Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/269972
Type: TESE
Title: Indústria cultural, repetição e totalização na trilogia Pânico
Title Alternative: Culture industry, repetition and totalization in the Scream trilogy
Author: Ponte, Charles, 1976-
Advisor: Durão, Fábio Akcelrud, 1969-
Abstract: Resumo: Ao longo do último século, o modus operandi da indústria cultural foi responsável por um movimento de padronização dos artefatos culturais, constituindo um eixo tensional entre repetição e inovação que abarca em todas as artes, mas especialmente no cinema, tendo este uma maior necessidade de retorno dos investimentos feitos para sua realização. Dessa forma, considerando o cinema feito nos Estados Unidos como o principal representante do entretenimento fílmico, é natural que esta homogeneização lhe seja mais intensa, um aspecto convenientemente negligenciado pelas críticas especializadas, posto que estas costumam enfatizar, acertadamente, aqueles filmes de maior complexidade, terminando por iludir os leitores acerca da real porcentagem de filmes com tal qualidade. Assim, o objetivo desta tese é observar a composição de uma dessas obras costumeiramente não contempladas pela crítica, a trilogia de horror Pânico (1996; 1998; 2000), dirgida por Wes Craven, partindo da leitura cerrada de seus principais componentes estruturais - enredo, personagens, espaço e foco narrativo - e comparando-a a outros de seu subgênero, para verificar a existência de uma tensão dialética de aproximação ou distanciamento da estandardização das formas diegéticas e como esses movimentos estão relacionados com as estratégias de comercialização dos produtos. Para isso, este trabalho lança mão de um corpo de teorias de diversas áreas, desde a literatura e o cinema até o grupo de pensadores abarcado pelo epíteto Teoria, mas sempre permeado pelo conceito de indústria cultural de Adorno e Horkheimer (1985) e pelas elaborações posteriores de Adorno (2001) sobre do tema. No corpus, por um lado, a tensão entre a repetição das formas e seu rearranjo ocorre em todos os componentes selecionados, de modo que a trilogia Pânico continua a pertencer ao subgênero slasher em sua composição, ao menos na superfície, apesar de conter uma grande parcela de hibridização de outros gêneros, notadamente a estruturação das duas personagens principais, heroína e monstro, bem como de parte de sua découpage; por outro lado, há uma parcela de inovações atribuídas à trilogia, em especial a presença de uma variada veia metaficcional, uma raridade em todo o gênero horror, mas também a diminuição das cenas violentamente explícitas. Contudo, pode-se confirmar, através da interpretação dos resultados, que as modificações permitidas nunca ameaçam a quebra da quarta parede, ou mesmo a expectativa da plateia em relação aos filmes, de modo que se devem considerar praticamente todas as alterações como controladas para emular uma novidade falaciosa

Abstract: Throughout last century, the culture industry's modus operandi was responsible for a standardizing movement in cultural artifacts, constituting a tensional axis between repetition and innovation that embraces all arts, but mainly in film, having the latter a greater need for returns in its production investments. That way, regarding the American cinema as the main representative of filmic entertainment, it is natural that its homogenization is more intense, an aspect conveniently overlooked by specialized critiques, since they tend to emphasize, correctly, those films of higher complexity, ultimately deluding readers about the actual percentage of quality works. Thus, the objective of this dissertation is to observe the composition of one of these usually non critically contemplated ones, the horror trilogy Scream (1996; 1998; 2000), directed by Wes Craven, starting by the close reading of its main structural components - plot, characters, setting and point of view - and comparing it to others pertaining to the same subgenre, in order to verify the existence of a dialectic tension of approximation or distancing to the standardized diegetic forms and how these movements are related to product selling strategies. For doing so, this work makes use of a body of theories from multiple areas, from literature and film studies to the group of thinkers encapsulated under the alias Theory, but always permeated by Adorno and Horkheimer's concept of culture industry (1985), and by Adorno's further elaborations on the theme (2001). In the corpus, on the one hand the tension between formal repetition and its rearrangement occurs in all selected components, so that the trilogy remains as a member of the slasher subgenre, at least in its surface, despite containing a great amount of hybridization, notably by the structuring of its main characters, heroin and monster, as well as part of its découpage; on the other hand, there is a number of innovations attributed to the trilogy, especially the presence of a varied metafictional vein, rare in all of the horror genre, but also the lessening of violently graphic scenes. However, it can be confirmed, through the interpretation of results, that the allowed modifications never threaten the breaking of the fourth wall, or even the audience expectations for the films, in a way that practically all alterations should be considered as controlled to emulate a fallacious novelty
Subject: Craven, Wes. Pânico - Crítica e interpretação
Indústria cultural
Repetição no cinema
Filmes de horror
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2011
Appears in Collections:IEL - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Ponte_Charles_D.pdf5.04 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.