Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/274953
Type: TESE
Title: Homo-motor, ciborgues e... aha! pessoas : da revolução industrial a revolução da informação
Author: Ugarte, Maria Cecilia Donaldson
Advisor: Ferreira, Maria Beatriz Rocha, 1950-
Abstract: Resumo: Buscamos neste trabalho, analisar e refletir sobre a implantação da industrialização capitalista durante a Revolução Industrial, que se inicia na Inglaterra, a fim de entender como chegamos ao que nos apresenta a nova revolução da informação e sua alta tecnologia, que apenas começa a transformar corpos e sociedade. Descrevemos, a princípio, os fatos históricos e os resultados catastróficos relatados, em termos humanos, com a desterritorialização dos camponeses e aldeões e o surgimento do proletariado. A burguesia, preocupada com a produtividade, o progresso e com seus lucros, se encanta com o desenvolvimento, enquanto os corpos responsáveis pelo trabalho duro dessa industrialização passam pelo mais indigno processo. O Homo-Motor, metáfora desenvolvida por Rabinbach, é a força de trabalho da época, que tinha seus corpos tratados como se fossem reservatórios de energia, como o das máquinas, capazes de serem domados e disciplinados, visando alto rendimento no trabalho. O corpo como uma máquina produtiva. A nova ciência racionalista e utilitarista que acompanha os acontecimentos, concebe o corpo como uma força produtiva e um instrumento político, cujas energias poderiam ser, através de técnicas, submetidas a sistemas organizacionais cientificamente desenhados. Nascem então uma série de disciplinas visando 'docilizar corpos¿, dentre elas o avanço da fisiologia, a ergonomia e a educação física, com suas ginásticas mecanicistas. Atualizamos então esses acontecimentos, e vamos para o ciborgue, mistura de máquina e homem; a metáfora das últimas décadas. Um aparato muito mais poderoso que o da Revolução Industrial está em andamento, com a aceleração das bio-tecnologias, quando a ação volta-se para o interior do próprio agente, com consequências imprevisíveis. Aumentam os dispositivos de poder sobre os corpos, trazendo contradições e paradoxos entre uma sociedade extremamente individualista que prega o rendimento e a responsabilidade de cada um para ser um 'vencedor¿ e ao mesmo tempo, torna as pessoas impotentes, manipuladas pela propaganda, pelos desejos de consumo e dezenraizadas de seus corpos humanos imperfeitos, numa busca constante pelo corpo ideal. Tanto o trabalho como o tempo livre sofrem transformações que até agora só aumentaram as desigualdades socias. Reforçamos o papel da Educação Física, que apesar sofrer as tensões impostas pelo sistema, pode desempenhar um importante papel na re-significação desses corpos comuns, excluídos e segregados, para que se tornem corpos-pessoa. Assim, nossa intenção é conclamar à reflexão e à mobilização para que ainda tenhamos alguma chance de escolhas

Abstract: The purpose of this study is to analyse and reflect about the capitalist industrialization during the Industrial Revolution, which first takes place in England, between 1785-1848, intending to understand its implication in nowadays Information Revolution and its high technologies. This late revolution is only in the beginning, and accelerates the transformations of bodies and society. First, the historical facts of the industrialization and the catastrophic human results are related - such as the de-territorialization of peasants and countrymen and the proletarianization of these populations, the new labour power. The new 'middle class¿, looked for productivity, seeking for progress and profit and was enchanted by development. Meanwhile, the bodies that were responsible for the hard work were treated as energy recipients, such as machines, capable of being dominated and disciplinated. The metaphor of the Human-Motor, in Rabinbach, describes the bodies as productive machines. A rationalist and utilitarian new science provided the transformations in labour power. The body was than conceived as a productive force and also as a political instrument. Its energies could be, subjected by new techniques, structured in organizational systems, scientifically drawn. New studies in ergonomics, physical education and physiology sustained the 'process of docility of the body¿, including new discourses, in a mechanicist language. Actualizing these events through the last two decades, we come to the metaphor of the Cyborgue, a mixture of machine and human being. A much more powerful apparatus is going on, with the acceleration of the biotechnologies, when action goes through the agent interior, with unpredictable consequences. The 'power devices¿ over bodies, increase and multiply the contradictions and the paradoxes, in a very individualist society, that at the same time, preaches high performance and each one¿s responsibility to obtain success and money, but where people are totally dependent, manipulated by the media power, consumerism desires and out of their unperfected bodies (unrooted), trying desperate to get an ideal, unreacheable one. Incalculable transformations in work and free time are increasing the social disparities. The role of physical Education is reinforced in this study, despite the tension imposed by the established system, it can be extremely helpful on the re-signification of these common bodies of common people, excluded and segregated, so they can be person-bodies. And so, we intend to claim people to reflect and to be mobilized, so that we can still have chances of choices
Subject: História social
Corpo
Trabalho
Ciborgues
Pessoas
Materialismo
Racionalismo
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2004
Appears in Collections:FEF - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Ugarte_MariaCeciliaDonaldson_M.pdf262.72 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.