Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/270275
Type: TESE
Title: A fonte subterranea : o pensamento critico de Jose de Alencar e a retorica oitocentista
Author: Martins, Eduardo Vieira
Advisor: Dantas, Luiz Carlos da Silva, 1947-
Dantas, Luiz
Abstract: Resumo: O objetivo deste trabalho é analisar o pensamento crítico de José de Alencar no quadro histórico da sua produção, ressaltando os vínculos que o articulam com a retórica oitocentista. Num primeiro momento, verifica-se a permanência da eloqüência no sistema de ensino do século XIX e discutem-se as idéias apresentadas em cinco tratados amplamente divulgados no período: as Lectures on rhetoric and belles lettres, do escocês Hugh Blair; as Lições elementares de eloqüência nacional e as Lições elementares de poética nacional, do português Francisco Freire de Carvalho; e, dentre os retores brasileiros, as Lições de eloqüência nacional, de Lopes Gama, e os Elementos de retórica nacional, de Junqueira Freire. A análise desses manuais possibilita perceber um processo de entrelaçamento entre a retórica e os novos paradigmas da crítica romântica, partindo de Blair, cujo tratado já aponta para um movimento em direção à psicologização da elocutio, até Junqueira Freire, que apresenta uma nova visão de antigos conceitos, como gênio e imaginação, definidos de perspectiva nitidamente romântica. Após a apresentação da retórica oitocentista, retomam-se os textos crítico-teóricos produzidos por José de Alencar (prefácios, artigos jornalísticos e, principalmente, intervenções em polêmicas literárias), organizando-os a partir dos gêneros abordados: crônica, epopéia, poesia popular, romance e, no campo teatral, a comédia e o drama histórico. Na leitura desse material, procura-se destacar o uso de noções fundamentais da poética clássica, como os conceitos de decoro (que, apesar de não ser nomeado, orienta a análise de A confederação dos tamoios, poema censurado por não guardar as conveniências devidas ao gênero e ao objeto do canto) e de verossimilhança (usado tanto na análise de textos de terceiros, como para justificar sua própria produção). A par da utilização desses conceitos, Alencar evidencia clara consciência dos ornamentos aptos a produzir os efeitos desejados sobre o leitor, com destaque especial para a hipérbole e a amplificação, recursos valiosos para elevar a matéria ao nível de grandiosidade conveniente e que seriam utilizados pelo romancista ao longo da sua obra ficcional. Procura-se demonstrar que mais importante do que o uso de conceitos pontuais oriundos da retórica é o fato de Alencar conceber o texto como uma forma, uma realização particular de um gênero cujos traços distintivos podem ser conhecidos, codificados e estudados. Partindo dessa perspectiva, sua primeira atitude como crítico é tomar o objeto analisado e verificar o gênero no qual se insere. A recorrência desse procedimento faz com que, mesmo de maneira assistemática, o autor acabe constituindo um complexo sistema de gêneros, elaborado a partir de uma espécie de grade que define o texto por meio de traços distintivos como tema, estilo, finalidade, personagens ou outros aspectos formais relevantes. Na elaboração da teoria de cada gênero, ora lança mão de maior quantidade de conceitos retóricos, como na análise da epopéia, gênero clássico por excelência, ora se distancia um pouco dessa fonte, como ao discutir o romance ou a comédia. Em todo caso, entretanto, conserva a mirada retórica que permite definir os elementos estruturadores de cada gênero. Encerrando o trabalho, investigam-se alguns romances ambientados nas florestas e campos do interior do país, procurando-se demonstrar a existência de uma tópica, um conjunto de lugares-comuns empregados na descrição da natureza brasileira. Ao fim do percurso, o que se verifica é a profunda relação do pensamento crítico alencariano com a retórica oitocentista, o que nos convida a repensar o lugar da eloqüência no século XIX e a rever a concepção do romantismo como ruptura definitiva com as poéticas que o precederam, avançando, assim, o questionamento do psicologismo crítico, que concebe a obra como expressão dos sentimentos do autor

Abstract: The aim of this study is to analyse the relations between the articles on criticism written by José de Alencar and the treatises of rhetoric that circulated in Brazil during the 19th century
