Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/270012
Type: TESE
Title: Auto e peregrinação = a metáfora da caminhada no "Auto da alma" e em "Morte e Vida Severina"
Title Alternative: Auto and pilgrimage : the walk metaphor in "Auto da Alma" and "Morte e Vida Severina"
Author: Balista, Lígia Rodrigues, 1985-
Advisor: Gagnebin, Jeanne Marie, 1949-
Bons, Jeanne Marie Gagnebin de, 1949-
Abstract: Resumo: O objetivo dessa dissertação de mestrado foi analisar a metáfora da caminhada, a partir da leitura comparativa entre duas obras: Auto da Alma, de Gil Vicente, e Morte e Vida Severina - Auto de Natal Pernambucano, de João Cabral de Melo Neto. Procurei investigar como essas produções desenvolvem, a partir do trabalho com poesia e com o auto, a caminhada como imagem central de construção do texto: em ambos, são personagens em deslocamento espacial e temporal que protagonizam os poemas. Partindo da revisitação a textos da tradição cristã e a textos literários que trabalham com a tópica da peregrinatio, levantei alguns temas e imagens comuns relativos à peregrinação, que guiaram minha leitura comparativa. Além da própria metáfora de vida como caminho e/ou peregrinação, há a questão da ajuda divina para essa realização, bem como os perigos de desvio e do cansaço; as paradas para descanso (e os diferentes valores atribuídos ao parar); a questão do nome/singularidade (ou possibilidade de representação de outros personagens) do peregrino central; as vestimentas que o viajante porta, ou das quais se desfaz ao longo da caminhada; a questão do alimento recebido (ou da falta dele) ao caminhar; assim como o que, intrinsecamente, constitui esse tipo de viagem: a partida e a chegada, e as dificuldades ao longo do caminho. As diferenças de contexto da produção de cada auto foram retomadas e discutidas, a fim de entender as diferenças de significação no aproveitamento que João Cabral faz do gênero através do qual Gil Vicente tanto escreveu. Um dos objetivos finais da pesquisa foi procurar entender por que o poeta brasileiro usa uma matéria cristã-católica em um texto de explícita crítica social. Encerrei, então, discutindo as implicações da construção de um auto natalino dentro do auto: como a afirmação de outra vida severina vem ao final do poema para mostrar o comprometimento coletivo com a caminhada

Abstract: The purpose of this reserach was to analyze the metaphor of the walk, by a comparative reading of two works: ?Auto da Alma?, by Gil Vicente, and ?Morte e Vida Severina - Auto de Natal Pernambucano?, by João Cabral de Melo Neto. It sought to investigate how these productions developed the walk as the central image of the text construction, by working with poetry and auto: both texts have characters in spatial and temporal displacement which star in the poems. Starting from revisiting the texts of the Christian tradition and literary texts that work with peregrinatio, it was raised some common themes and images on the pilgrimage, which guided my comparative reading. Beyond the metaphor of life as way, as pilgrimage, there is the matter of divine aid to fulfillment as well as the dangers of diversion and fatigue; the rest stops (and the different values assigned to the stop); the question of the pilgrim's name/singularity (or the possibility to represent others; the traveler's dressing (or disposes of them along the way); the question of food received (or lack of it) when walking; as well as what is inherently in a journey: departure and arrival, and difficulties along the way. The differences in the context of production of each auto were discussed in order to understand the significance of the use of this genre in João Cabral's poem - in which Gil Vicente wrote so much. One of the ultimate goals of the research was to try to understand why the Brazilian poet uses a Catholic-Christian's subject in a text with explicit social criticism. Then, we discuss the implications of building a Christmas auto within the auto: the affirmation of another severina's life comes at the end of the poem to show the collective commitment to walk
Subject: Vicente, Gil, ca.1465-1536?. Auto da alma - Crítica e interpretação
Melo Neto, João Cabral de, 1920-1999. Morte e Vida Severina - Crítica e interpretação
Caminhada
Teatro - Aspectos religiosos
Peregrinos e peregrinações
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2012
Appears in Collections:IEL - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Balista_LigiaRodrigues_M.pdf1.17 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.