Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/270344
Type: TESE
Title: O estatuto neurolinguistico do automatismo
Author: Viscardi, Janaisa M., 1980-
Advisor: Morato, Edwiges Maria, 1961-
Abstract: Resumo: O objetivo desta Dissertação é discutir as características lingüísticas de um fenômeno que tem recebido pouca atenção dos estudos da área de Neuropsicologia e Neurolingüística: o automatismo. Tal fenômeno tem sido definido como a emissão de enunciados estereotipados e repetitivos que podem ser produzidos tanto através de formas lexicalizadas da língua como através de formas não-lexicalizadas. De acordo com os poucos estudos neuropsicológicos que tratam do tema, o automatismo seria, em geral, a única forma possível de produção oral dos sujeitos ditos "monofásicos", produção esta caracterizada ainda por uma variação perceptível na curva entoacional. No entanto, esta característica do fenômeno não é tida como tentativa de produção de significação, sendo considerada inconsciente, maquinal, involuntária. Tal definição é contestada aqui por impossibilitar, dentre outras coisas, o questionamento sobre a interação dos diversos processos (lingüísticos e não lingüísticos) que atuam de forma dinâmica e solidária no funcionamento da linguagem não somente em contexto patológico como também em contexto "normal", assim como impossibilita uma reflexão sobre aspectos lingüístico-cognitivos envolvidos nesse funcionamento. Dessa forma, este estudo descreve e postula as características lingüísticas do automatismo a partir de uma perspectiva enunciativa, tendo em vista a análise longitudinal de dados do sujeito CF, que freqüenta o Centro de Convivência de Afásicos (CCA), no Instituto de Estudos da Linguagem (IEL), da UNICAMP, numa tentativa de confirmar a expectativa de que as condições de enunciação alteram a qualidade de produção dos automatismos

Abstract: The aim of this study is to discuss the linguistic features of a phenomenon which hasn't received much attention from Neuropsychology and Neurolinguistics: the recurring utterance. Such phenomenon has been defined as the emission of stereotyped utterances which can be recognized as lexical or non lexical forms. According to neuropsychological studies on this phenomenon - which are few - the recurring utterance would be defined as the only possibility of oral production by the individuals called "monophasic", this production been characterized by different perceivable prosodic contours. However, this characteristic is not considered as a way of producing signification/meaning: it is considered, instead, unconscious, mechanical and involuntary. The definition born of neuropsychological studies is now contested because it disables the questioning about the interaction of the various processes (linguistic and non-linguistic) that take part dynamically and solidarily in the way language works, not only in a pathological context but also in "normal" contexts. Moreover, this definition does not allow a reflection on linguistic-cognitive aspects involved in the functioning of language. Thus, this study describes and postulates the linguistic features of recurring utterance from the perspective of enunciation taking into account a long-term analysis of data collected from the individual CF, which is a member and participates in the activities of Centro de Convivência de Afásicos (CCA) in Instituto de Estudos da Linguagem (IEL), at UNICAMP. This work tries to confirm the expectation that conditions of enunciation modify the quality of recurring utterance production
Subject: Entonação (Fonetica)
Análise prosódica (Linguística)
Neurolinguística
Automatismo
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2005
Appears in Collections:IEL - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Viscardi_JanaisaM._M.pdf479.17 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.