Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/270622
Type: TESE
Title: Atividades de reformulação na conversação entre afasicos e não-afasicos
Title Alternative: Reformulation activities in conversation between aphasic and non-aphasic
Author: Hebling, Carolina Barbosa
Advisor: Morato, Edwiges Maria, 1961-
Abstract: Resumo: A reformulação, fenômeno extremamente produtivo na linguagem cotidiana, é uma atividade de composição textual e de (re)organização discursiva, na qual o falante produz um enunciado lingüístico que reformula um outro prévio, adequando-o de acordo com suas intenções comunicativas e à situação interativa em curso. Levando em conta a recorrência deste fenômeno também na linguagem comprometida pela afasia, este trabalho tem por objetivo a caracterização das atividades de reformulação na conversação entre afásicos e não-afásicos, a partir de uma perspectiva sócio-cognitiva (Vygotsky, 1934; Tomasello, 1999, Marcuschi, 2003; Koch, 2004; Morato, 2007). Partindo da hipótese de que, ainda que apresentem dificuldades de (meta)linguagem, afásicos não deixem de atuar competentemente com relação à atividade reflexiva que o uso da linguagem constitui nestas instâncias reformulativas, estabelecemos algumas indagações norteadoras: i) quais elementos ancoram os processos de (re)construção do sentido na presença de diversos déficits lingüísticos, parafasias, agramatismos, dificuldades em encontrar palavras, etc.? ii) como se articulam os processos lingüísticos e interacionais nas atividades reformulativas que os sujeitos empreendem na interação para ajustar as condições de produção do sentido no texto conversacional? iii) o que a afasia, como perturbação da metalinguagem, implica para estas atividades (meta)reformulativas? E, finalmente, iv) se a reformulação implica uma tomada de consciência sobre o objeto lingüístico, o que a relação entre reformulação e reflexividade lingüística pode revelar sobre as relações entre linguagem e cognição nas afasias? Retomando de maneira crítica a bibliografia produzida tradicionalmente no campo da Neurolingüística sobre o fenômeno, chamamos atenção, em alternativa a uma abordagem cognitivista, à possibilidade de um tratamento lingüístico sócio-cognitivo dos processos reflexivos (meta/epilingüísticos), constitutivos das atividades de reformulação na linguagem de afásicos e não-afásicos. Uma vez identificados em um corpus de conversações entre afásicos e não-afásicos os tipos, marcas e funções da reformulação para falantes afásicos e não-afásicos, poderemos adensar o entendimento das semelhanças e diferenças que se apresentam para os falantes afásicos e não-afásicos no que toca às estratégias textuais-interativas.

Abstract: Reformulation, an extremely productive phenomenon in everyday language, is an activity of textual composition and discourse (re)organization in which the speaker makes a linguistic statement recasting a previous one, adjusting it according to their communicative intentions and to the ongoing interactive situation. Taking into account the recurrence of this phenomenon also in the language impaired by aphasia, this work aims at characterizing the activities of reformulation in conversations between aphasics and non-aphasics from a social cognitive perspective (Vygotsky, 1934, Tomasello, 1999, Marcuschi, 2003, Koch, 2004; Morato, 2007). On the assumption that even in present of (meta)linguistic difficulties aphasics do not cease to act competently in relation to the activity that the reflexive use of language implies in these instances, some guiding questions are established: i) which elements anchor the processes of (re)construction of meaning in the presence of various linguistics deficits, paraphasias, agrammatisms, difficulties in finding words, etc.? ii) how are the linguistic and interactional processes articulated in the activities which subjects undertake in interaction to adjust the production conditions of meaning in conversational text? iii) once aphasia can be seen as a metalinguistic impairment, what are the consequences so entailed in these (meta)reformulative activities? And finally, iv) once reformulation entails awareness of language, what can this relationship between reformulation and linguistic reflexivity reveal about the relationship between language and cognition in aphasia? Taking to a critical revision the literature traditionally produced in the field of Neurolinguistics, we focus on an alternative to the cognitive approach of the phenomenon - the possibility of a social cognitive approach to the reflexive processes (meta/epilinguistic) underlying reformulation activities in the aphasic and non aphasic language. Once the types, marks and functions of reformulation are identified in a corpus of conversations between aphasics and non-aphasics, we believe we can understand more accurately the similarities and differences that come to aphasic and nonaphasic speakers regarding textual-interactive strategies.
Subject: Afasia
Metalinguagem
Conversação
Reformulação (Linguistica)
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2009
Appears in Collections:IEL - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Hebling_CarolinaBarbosa_M.pdf642.64 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.