Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/271137
Type: TESE
Title: Uma ou duas? Eis a questão! : um estudo do parâmetro número de mãos na produção de sinais da língua brasileira de sinais (Libras)
Title Alternative: One or two? That's the question! : a study of the parameter number of hands in the production of Brazilian sign language (Libras) signs
Author: Xavier, André Nogueira, 1980-
Advisor: Barbosa, Plinio Almeida, 1966-
Abstract: Resumo: Os itens lexicais das línguas sinalizadas, tradicionalmente chamados de sinais, se caracterizam como sendo feitos com uma ou duas mãos. Por essa diferença articulatória ser usada contrastivamente nessas línguas, Klima e Bellugi (1979) propuseram a inclusão do número de mãos no conjunto de parâmetros sublexicais empregados na análise fonológica dos sinais. Neste trabalho, realiza-se um estudo desse parâmetro na produção de sinais da língua brasileira de sinais (libras) com foco tanto em casos nos quais sinais tipicamente articulados com uma mão são produzidos com duas (duplicação), quanto em casos em que sinais normalmente realizados com duas mãos são feitos com apenas uma (unificação) (JOHNSTON; SCHEMBRI, 1999). Além disso, analisam-se casos em que a mudança no número de mãos (de uma para duas) tem efeito sobre o significado do sinal ¿ não se caracterizando, portanto, como variação ¿, bem como casos em que a realização com uma ou duas mãos de certos sinais não altera o seu significado, constituindo, assim, variantes destes. Um dos achados deste estudo diz respeito à não-identificação de pares mínimos em que o único elemento de contraste lexical é o número de mãos. Em todos os casos levantados, a diferença no número de mãos nos sinais do par está sempre associada a diferenças em pelo menos um outro parâmetro fonológico do sinal (sua localização, seu movimento ou sua marcação não-manual). Dentre os casos em que a mudança no número de mãos altera o significado do sinal, inclui-se a expressão de intensidade, uma vez que se observa na libras a realização, com duas mãos, de sinais tipicamente articulados com uma mão quando estes têm seu significado intensificado. Os resultados do experimento realizado para eliciar formas intensificadas sugerem, no entanto, que esse processo é opcional na libras, pois sua ocorrência só foi atestada nas produções de seis dos 12 participantes do estudo e variou em relação à sua frequência e ao sinal ao qual estes o aplicaram. Este trabalho também evidenciou a ocorrência de variação livre no parâmetro número de mãos, bem como de variação motivada por fatores extra-linguísticos e pelo contexto fonético-fonológico. Em relação à variação livre, observou-se que os sinais que sofrem essa variação não formam uma classe homogênea: há casos em que a variante de uma mão é predominante e outros em que a de duas é mais frequente. Pelo menos para alguns dos sinais equilibrados (realizados com as duas mãos em movimento), parece haver uma correlação entre a variante predominante e a sua localização. Predomina a variante de uma mão para sinais equilibrados feitos na face e a de duas para sinais desse mesmo tipo feitos abaixo do pescoço, tendência já observada na língua de sinais americana (FRISHBERG, 1975). Já em relação à variação motivada por fatores extra-linguísticos, viu-se que a realização de sinais tipicamente feitos com duas mãos em situações em que uma delas está indisponível não equivale simplesmente à sua articulação com uma mão. Há casos em que outras estratégias são empregadas, tais como a substituição por um sinal sinônimo ou a mudança em sua localização, nos casos em que esta corresponde a uma região na mão indisponível. Por fim, em relação à variação motivada pelo contexto fonético-fonológico (coarticulação), observou-se que o número de mãos do sinal precedente ou seguinte pode explicar a realização com uma ou duas mãos de certos sinais. Entretanto, viu-se também que os sujeitos variam tanto em relação à sensibilidade que exibem ao contexto fonético-fonológico e à taxa de sinalização, quanto no que diz respeito ao(s) sinal(is) ao(s) qual(is) aplicam o processo

Abstract: Signed language lexical items, traditionally called signs, are characterized as one or two-handed. As this articulatory difference is used contrastively in these languages, Klima & Bellugi (1979) proposed the inclusion of the number of hands in the set of sublexical parameters used in the phonological analysis of signs. In this work, I offer an analysis of the parameter number of hands in the production of signs of Brazilian Sign Language (Libras), focusing on cases in which typical one-handed signs are produced with two hands (doubling) and others in which typical two-handed signs are realized with one hand only (singling) (Johnston & Schembri 1999). Furthermore, I analyze cases in which a change in the number of hands (from one to two) has effect on the meaning of the sign ¿ hence not characterizable as variation ¿ as well as cases in which the realization with one or two hands of certain signs does not change their meaning ¿ thus representing different variants of those signs. One of the findings of this study concerns the contrastiveness of the number of hands in Libras. No minimal pairs in which the number of hands is the only element used to contrast signs were identified. In all cases surveyed, the difference in the number of hands is always associated with differences in at least one other phonological parameter, that is, in their location, movement or nonmanual marks. Among the cases in which changing the number of hands changes the meaning of a sign is the expression of intensity, since in Libras some one-handed signs are observed to be produced with two hands when they have their meaning intensified. The results of the experiment designed to elicit the intensified forms of some signs suggest, however, that this process is optional in Libras, because its occurrence was only attested in the production of six of the 12 participants in the study and varied in relation to their frequency and the sign to which it was applied. This work has also demonstrated the occurrence of free variation in the number of hands for some Libras signs, as well as variation motivated by extra-linguistic factors and the phonetic-phonological context. Regarding free variation, the results showed that signs varying in their number of hands do not make up a homogeneous class: there are cases where the one-handed variant is predominant and others in which the two-handed one is more frequent. At least for some balanced signs, which are produced with both hands moving, there seems to be a correlation between the predominant variant and its location. The one-handed variant was more frequent for signs articulated on the face, whereas the two-handed variant occurred more frequently for signs produced in locations below the neck, a tendency already observed in American Sign Language (Frishberg 1975). As for the variation motivated by extra-linguistic factors, it was observed that the production of two-handed signs in situations where one hand is unavailable do not simply amount to their articulation with one hand. There are cases where other strategies are employed, such as the substitution of these signs for a synonym or a change in the sign location, when this location corresponds to a region in the unavailable hand. Finally, in relation to the variation motivated by the phonetic-phonological context (coarticulation), it was observed that the number of hands of the previous or following sign may influence the realization with one or two hands of certain signs. However, it was also observed that subjects vary in their sensitivity to the phonetic-phonological context and signing rate, as well as in relation to the sign to which they apply the process
Subject: Língua brasileira de sinais
Fonética
Mãos
Coarticulação (Linguistica)
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2014
Appears in Collections:IEL - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Xavier_AndreNogueira_D.pdf4.83 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.