Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/275230
Type: TESE
Degree Level: Doutorado
Title: Risco, corpo e socialidade no voo livre
Title Alternative: Risk, body and socialization on hang gliding
Author: Pimentel, Giuliano Gomes de Assis
Advisor: Bruhns, Heloisa Turini
Abstract: Resumo: Vôo livre é uma atividade física de aventura na natureza (AFAN) cuja característica é decolar de um local elevado e manter-se voando com a utilização de correntes de ar. No país há mais de 5.000 praticantes, entre pilotos e pilotas de parapente e asa-delta. A maioria desses praticantes de vôo livre o realiza como opção de lazer, tendo forte relação com seu estilo de vida e com a formação de redes de socialidade. Via de regra não se voa sozinho, mas em grupos de afinidade. Outra característica societal é que homens e mulheres voam juntos. Embora fosse esperado encontrar corpos jovens e atléticos, fatores como a tecnologia, permitem que diferentes pessoas participem: a quantidade de pessoas com idade acima dos 30 anos nesse esporte é destacável. Geralmente são os mais jovens que se arriscam nessas aventuras. Intriga ainda o fato de o vôo livre ser adotado como lazer de pessoas comuns do cotidiano, já que apresenta riscos à vida. Nesse sentido, o estudo considerou socialidade, corpo e risco como dimensões essenciais à compreensão desta AFAN. Considerando os problemas já mencionados, o objetivo foi compreender significados dados ao risco, ao corpo e à socialidade a partir da prática corporal do vôo livre. Para tanto, numa apropriação da pesquisa etnográfica, foi realizado estudo de campo por meio de observação participante, entrevistas e registros de imagens em Terra Rica, Paraná. Vinte e duas pessoas participaram das entrevistas. A amostra foi intencional e não probabilística, determinada pela saturação dos dados. O referencial teórico de base foi buscado em Michel Maffesoli, privilegiando suas discussões sobre socialidade, potência da socialidade, nomadismo, tribalização, sensibilidade teórica, razão sensível, teoria erótica, ética da estética e enraizamento dinâmico. Destacam-se entre as evidências descritas: a ênfase racional no trinômio equipamento-piloto-condição; a efervescência societal em torno do vôo como estilo de vida; a estruturação dos momentos do vôo analogamente ao ritual; a percepção sensível da espiritualidade e da natureza na fase de suspensão; ambigüidades e contradições nas práticas e representações sobre corpo e risco. Numa vida pautada pela rotina e estresse, o vôo surge como um pólo diferenciado. As pessoas transitam entre essas duas esferas (cotidiano e lazer), evidenciando o enraizamento dinâmico na contemporaneidade. Nessa prática corporal, que explora liminarmente as emoções em situação de risco, pilotos incorporam a lógica de se auto responsabilizarem pelos erros. Assim mesmo, dado o risco real implicado, não existe um corpo ideal imune à imponderabilidade dos acidentes. Desta forma, aspectos de uma racionalidade sensível, como a solidariedade grupal ou a intuição, se fazem incorporadas na experiência dos voadores e voadoras como uma complementaridade ¿ contraditória ¿ à técnica e à tecnologia na gestão dos riscos no vôo livre. Essas interações, não passíveis de síntese, reforçam a tese de que risco, corpo e socialidade são elementos prioritários no entendimento da coletividade de sujeitos que praticam um esporte de risco num momento de suas vidas não mais relacionado à juventude

Abstract: Hand Gliding is an adventurous physical activity in nature (APAN) whose feature is to take off from a high place and keep flying by using the draughts of air. In Brazil, there are more than 5,000 sports people, including pilots of hang glides and parachutes. Most of these hang gliders fly for leisure, and it has strong relation with their life style and with socializing nets formation. Usually they do not fly by themselves, but in groups of affinity. Another society feature is that men and women fly together. Although young and athletic people are expected, some factors, such as technology, allow different people to participate, and the number of people over 30 years old in this sport is remarkable. Generally, only young people take these risks. It is also intriguing the fact that hang gliding is adopted as leisure by ordinary people, as it has perils of life. Thus, this study has considered socialization, body and risk as essential dimensions to understand this APAN. Taking the mentioned problems into account, the objective was to understand the meanings given to risk, body and socialization from hang gliding corporal practice. To that, appropriating ethnographic research, a study was performed by observing the people and interviewing them and also through images recorded in Terra Rica, Paraná. Twenty two people were interviewed. The sample was intentional and not probabilistic, determined by data saturation. The theoretical base reference was taken from Michel Maffesoli, with relevance to his discussions on socialization, socialization potency, nomadism, tribalization, theoretical sensitiveness, sensitive reason, erotic theory, esthetic ethic and dynamic root taking. Among the reported evidences there are outstanding ones: rational emphasis on the trinomial equipment pilot-condition; gathering effervescence around flight as a life style; structure of moments of flight similar to rites; sensitive perception of spirituality and nature in suspension phase; ambiguities and contradictions in practices and representations about body and risk. In a life replete of routine and stress, the flight comes as a different pole. People transit between these two ambits (routine and leisure), showing dynamic root taking in contemporaneity. In this corporal practice, that explores emotions in risky situations, the pilots incorporate the logic of being responsible for the mistakes, even though there is not an ideal body immune to imponderability of the accidents, given the real risk. Consequently, aspects of a sensitive rationality, as group sympathy or intuition are incorporated in fliers¿ experiences as complements ¿ contradictory ¿ to technique and technology in risks managing in hang gliding. These interactions, not able to be synthesized, support the thesis that risk, body and socialization are prior elements when understanding the collectivity of subjects that do a risky sport in a certain moment of their lives not related to youth anymore
Subject: Lazer
Cultura
Esportes de aventura
Saúde
Natureza
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2006
Appears in Collections:FEF - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Pimentel_GiulianoGomesdeAssis_D.pdf1.51 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.