Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/270495
Type: TESE
Title: Clivadas e pseudo-clivadas na história do português : uma análise diacrônica das estruturas de foco e implicações da gramática v2.
Title Alternative: Cleft and pseudo-cleft sentences in portuguese history : a diachronic analysis of the focus structures and V2 grammar implications
Author: Silveira, Damaris Matias, 1988-
Advisor: Galves, Charlotte, 1950-
Galves, Charlotte Marie Chambelland, 1950-
Abstract: Resumo: Esta pesquisa investiga diacronicamente as sentenças utilizadas para focalizar constituintes sintáticos, as Clivadas e Pseudo-clivadas, sob o ponto de vista da Gramática Gerativa, através de 16 textos do Corpus Histórico do Português Anotado Tycho Brahe. Tais sentenças caracterizam-se pelas sequências Cópula+Foco+que+IP (clivadas canônicas) e SentençaWh+Cópula+Foco (pseudo-clivadas canônicas). Porém, outras sentenças de mesma sequência podem ser confundidas com clivadas e, por isso, apresentamos uma série de requisitos para que tais sequências sejam analisadas como resultado do recurso da clivagem. O período considerado para a busca dessas sentenças é o que se estende do século 16 ao19, indo do Português Clássico ao Português Moderno e incluindo a fase transição entre os dois períodos. Seguindo a argumentação de diversos autores, assumimos que, até o momento dessa transição, o Português tem um funcionamento de língua V2, ou seja, licencia o movimento do verbo para uma posição alta na periferia esquerda da sentença (Cf. Torres Moraes (1995), Galves (1997), Paixão de Sousa (2004), Galves, Brito e Paixão de Sousa (2005), Cavalcante, Galves e Paixão de Sousa (2010), Gibrail (2010), Antonelli (2011), Galves e Gibrail (2013) e Galves e Paixão de Sousa (2013)). De acordo com Kato e Ribeiro (2005), Kato e Ribeiro (2006) e Kato (2009), o padrão Canônico de Clivadas inexistia no período em que o Português era uma gramática V2, por restrição desse sistema gramatical. Para as autoras, este é o único padrão incompatível com V2. Porém, o licenciamento de estruturas V1 nesse período nos leva a questionar tal restrição, uma vez que sentenças clivadas são estruturas V1. O que fazemos neste estudo é, portanto, sintetizar tanto as características sintáticas dessas construções quanto as do sistema gramatical dos períodos relevantes, observar a ocorrência das estruturas clivadas nos textos do corpus e, por fim, traçar um paralelo analítico entre esses pontos, buscando apresentar evidências de que a ausência das clivadas canônicas não ocorre por restrição para seu licenciamento, mas por opção do falante, uma vez que a sua língua disponibiliza outro recurso gramatical de focalização

Abstract: This research investigates diachronically the sentences used to focus syntactic constituents, the Cleft and Pseudo-cleft ones under the Generative Grammar point of view, through 16 texts from Tycho Brahe Parsed Corpus of Historical Portuguese. Such sentences are characterized by the sequence copula+Focus+que+IP (canonic clefts) and wh sentence+Copula+Focus (canonic pseudo-clefts). However, other sentences of the same sequence can be confused with the cleft ones and, therefore, a number of requisites is shown so that such sequences can be analyzed as a result of a cleavage resource. The period considered to the search of such sentences is the one which goes from the 16th to the 19th centuries, from Classic Portuguese to the Modern one and it includes the transition phase between these two periods. By following the argumentation of several authors it is assumed that up to the time of this transition, Portuguese had presented a V2 language functioning, that is, it permits the verb movement to a high position on the left peripheral of the sentence (Cf. Torres Moraes (1995), Galves (1997), Paixão de Sousa (2004), Galves, Brito and Paixão de Sousa (2005), Cavalcante, Galves and Paixão de Sousa (2010), Gibrail (2010), Antonelli (2011), Galves and Gibrail (2013) and Galves and Paixão de Sousa (2013)). According to Kato and Ribeiro (2005), Kato and Ribeiro (2006) and Kato (2009) the Canonic Clefts pattern was inexistent in the period when Portuguese was a V2 grammar because of this grammatical system. To the authors cited this is the only incompatible pattern with V2. However, the license of V1 structures in this period takes one to question such restriction since such cleft sentences are V1 structures. Therefore, what this study does is to synthesize syntactic characteristics of these constructions as well as the grammatical system of the relevant periods, observe the occurrence of the cleft structures in the corpus texts and, finally, trace an analytical parallel among these points, and it presents evidence that the absence of canonic clefts do not occur by restriction of license, but by the speaker¿s choice, since his/her language makes it available another grammatical resource of focusing
Subject: Linguística histórica
Mudanças linguísticas
Gramática gerativa
Lingua portuguesa - Verbos
Língua portuguesa - Análise sintática
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2014
Appears in Collections:IEL - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Silveira_DamarisMatias_M.pdf1.4 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.