Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/270287
Type: TESE
Title: Onde andará Dulce Veiga? = a representação da AIDS e do mal-estar do sujeito na obra de Caio Fernando Abreu
Title Alternative: Onde andará Dulce Veiga? : representations of AIDS, of the subject and its dicontents in the work of Caio Fernando Abreu
Author: Ferreira, Carlos André
Advisor: Seligmann-Silva, Márcio, 1964-
Seligmann-Silva, Márcio Orlando, 1964-
Abstract: Resumo: Este trabalho é uma análise do romance Onde andará Dulce Veiga? Um romance B (1990), de Caio Fernando Abreu. Buscou-se compreender como a construção da narrativa é atravessada pelo que se identifica, através deste estudo, como o mal-estar dos anos 1980 e da AIDS. No Brasil, nessa década, se dá a passagem da Ditadura militar para o regime democrático, período frequentemente lembrado pela instabilidade no processo de transição política, econômica e social. Ao pessimismo atribuído a essa época, podemos acrescentar o forte impacto na sociedade brasileira causado pela divulgação dos primeiros casos de AIDS (sigla em inglês para a Síndrome de Imunodeficiência Adquirida - SIDA). Por se tratar de uma doença incurável, letal e associada, inicialmente, à bi / homosexualidade, a AIDS será significada sob o estigma da condenação, do medo e do preconceito. Considerando o contexto de descoberta da doença, esta análise da obra de Caio, cuja trama se desenvolve nos anos 1980, se pauta no questionamento de como se dá a representação do sujeito e da AIDS a partir da perspectiva do narrador-personagem. Ao se lançar na busca da cantora Dulce Veiga, personagem que dá título ao romance, o narrador se vê envolvido num enredo no qual a doença se significa na forma de um não-dito. A AIDS se apresenta, de forma velada, em meio aos sentidos de destruição perceptíveis pelos elementos espaço-temporais presentes na narrativa. O efeito de decadência que a narrativa produz é também analisado a partir do estudo comparativo entre a estrutura de um romance B proposta por Abreu, numa referência ao cinema B, e o romance policial noir norte-americano dos anos 1930

Abstract:This paper is an analysis of the novel Onde andará Dulce Veiga? Um romance B (1990), by Caio Fernando Abreu. We tried to understand how the construction of narrative is crossed by what is identified through this study, as the malaise of the 1980's and AIDS. In Brazil, this decade the passage of the military dictatorship to democratic rule, a period often remembered for the instability in the process of political transition, economic and social development. Assigned to the pessimism of that time, we can add a strong impact on brazilian society caused by the release of the first cases of AIDS (acronym for Acquired Immunodeficiency Syndrome - AIDS). The disease, incurable, lethal and initially associated with, sexuality, will be signified under the stigma of conviction, fear and prejudice. Considering the context of discovery of the disease, this analysis of the work of Caio, whose plot unfolds in 1980 and is guided in questioning how is the representation of the subject and AIDS from the perspective of the narrator. By launching the search for Singer Dulce Veiga, character which gives title of the novel, the narrator becomes involved in a plot in which the disease means in the form of an unsaid. AIDS presents itself, in a roundabout way, amid the destruction perceptible to the senses of space and time elements present in the narrative. The effect of decay that produces the narrative is also analyzed from a comparative study of the structure of a novel B proposed by Abreu, a reference to B movies, and novel noir of the 1930s in the United States
Subject: Abreu, Caio Fernando, 1948-1996 - Crítica e interpretação
Literatura brasileira
Anos 1980
Sujeito
AIDS (Doença)
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2010
Appears in Collections:IEL - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Ferreira_CarlosAndre_M.pdf568.14 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.