Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/270486
Type: TESE
Title: O que há de materno na língua? = considerações sobre os sentidos de língua materna no processo de gramatização brasileira nos séculos XIX e XX
Title Alternative: What is so motherly-like in the language? : regards about the sense of mother tongue in the Brazilian grammatisation process in the XIX and XX centuries
Author: Aquino, José Edicarlos de, 1985-
Advisor: Rodriguez Zuccolillo, Carolina Maria, 1964-
Zuccolillo, Carolina Maria Rodríguez
Abstract: Resumo: Os sentidos da expressão língua materna no período inicial do processo de gramatização brasileira constituem o objeto de investigação deste trabalho, que assume uma concepção histórica e discursiva do sentido e se assenta em um campo teórico-metodológico que considera constitutiva a relação entre história do saber metalinguístico e história da língua, a História das Ideias Linguísticas. Para situar historicamente a questão, realiza-se primeiramente um estudo da emergência da expressão língua materna no Ocidente. Partindo-se da análise geral dos primeiros registros conhecidos da expressão no Ocidente, analisa-se especificadamente o funcionamento da expressão nas gramáticas de Júlio Ribeiro e de Alfredo Gomes no Brasil da virada do século XIX para o XX, de forma a compreender como ressoam nas obras dos autores brasileiros os sentidos de língua materna construídos ao longo de séculos na Europa. A hipótese apresentada é a de que língua materna é uma construção histórica cujos sentidos acompanham fortemente o processo de gramatização e constituição das línguas nacionais e do Estado nacional. Diante da ausência de registros anteriores ao século XII, a expressão língua materna é considerada uma invenção medieval, empregada inicialmente em latim nos textos da Igreja, como forma de contrapor essa língua aos vernáculos emergentes. Na passagem da Idade Média ao Renascimento, momento da gramatização massiva das línguas do mundo a partir da tradição greco-latina, realiza-se a superposição entre os sentidos de língua materna e língua nacional, em um passo que leva à construção da evidência de língua materna como primeira língua, língua do território, língua que se contrapõe à língua estrangeira, sentidos mobilizados na Antiguidade Clássica pelas expressões patrius sermo e patria lingua, o que depõe contra o próprio mérito da evidência sofrido pela expressão língua materna. No Brasil, onde gramatização também está em correspondência com a formação da nação e com a questão da língua nacional, os sentidos da expressão língua materna apontam questões como o reconhecimento de uma identidade linguística brasileira e a legitimação de um saber sobre a língua portuguesa no país

Abstract: The senses of the expression "mother language" in the initial period of the Brazilian process of grammatization are the subject of research in this work, which takes a historical and discursive conception of the sense and is based on the History of Linguistic Ideas, a theoretical and methodological field that considers as constitutive the relation between the history of metalinguistic knowledge and the history of the language. In order to situate the issue historically, it has been carried out, firstly, a study of the emergence of the expression "mother language" in the West. Based on the general analysis of the first known records of such expression in the West, the functioning of this expression in the grammars of Julio Ribeiro and Alfredo Gomes at the turn of the nineteenth to the twentieth century in Brazil has been specifically analyzed, aiming to understand how the senses of "mother language" built throughout the centuries in Europe resonated in the works of the Brazilian authors. The hypothesis presented here is that mother language is a historical construction whose senses follow strongly the grammatization process and the constitution of the national languages and of the National State. Given the absence of records before the twelfth century, the expression "mother language" is considered a medieval invention, initially used in Latin in the texts of the Church, as a way to counter this language to the emerging vernaculars. In the passage from the Middle Age to the Renaissance, a time of massive grammatization of the languages of the world from the Greco-Latin tradition, it is possible to state that there was an overlap between the senses of "mother language" and "national language", in a step that leads to building up the evidence of mother language as a first language, a language of the territory, a language that is opposed to the foreign language, senses deployed in Classical Antiquity by the expressions "patrius sermo" and "patria lingua", which argues against the merit of the evidence occurred with the expression "mother language". In Brazil, where grammatization is also in correspondence with the formation of the Nation and with the issue of the national language, the senses of the expression "mother language" raise issues as the recognition of a Brazilian linguistic identity and the validation of a certain knowledge about the Portuguese language in the country
Subject: Língua materna
Ideias linguisticas - História
Gramática comparada e geral - Gramatização
Análise do discurso
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2012
Appears in Collections:IEL - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Aquino_JoseEdicarlosde_M.pdf1.62 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.