Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/278171
Type: TESE
Title: Estudo da datação por traços de fissão em epídoto
Author: Curvo, Eduardo Augusto Campos
Advisor: Hadler Neto, Julio Cesar, 1947-
Neto, Julio Cesar Hadler
Abstract: Resumo:O epídoto é um mineral de aplicações promissoras dentro do Método do Traços de Fissão (MTF). Dentre elas pode-se ressaltar a sua formação em zonas de falhas geológicas e sua alta temperatura de fechamento frente ao mineral atualmente mais estudado, a apatita. Na década de 70 chamou a atenção da comunidade científica envolvida com o MTF, sendo abandonado no início da década seguinte devido a uma série de dificuldades carregadas consigo. Variação do conteúdo de urânio entre grãos da mesma amostra, diversos tipos de imperfeições nos cristais do mineral, variação da forma dos traços com a face observada, são algumas delas. Também não há concordância quanto a um ataque químico que revele traços em todas as amostras de epídoto. O que se fez neste trabalho foi resgatar a metodologia necessária para o trato do epídoto e a realização de alterações nessa metodologia visando uma aplicação efetiva do MTF. No tocante a isso encontrou-se uma "janela de traços de fissão", que é a realização da contagem de traços que possuem características especiais, aqui representados por traços mais opacos e com reduzida distribuição angular. A utilização desses traços escuros diminuiu a largura das distribuições de densidade obtidas, tornando-as mais próximas a distribuições de Poisson, o que diminui o erro da datação. A datação de um monocristal de epídoto oriundo de Brejuí-RN, parte Norte da Província Borborema, foi realizada e conduziu a alguns resultados interessantes. A idade obtida, (551 ± 74) Ma, é compatível com datações realizadas através de outros métodos de datação. Observou-se um comportamento bimodal no histograma de comprimento de traços confinados fósseis. A idade referente a um dos picos da bimodal, (368 ± 59) Ma, permitiu acessar um evento posterior à formação do cristal, ainda não interpretado geologicamente

Abstract:Epidote is a mineral with promising applications in the Fission Tracks Method (FTM). Among them, can be stressed his formation in fault zones and his high closure temperature compared with the better studied mineral, the apatite. In the 1970's, the fission-track community turned the attention to epidote but abandoned it in the next decade due to difficulties for its treatment. Some difficulties were: heterogeneous U distribution, innumerable imperfections inside the epidote grains and dependence of the track shapes with the crystallographic orientation of the etched surface. Besides, there are no agreement about the chemical etching used to reveal tracks on epidote. In this work, the epidote fission track methodology was got back and some changes were applied to it, intending to make the method applicable. During the track counting, wide density histograms were obtained, when all the tracks were counted. By analysing the track shapes, it was realized that some tracks were darker and oriented in a short angular distribution. The counting of tracks in this "fission-track window" yields closer Poisson distributions, what decrease the dating error. The dating of a monocrystal from Brejuí(Rio Grande do Norte) was carried out and yielded some interesting results. The obtained age, (551 ± 74) My, is compatible with results of other dating methods and is related to its formation age. A bimodal distribution of confined lengths of fossil fission tracks was found. The age related with one of the bimodal peaks, (368 ± 59) My, allows to access an event posterior to the crystal formation that has not a geological interpretation yet
Subject: Datação do traço de fissão
Datação radiotiva - Borborema (RN)
Epídoto
Método do detetor externo
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2002
Appears in Collections:IFGW - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Curvo_EduardoAugustoCampos_M.pdf1.39 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.