Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/278629
Type: DISSERTAÇÃO
Degree Level: Mestrado
Title: O problema da Philia em Aristoteles (um estudo dos livros VIII e IX da Etica a Nicomaco)
Author: Lima, João Silva
Advisor: Moraes, João Carlos Kfouri Quartim de, 1941-
Moraes, João Quartim de
Abstract: Resumo: Este trabalho tem por objetivo discutir o problema da f???a (amizade) em Aristóteles, a partir da leitura dos livros VIII e IX da Ética a Nicômaco. A f???a é uma noção significativa na cultura grega, não só porque abrange as diversas formas de Iigação entre os homens, mas principalmente porque fundamenta e harmoniza a convivência humana em vista do bem comum. Por isso se diz, de Homero a Aristóteles, que "o amigo é um bem acima de todos os outros bens" e "a verdadeira amizade uma reciprocidade na prática do bem". Em Aristóteles, a philía integra a reflexão sobre o bem para o homem, por ser uma virtude ou algo que participa da virtude, não tanto como uma necessidade, mas, acima de tudo, como uma atividade virtuosa que estimula a prática de nobres ações. De acordo com Aristóteles, não existe uma única, mas várias formas de amizade, constituídas não em um, mas em vários gêneros, numa multiplicidade de significados, diferentes entre si, mas que se relacionam, de uma forma ou de outra, ao bem, princípio que dá origem à amizade segundo a virtude, à qual todas as outras se relacionam. Nessa concepção, mais que uma simples necessidade de ligação afetiva entre as pessoas, a philía significa essencialmente uma ação virtuosa marcada pela reciprocidade na prática do bem, sobretudo entre aqueles que convivem, principalmente na pólis. Dessa maneira, a concepção aristotélica da philía comporta duas grandes dimensões, com finalidades próprias: uma, enquanto parte integrante das virtudes éticas, que tem por finalidade a perfeição da vida prática, em última instância, a vida humana em vista do "bem viver" na pólis; outra, enquanto acabamento ou aperfeiçoamento das virtudes éticas ou dianoéticas, que tem por fim a perfeição da vida teorética, onde reside a verdadeira felicidade. Assim, a philía constitui um "bem" tanto para a vida prática, quanto para a vida contemplativa, uma vez que, na presença ou na companhia de amigos, é muito mais fácil atingir a finalidade da ação e da contemplação. Portanto, à medida em que se vincula à virtude e à felicidade, a philía constitui uma espécie de "mediação" necessária à plenitude da convivência humana em todas as suas dimensões

Abstract: Not informed.
Subject: Aristóteles
Filosofia antiga
Ética
Amizade
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: LIMA, João Silva. O problema da Philia em Aristoteles (um estudo dos livros VIII e IX da Etica a Nicomaco). 1997. 217f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciencias Medicas, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/278629>. Acesso em: 22 jul. 2018.
Date Issue: 1997
Appears in Collections:IFCH - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Lima_JoaoSilva_M.pdf8.17 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.