Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/270856
Type: TESE
Title: Linguisterria : um chiste
Author: Veras, Viviane, 1950-
Advisor: Rajagopalan, Kanavillil, 1945-
Abstract: Resumo: Considerado por diversos autores uma forma de criação literária, o chiste é uma faculdade linguageira especial. Condensando e deslocando materiais verbais, recombina-os em formas inusitadas, de acordo com uma sintaxe que Freud encontra em ação nos processos inconscientes. Lingüisteria (que introduz na lingüística, por um chiste, a fala da histérica), é como Lacan nomeia uma lingüística que inclua o poético na ordem própria da língua. Nessa lingüisteria, que reconhece a ordem do inconsciente, encontro um lugar para os chistes, tentando fazer com que ressoe nela o riso que eles provocam. O caráter de um chiste está em sua forma lingüística. Parto dessa constatação de Sigmund Freud. O teste é simples: dizer com outras palavras, parafrasear, destrói o efeito chistoso, não surpreende, não faz rir. Segundo Freud, um chiste não se prefacia, um momento antes, nã9 se sabe que chiste se irá fazer [...] e sente-se algo indefinível,que Freud compara com uma ausência {Absenz}, um súbito deixar de fora {Auslassen} a tensão intelectual; um instante depois, o chiste está lá, aflora de repente do inconsciente, não tem origem num raciocínio. Os desdobramentos explicativos eliminam a surpresa que lhe é constitutiva, tiram-lhe a graça, não fazem rir. É somente pelo efeito provocado que um chiste terá sido bem sucedido, portanto, exige uma participação subjetiva. Só é chiste o que reconheço como tal, diz Freud, e isso deve ser levado em conta na experiência de sua transmissão. É na sofística, com o conceito de kairós (momento oportuno), que preparo o caminho que este trabalho vai seguir (Parte I). Exigindo o ouvinte, aquele que ri, a formação de um chiste é social: só pode ser experimentada uma vez que se tome parte em seu processo, excluindo o observador neutro, que se limitaria a analisá-Io. Nessa parte do trabalho (Parte II),abordo a questão do método freudiano, da resistência, da inibição e do desejo. Na parte III proponho uma leitura das teses de Freud a partir do tempo lógico de Lacan, um tempo que inclui as paradas, as hesitações e a pressa, com o objetivo de mostrar como o texto de Freud se deixa afetar pela temporalidade de seu objeto de estudo. Encerrando o trabalho (Parte IV), apresento um ensaio especulativo da mise-en-scene freudiana de uma gênese do chiste, atravessada pelo riso, que lhe abre e fecha as cortinas, como o verdadeiro enigma com que Freud tropeça na experiência de seu objeto

Abstract: Considered by several authors as a kind of literary creation, jokes are a special language faculty. Condensing and displacing verbal material, it recombines this material in uncommon ways, according to a sintax that Freud finds in unconscious processes. Linguístery (introducing in Linguistics, by means of a joke, the speech of the hysteric) is the name Lacan proposes to a Linguistics that includes the poetic in its considerations about language and an its constitutive order. In this linguistery as proposed by Lacan, this work finds a place for verbal jokes, trying to make the laugh they provoke resound in it. The character of a verbal joke consists of its linguistic form. This work starts from this verification by Freud. The test is simple: saying in other words destroys the effect of the joke - it does not surprise, it does not provoke laughing. According to Freud, a verbal joke can not have a preface, one moment before, no one knows that a joke wíll be made[...] and we fell somethíng undefínable, which Freud compares to an absence (Absenz), a sudden exclusion [Auslassen] of intelectual tension; a moment later, the joke is there, it suddenly comes up from the unconscious, having no origin in reasoning. Explanation eliminates the surprise constitutive to verbal jokes and causes no laugh. It is only by the effect it has provoked that a joke will have been successful, something that demands a subjective participation. There only exísts the joke I recognize as such, Freud states, and this fact must be taken into account in the experience of its transmission. Sophistry, with the concept of kaírós (timely moment), prepares the path this work will follow. (Part I). Requiring the participation of the listener, of the one who laughs, the joke's formation is social: it can only be experienced if one participates in its process, which excludes the neutral observer, who would be limited to analyse it. This part of the work (Part 11),approaches the Freudian method, resistence, inhibition and--desire:--Part III proposes a consideration of Freud's theses in view of Lacan's logical time, which includes the stops, hesitations and haste, with the aim of showing how Freud's text is affected by the temporality of its object of study. Part IV presents an essay on the Freudian mís-en-scene of a genesis of the verbal joke, crossed through by laughing, which opens and closes the curtains, as the true enigma on which Freud trips in experiencing his object
Subject: Freud, Sigmund, 1856-1939
Lacan, Jacques, 1901-1981
Inconsciente
Retórica
Tempo
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 1999
Appears in Collections:IEL - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Veras_Viviane_D.pdf23.83 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.