Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/271161
Type: DISSERTAÇÃO
Degree Level: Mestrado
Title: A fala da criança e seus efeitos no adulto interlocutor
Title Alternative: Child speech and its effects on interlocutor adult
Author: Lima, Gisele, 1983-
Advisor: Figueira, Rosa Attie, 1948-
Abstract: Resumo: Nos diversos estudos realizados em Aquisição da Linguagem, tendo em mãos horas de gravação da criança no convívio com o adulto, os pesquisadores quase sempre se voltaram para a fala da criança como dado privilegiado para pesquisa. Mas quem fala com essa criança? O adulto é o seu interlocutor. Assim, neste trabalho, não deixando de lado a fala da criança, dedicamo-nos a observar, prioritariamente, a fala do adulto ao dialogar com ela, buscando entender o que da fala do infans, que difere da do adulto, toca-o de forma particular e que efeitos essa fala pode produzir no adulto. A análise dos dados nos mostra que a mesma imprevisibilidade a que está sujeita a fala da criança, de onde podem surgir os enunciados mais insólitos, também está sujeita a fala adulta, no diálogo com essa criança, diferentemente do que acreditam autores como Ochs e Schieffelin (1997) quando afirmam haver três atitudes do adulto diante do erro. Ao olharmos o diálogo mãe-criança, observamos que o adulto é colocado, por assim dizer, a mercê da fala da criança, esta, como diz Pereira de Castro (1998), interroga o adulto na sua posição e o lança a diferentes lugares. Ao mesmo tempo em que a fala divergente do infans pode levar o adulto a se colocar na posição de quem tem um saber que a criança não tem - e, por isso, ensina, molda, corrige - pode, por vezes, lançá-lo no baby talk, que, ao contrário da correção, é uma forma de aproximação, de reconhecimento e cumplicidade com aquele ser a se constituir. É nesse sentido que falamos em efeitos da fala da criança sobre o adulto, trata-se de como a fala do infans toca o adulto de formas tão diversas. Neste trabalho, correção e não-correção têm a ver com interpretação, no sentido que Pereira de Castro dá ao termo. A correção emerge do "estranhamento" que determinada produção causa no adulto, da "escuta" de uma diferença, ao passo que a não-correção evidencia o "reconhecimento" de uma fala como possível, como pertencente à sua língua.

Abstract: In the variety of studies about Language Acquisition, based on a long period of recording of the child interacting with the adult, the researchers have focused on the child speech as the main resource for the research. But who talks to the child? The adult is their interlocutor. Thus, in this study, we observed not only the child speech, but also the adult dialogue while talking to them, in order to try to understand the "infans" speech effects on the adult speech, because the first one is different from the second. Based on the results, we could see the adult speech is as difficult to pretend as the child speech, because the most uncommon sentences can appear from both speeches, during the conversation between them, different from what Ochs e Schieffelin (1997) believe when they affirm there are three attitudes of the adult towards the error. While looking at the dialogue between mother and child, we could see that is the child who directs the adult talk during the conversation. According to Pereira Castro (1998), the child interrogates the adult and takes her to different places. The divergent speech of "infans" can make the adult to act as someone who owns knowledge that the child does not, and, due to that, the adult teaches and corrects. However, the adult can also use the baby talk as a way of approximation, recognizing and complicity with the child. It is based on that we focus our study on the effects of child talk in the adult speech and how this takes place in so different manners. In this study, correction and non-correction are related to interpretation, as what Pereira de Castro defines the word. The correction happens when a child's talk causes "strangeness" in the adult, when the child says something that sounds "unfamiliar" for the adult, while the no-correction shows acknowledgement that the speech is possible, and belongs to the language.
Subject: Aquisição de linguagem
Interpretação
Fala da criança - Correção do adulto
Erro
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2009
Appears in Collections:IEL - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Lima_Gisele_M.pdf543.16 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.