Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/269981
Type: TESE
Title: Educação pela máscara : literatura e ideologia burguesa no Brasil (1844-1856)
Title Alternative: Criticism, memory and narrative
Author: Cerqueira, Rodrigo, 1980-
Advisor: Hardman, Francisco Foot, 1952-
Abstract: Resumo: Nessa tese eu tento explicar uma mudança formal importante no primeiro romance de Joaquim Manuel de Macedo, aquele que ele escreveu entre os anos 1844 e 1855, antes de abandonar o gênero por uma década. A meu ver, o que acontece é uma progressiva desfuncionalização da "extravagância" - termo mais do que comum nos seus livros -, que servia para caracterizar uma juventude inserida numa nova sociabilidade, mais moderna, que o país passou a viver após 1808 e, principalmente, 1822. Marcados que eram por uma polarização geracional - jovens com suas novas atitudes, de um lado, e velhos um tanto receosos dessas mudanças, do outro -, a desfuncionalização acaba por roubar o protagonismo real daqueles jovens e atribuí-los aos velhos, um movimento de que Vicentina (1853) talvez seja o melhor exemplo. Na esteira de Franco Moretti, para quem a literatura é uma das maneiras pelas quais atribuímos sentido a processos de transformações históricas, leio esse deslocamento na esteira da injunção conservadora por que passa o país nesse período: um momento que acaba por atribuir uma importância muito grande a uma autoridade centralizadora. Como resultado, o romance brasileiro atinge, em meados dos anos 1850, é um impasse formal: não há mais como Macedo reduzir o espaço dos jovens sem que isso signifique uma completa substituição dessa função literária; ou seja, sem que o protagonismo passasse efetivamente para os mais velhos, transformando o romance brasileiro no depositário de uma tradição abertamente anti-moderna. Uma perspectiva, a meu ver, nada atraente para uma nação recém-emancipada e desejosa de fazer parte do concerto do mundo

Abstract: In this PhD dissertation I try to explain an important formal change in Joaquim Manuel de Macedo's first novels, which were written between 1844 and 1855, before he abandoned the genre for almost a decade. What occurred was a progressive de-functionalization of "extravagance" - a very common expression in his books -, that was used to portray a youth inscribed in a new kind of sociability, more modern, which Brazil experienced after 1808 and mainly after 1822. As those narratives were composed according to a generational opposition - young characters behaving in accordance with a new set of rules, on one side; and the old ones a bit apprehensive about these changes, on the other -, that defunctionalization ended up stifling the real protagonism of the youth, a process of which Vicentina (1853) may be the best example. Following the steps of Franco Moretti, for whom literature is one of the ways we use to master and to understand historical changes, I read that process in the light of a conservative shift that occurred in that period: a moment which ascribed a major importance to a centralized authority. As a result, the Brazilian novel reached, around 1850's, a formal impasse: Macedo could not reduce even more the space assigned to the youth without modifying its literary function; in other words, without giving the protagonism of the narrative to the older characters, transforming the Brazilian novel into a depository of an openly anti-modern world view. This is not an attractive perspective to a nation recently emancipated and anxious to be a part of the "civilized" world
Subject: Macedo, Joaquim Manuel de, 1820-1882 - Crítica e interpretação
Romance brasileiro
Literatura brasileira
Forma literaria
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2013
Appears in Collections:IEL - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Cerqueira_Rodrigo_D.pdf1.27 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.