Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/270241
Type: TESE
Title: A ficção cientifica como derivação da utopia : a inteligencia artificial
Title Alternative: The science fiction as derivation of the utopia, the artificial intelligence
Author: Baldessin, Marceli Giglioli Stoppa
Advisor: Berriel, Carlos Eduardo Ornelas, 1951-
Abstract: Resumo: A ficção científica é um gênero literário derivado da utopia, e sua consolidação ocorreu no século XIX. O homem como figura representativa do gênero teve seu processo de desenvolvimento iniciado no período clássico. A noção da essência humana adquirida pelo homem antigo culminou na evolução do indivíduo que emerge no Renascimento, caminhando para o individualismo do mundo moderno. As tragédias gregas representaram um homem em ebulição tentando conquistar seu espaço no aspecto universal, e como homem de estado. No Renascimento, surge o homem virtú: o fecundador do mundo, aquele que se descobre como indivíduo, portanto volta-se à coletividade, projetando a arquitetura das cidades, e planejando a organização social. O Renascimento foi um período áureo em que o desenvolvimento e a liberdade de construção auxiliavam sem negar valores morais. Na literatura surgem as utopias, projeções de mundos perfeitos, paralelos ao real. Com a proibição do erro pelas utopias, as sociedades perfeitas se corrompem em função da negação da individualidade, e de outras condições básicas humanas, aparecendo as distopias: sociedades massificadas e infelizes. A ficção científica funciona como um alerta para as conseqüências advindas dos excessos tecnológicos, como exemplo, cidades super-populosas, catástrofes naturais, e o enfraquecimento das noções éticas. Enquanto a técnica e a ciência deram suporte ao homem, o mundo esteve equilibrado. A partir do momento que o homem se corrompe pelo poder do conhecimento, situações grotescas invadem as narrativas de ficção científica. Diante do poder de imitação à natureza, o homem cria seres artificiais, sem dar conta do motivo ou das proporções de sua criação. O presente trabalho traz algumas eminentes figuras representativas da emulação com a natureza como Frankenstein, Golem e Pinocchio para tratar a questão da inteligência artificial na ficção, voltando olhar para o mundo moderno repleto de golems. O desejo de se igualar à natureza é característica imanente do homem, e o desenvolvimento técnico-científico, o qual propiciou eminentes descobertas, apenas facilitou e forneceu meios para uma reprodução da natureza. O foco está no homem, e na maneira como conduz seu poder diante da informação, envolvendo questões éticas e filosoficas

Abstract: The science fiction is a derived literary gender of the Utopia, and its consolidation happened in the century XIX. The man as representative illustration of the gender had his process of initiate development in the classic period. The notion of the acquired human essence for the old man culminated in the individual's evolution that emerges in Renaissance, walking for the individualism of the modern world. The Greek tragedies represented a man in ebullition trying to conquer his space in the universal aspect, and as state man. In Renaissance, the man virtú appears: the creative of the his world, that discovered himself as individual, therefore he returns to the collectivity, projecting the architecture of the cities, and planning the social organization. Renaissance was a very important period in that the development and the construction freedom aided without denying moral values. In the literature the Utopia appear, projections of perfect worlds, parallel to the real. With the prohibition of the mistake for the Utopia, the perfect societies are corrupted in function of the denial of the individuality, and of other human basic conditions, appearing the distopias: societies of masses and unhappy. The science fiction works as an alert for the consequences happened of the technological excesses, as example, super-populous cities, natural catastrophes, and the weakness of the ethical notions. While the technique and the science gave support to the man, the world was balanced. Starting from the moment that the man is corrupted by the power of the knowledge, grotesque situations invade the science fiction narratives. Before the imitation power to the nature, the man creates artificial beings, without justify the reason or the proportions of his creation. The present work brings some eminent representative illustrations of the emulation with the nature as Frankenstein, Golem and Pinocchio to treat the subject of the artificial intelligence in the fiction, returning to look for the replete modern world of golems. The desire to equal to the nature is characteristic immanent of the man, and the technician-scientific development, which propitiated eminent discoveries, just facilitated and it supplied means for a reproduction of the nature. The focus is in the man, and in the way as it drives his power before the information, involving ethical and philosophical subjects
Subject: Ficção científica
Utopia
Distopias
Inteligência artificial
Natureza
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2006
Appears in Collections:IEL - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Baldessin_MarceliGiglioliStoppa_M.pdf1.29 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.