Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/270619
Type: TESE DIGITAL
Title: Do 'astronomês' para o português : a comunicação entre astrônomos e jornalistas no Brasil
Title Alternative: From 'astronomese' to Portuguese : the communication between astronomers and journalists in Brazil
Author: Miranda, Giuliana, 1987-
Advisor: Knobel, Marcelo, 1968-
Abstract: Resumo: Este trabalho tem o objetivo de fazer um "raio-x" das reportagens brasileiras sobre astronomia, astronáutica e áreas correlatas da exploração espacial a partir da ação dos três principais atores deste processo: pesquisadores, jornalistas e assessores de imprensa. Investigar o processo de produção e identificar as características subjacentes à cobertura desta temática tem particular relevância em um momento que o país está prestes a fazer investimentos bilionários para participar de grandes cooperações internacionais da disciplina, com destaque para a entrada no consórcio do ESO (Observatório Europeu do Sul) e a construção do supertelescópio GMT (Giant Magellan Telescope). Pesquisadores e imprensa do Brasil às vezes parecem falar idiomas distintos, e temas com grande impacto entre a comunidade científica têm pouco destaque ou são completamente ignorados pela mídia. Para tentar desvendar o ciclo de produção das reportagens, foram analisadas quatro instituições de importância estratégia na área: IAG-USP, Observatório Nacional, INPE e Agência Espacial Brasileira. A realização de entrevistas aprofundadas com os profissionais envolvidos teve um caráter estruturante. Optou-se por ouvir o diretor e pelo menos outro cientista de seus quadros como uma tentativa de que as respostas reflitam com mais equilíbrio a visão institucional e a realidade nos ambientes avaliados. Para completar o diagnóstico da interação, foram entrevistados também os assessores de imprensa dos institutos, que são, pelo menos formalmente, responsáveis pela mediação e a elaboração de pautas para os jornalistas. Embora a leitura dos diários impressos tenha caído nos últimos anos, eles ainda são considerados pelo público em geral como a fonte de informação mais confiável, conforme atesta a Pesquisa Brasileira de Mídia 2015. Devido à influência e ao potencial de reverberação em outros meios, a pesquisa contemplou a produção de notícias sobre astronomia e áreas afins nos três maiores jornais do país: Folha de S.Paulo, O Estado de S.Paulo e O Globo, apresentando ainda uma breve revisão do atual cenário do jornalismo científico no país, onde o noticiário sobre ciência está sendo progressivamente incorporado a editorias de abrangência mais geral. Foram entrevistados o repórter e o responsável pela edição dos três periódicos. Para uma melhor compreensão dos resultados apresentados, a dissertação está dividida em capítulos dedicados a cada um desses atores. O sexto capítulo discute as questões consideradas relevantes, comparando e posicionando as situações em um contexto mais amplo e de outras pesquisas. A investigação mostrou que, embora os cientistas afirmem que a interação com os jornalistas seja importante, a maioria não toma medidas pró-ativas para manter esse contato. Com poucos funcionários e atribuições que extrapolam suas competências, as assessorias não dão conta de fomentar essa interação. Segundo os próprios jornalistas, o noticiário acaba sobretudo calcado nas relações que eles mesmos criam com os pesquisadores, além de haver uma dependência das grandes missões estrangeiras e das revistas científicas

Abstract: his research aims to present a broad perspective of the Brazilian press coverage on astronomy, astronautics and areas related to space exploration through the investigation of the three main actors in this process: researchers, journalists and press officers. Investigating the process of production and identifying the underlying features of the coverage of this issue has particular relevance at a time when the country is about to make huge investments to participate in major international cooperation in this field, especially by joining the ESO (European Southern Observatory) consortium and the partnership to build the GMT (Giant Magellan Telescope). Researchers and the press in Brazil sometimes seem to speak different languages, and issues with great impact in the scientific community have little attention or are completely ignored by the media. To try to unravel the stories of the production cycle, we analyzed four institutions considered to be strategic in the area: IAG-USP, National Observatory, INPE and the Brazilian Space Agency. Conducting in-depth interviews with professionals involved had a structural nature in this work. We chose to hear the director and at least one other scientist of the institution as an attempt to make the responses reflect a more balanced vision between the institutional view and the reality in the evaluated environments. To complete the diagnosis, we also interviewed the press officers of the institutes, who are, at least formally responsible for mediating the contact with the press. Despite the reduction of circulation, printed press is still considered by the general public in Brazil as the most reliable source of information, as shown in the government report Brazilian Media Research 2015. Because of the influence and the potential reverberation in other media, we studied the production of news on astronomy and related fields in the three major national newspapers: Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo and O Globo, including a brief review of the current state of science journalism in the country, where science news are being progressively incorporated into a more general scope editorial. We interviewed the reporter with more experience in covering astronomy as well as the journalist responsible for editing the three newspapers. For a better understanding of the results presented, the dissertation is divided into chapters devoted to each of the actors involved. The sixth chapter discusses the issues considered relevant by comparing the responses in a broader context and other researches. The results show that while scientists claim that the interaction with journalists is important, most of them do not take proactive measures to maintain this contact. With few employees and duties that go beyond their jurisdiction, the press officers do mot manage to foster this interaction. According to the journalists, most of the ideas and the news are originated in relationships they create with the researchers by themselves, and there is a great dependence on foreign missions and scientific journals
Subject: Astronomia na comunicação de massa
Comunicação de massa e linguagem
Jornalismo - Brasil
Divulgação científica - Brasil
Pesquisadores - Brasil
Jornalistas - Brasil
Assessores de imprensa - Brasil
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2015
Appears in Collections:IEL - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Miranda_Giuliana_M.pdf1.94 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.