar suas relações com a sociedade contemporânea. Nesse sentido, são explorados temas como a definição clínica do transtorno, os processos de medicalização social, patologização e estigmatização de comportamentos infantis e as imagens da criança com TDAH, estabelecendo o diálogo entre TDAH, sociedade e infância. A metodologia escolhida engloba uma pesquisa qualitativa etnográfica, dispondo de métodos e técnicas de observação participativa no Ambulatório de Psiquiatria Infantil do Hospital das Clínicas da Universidade Estadual de Campinas; de entrevistas semiestruturadas com profissionais de saúde atuantes no referido ambulatório, crianças, entre seis e doze anos de idade, diagnosticadas como portadoras do TDAH e atendidas no local, e seus pais ou representantes legais; e de produção e interpretação de desenhos infantis. Portanto, a partir das pesquisas bibliográfica e de campo, entende-se que o TDAH e seu tratamento psiquiátrico e medicamentoso definem-se como fenômenos complexos que ultrapassam os limites do campo da biologia e medicina por possuírem raízes sociais, históricas e culturais ligadas a uma sociedade que valoriza as crianças como vir-a-ser, como seres em formação para a vida adulta ativa, e que as enquadra em normas e regras socialmente definidas sobre comportamentos adequados. A partir dessa conformação, além de se fornecer pouco espaço à expressão infantil, classificam-se, punem-se e tenta-se corrigir as crianças que se desviam, entre elas, as crianças com TDAH. Portanto, é possível entender o TDAH e seu tratamento (especialmente o medicamentoso) como mecanismos de biopoder

Abstract: Attention Deficit/Hyperactive Disorder (ADHD) is a child mental disorder which has been increasingly drawing attention from medical clinics, schools and media. Being in constant active, seeming aloof and not obeying adults' orders are some signs, along with so many others, that indicate a child is a potential ADHD bearer. When it is considered that ADHD has a genetic neurological dysfunction cause, the problem becomes restricted to the individual, in his/her biological constitution. This gives psychiatrists authority to diagnose and prescribe treatments - the use of psycho stimulant drugs being the main one. However this approach disregards important social, historical, cultural, economical, and political questions. Therefore, in this dissertation I aim to analyze and understand ADHD, its diagnosis, its drugs and the medical (psychiatric) treatment given to children in order to denaturalize them and reveal their relations with contemporary society. In this way, some themes are investigated, such as the disorder clinical definition, the processes of social medicalization and the pathologization and stigmatization of some children's behaviors, and these children's images, establishing the dialogue among ADHD, society, and childhood. The methodology chosen covers an ethnographic qualitative research, with methods and techniques of participative observation at "Ambulatório de Psiquiatria Infantil do Hospital das Clínicas da Universidade Estadual de Campinas"; semi-structured interviews with health professionals from the above-mentioned clinic, children from six to twelve years old diagnosed as ADHD bearers and treated there, and their parents or legal guardians; as well as by interpreting children's drawings. Thus, from bibliographic and field research, it is understood that ADHD and its medicamental and psychiatric treatment are complex phenomena which surpass Biology and Medicine field limits because of their social, historical, and cultural roots. They are connected to a society which values the child as a developing human being into an active adult life, and conforms them to socially defined principles and rules about proper behaviors. This conformation gives little room to child expression and, moreover, label, punish, and try to correct deviant children, among them, children with ADHD. Hence, it is possible to understand ADHD and its treatment (especially medicamental one) as mechanisms of bio-power
Subject: Distúrbio da falta de atenção com hiperatividade
Estigma (Psicologia social)
Crianças - Aspectos sociais
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2011
Appears in Collections:IFCH - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Barbarini_TatianaAndrade_M.pdf1.8 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.