Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/270051
Type: TESE
Title: A escrita da dor : testemunhos da ditadura militar
Title Alternative: The writing of the pain : military dictatorship testimonies
Author: Fernandes, Fabricio Flores
Advisor: Seligmann-Silva, Márcio, 1964-
Seligmann-Silva, Marcio Orlando
Abstract: Resumo: Esta pesquisa tem como objeto de estudo as obras testemunhais de Luiz Roberto Salinas Fortes, Retrato calado (1988), e de Flávio Tavares, Memórias do esquecimento (1999), em que os autores narram acontecimentos vividos durante os anos da ditadura militar no Brasil (1964-1985), entre os quais suas passagens por sessões de tortura. Exploram-se, neste trabalho, os motivos por que os relatos apresentam determinadas características estruturais, tais como a cisão do narrador ante a descrição de eventos de extrema violência, a incorporação de um interlocutor a quem o narrador se dirige, a aparente impossibilidade de ordenação cronológica dos fatos e a repetição de termos e construções sintáticas em um mesmo período. A hipótese interpretativa com a qual se trabalha é a de que semelhantes dispositivos, somados à evidência de que longo tempo transcorreu entre a vivência dos fatos e sua narração, indicam que esse narrador hesitante é vítima de experiências traumatizantes. Como forma de validação da hipótese, aborda-se uma série de trabalhos teóricos que versam sobre a relação entre o ato testemunhal e os traumas sofridos. Concomitantemente, no intuito de melhor compreender as condições de surgimento dos relatos, investigam-se textos de perpetradores, cujas visões sobre o período são diametralmente opostas às dos autores estudados aqui. Por fim, analisa-se minuciosamente a estrutura discursiva dos testemunhos de Salinas e Tavares, identificando nos relatos elementos indicativos das dificuldades enfrentadas no ato de escrever a dor

Abstract: The subjects of this research are the testimonial works of Luiz Roberto Salinas Fortes, Retrato calado (1988), and Flávio Tavares, Memórias do esquecimento (1999), in which the authors narrate events experienced during the years of the Brazilian military dictatorship (1964-1985), among them the torture suffered. One explores, in this work, the reasons for the accounts present some structural features such as the narrator split before the description of the extreme violence, the simulation of an interlocutor to whom the narrator speaks, the apparent impossibility of setting down the facts on a chronological order, and the repetition of words and syntactic constructs on a same period. The interpretative hypothesis one works with understands that such devices, added to the evidence that long time elapsed between the facts and the narration of them, indicate this hesitant narrator is a victim of traumatizing experiences. As a way of hypothesis validation, one broaches a series of theoretical works on the relation between the testimonial act and the suffered traumas. Furthermore, with the intent to better comprehend the accounts emergence conditions, one investigates perpetrators texts, whose visions on the events are rather opposite to the ones by the authors here studied. Finally, one minutely analyses discursive structures of Salinas¿ and Tavares¿ testimonies, calling attention to the difficulties faced in the act of writing the pain
Subject: Autobiografia
Trauma psíquico
Brasil - História - 1964-1985
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2008
Appears in Collections:IEL - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Fernandes_FabricioFlores_D.pdf1 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.