Resumo: O objetivo deste trabalho é analisar o pensamento crítico de José de Alencar no quadro histórico da sua produção, ressaltando os vínculos que o articulam com a retórica oitocentista. Num primeiro momento, verifica-se a permanência da eloqüência no sistema de ensino do século XIX e discutem-se as idéias apresentadas em cinco tratados amplamente divulgados no período: as Lectures on rhetoric and belles lettres, do escocês Hugh Blair; as Lições elementares de eloqüência nacional e as Lições elementares de poética nacional, do português Francisco Freire de Carvalho; e, dentre os retores brasileiros, as Lições de eloqüência nacional, de Lopes Gama, e os Elementos de retórica nacional, de Junqueira Freire. A análise desses manuais possibilita perceber um processo de entrelaçamento entre a retórica e os novos paradigmas da crítica romântica, partindo de Blair, cujo tratado já aponta para um movimento em direção à psicologização da elocutio, até Junqueira Freire, que apresenta uma nova visão de antigos conceitos, como gênio e imaginação, definidos de perspectiva nitidamente romântica. Após a apresentação da retórica oitocentista, retomam-se os textos crítico-teóricos produzidos por José de Alencar (prefácios, artigos jornalísticos e, principalmente, intervenções em polêmicas literárias), organizando-os a partir dos gêneros abordados: crônica, epopéia, poesia popular, romance e, no campo teatral, a comédia e o drama histórico. Na leitura desse material, procura-se destacar o uso de noções fundamentais da poética clássica, como os conceitos de decoro (que, apesar de não ser nomeado, orienta a análise de A confederação dos tamoios, poema censurado por não guardar as conveniências devidas ao gênero e ao objeto do canto) e de verossimilhança (usado tanto na análise de textos de terceiros, como para justificar sua própria produção). A par da utilização desses conceitos, Alencar evidencia clara consciência dos ornamentos aptos a produzir os efeitos desejados sobre o leitor, com destaque especial para a hipérbole e a amplificação, recursos valiosos para elevar a matéria ao nível de grandiosidade conveniente e que seriam utilizados pelo romancista ao longo da sua obra ficcional. Procura-se demonstrar que mais importante do que o uso de conceitos pontuais oriundos da retórica é o fato de Alencar conceber o texto como uma forma, uma realização particular de um gênero cujos traços distintivos podem ser conhecidos, codificados e estudados. Partindo dessa perspectiva, sua primeira atitude como crítico é tomar o objeto analisado e verificar o gênero no qual se insere. A recorrência desse procedimento faz com que, mesmo de maneira assistemática, o autor acabe constituindo um complexo sistema de gêneros, elaborado a partir de uma espécie de grade que define o texto por meio de traços distintivos como tema, estilo, finalidade, personagens ou outros aspectos formais relevantes. Na elaboração da teoria de cada gênero, ora lança mão de maior quantidade de conceitos retóricos, como na análise da epopéia, gênero clássico por excelência, ora se distancia um pouco dessa fonte, como ao discutir o romance ou a comédia. Em todo caso, entretanto, conserva a mirada retórica que permite definir os elementos estruturadores de cada gênero. Encerrando o trabalho, investigam-se alguns romances ambientados nas florestas e campos do interior do pais, procurando-se demonstrar a existência de uma tópica, um conjunto de lugares-comuns empregados na descrição da natureza brasileira. Ao fim do percurso, o que se verifica é a profunda relação do pensamento crítico alencariano com a retórica oitocentista, o que nos convida a repensar o lugar da eloqüência no século XIX e a rever a concepção do romantismo como ruptura definitiva com as poéticas que o precederam, avançando, assim, o questionamento do psicologismo crítico, que concebe a obra como expressão dos sentimentos do autor

Abstract: The aim of this study is to analyse the relations between the articles on criticism written by José de Alencar and the treatises of rhetoric that circulated in Brazil during the 19th century
Résumé: L'objectif de ce travail est analyser les rapports entre les textes critiques écrits par José de Alencar et les traités de rhétorique que circulaient au Brésil au XIXe siècle
Subject: Alencar, José de, 1829-1877 - Crítica e interpretação
Literatura brasileira - História e crítica
Romantismo
Retórica
Crítica
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2003
Appears in Collections:IEL - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Martins_EduardoVieira_D.pdf5.64 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.