Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/269968
Type: TESE
Title: Caos controlado : a tensão entre controle técnico e liberdade criativa em Mistérios e paixões e Cidade de Deus
Title Alternative: Controlled chaos : the tension between technical control and artistic freedom in Naked Lunch and City of God
Author: Felix, José Carlos, 1974-
Advisor: Durão, Fábio Akcelrud, 1969-
Abstract: Resumo: Expressão mais sintomática do sistema capitalista, a indústria cultural opera em uma lógica que incorpora e harmoniza expressões estéticas antagônicas, emulando uma tensão dialética análoga às obras de arte. O cinema, dada sua natureza industrial, desponta como uma das esferas da indústria cultural a atingir o mais alto grau de sofisticação e controle técnico, firmando padrões estético-narrativos rígidos seguidos não apenas por filmes convencionalmente chamados de comerciais, mas também por aqueles circunscritos ao circuito alternativo e independente. Assim, considerando o argumento de que filmes produzidos fora do esfera comercial estariam mais propensos a romper e subverter a hegemonia do idioma tecnicamente controlado do cinema padrão, a proposta deste trabalho é examinar os filmes Mistérios e paixões [Naked lunch, David Cronenberg, Canadá, 1991] e Cidade de Deus [Fernando Meirelles, Brasil, 2002], a fim de verificar como se estabelece a tensão entre as convenções do idioma tecnicamente controlado do cinema padrão e os gestos que visam a sua desestabilização. A primeira parte está dividida em dois capítulos correlatos, cujo objetivo é discutir como as convenções estético-narrativas do cinema mainstream de Hollywood sintetizam de maneira sui generis o idioma tecnicamente controlado da indústria cultural. O primeiro capítulo investiga os procedimentos a partir dos quais o conjunto de protocolos visuais do cinema norte-americano (composição de quadro, montagem, sonorização, etc.) estabeleceu um modelo diegético prescritivo de bases rígidas, convertendo-se na norma-padrão para a cultura cinematográfica ao redor do planeta. O segundo capítulo discute a maneira pela qual esse mesmo modelo de cinema, movido por tendências do mercado e objetivando alcançar um status de obra de arte, absorve inovações estéticas advindas justamente de movimentos cinematográficos contrários à sua norma estética sem, contudo, alterar suas bases. A segunda parte está dividida em dois capítulos voltados às interpretações dos filmes. O terceiro capítulo aborda o caráter autoral e transgressor na filmografia de Cronenberg em relação ao cinema padrão a partir da problemática do embate entre controle técnico e espontaneidade na criação artística. A hipótese interpretativa centra-se no argumento de que Mistérios e paixões apropria-se da defesa de Burroughs acerca da intoxicação como um mecanismo de subversão de convenções artísticas para forjar uma estrutura de narrativa fílmica que inverte a oposição entre as categorias de alucinação e sobriedade. Como resultado, a inversão dessas valências converte a alucinação em procedimento narrativo modulado justamente por fórmulas e convenções do cinema padrão de Hollywood. O quarto capítulo investiga como a tensão entre controle técnico e liberdade criativa engendra em Cidade de Deus uma nova forma de realismo fílmico contemporâneo em que estéticas e procedimentos cinematográficos historicamente revolucionários são absorvidos pela maquinaria do cinema dominante. Essa tese é discutida a partir de uma leitura cerrada de algumas cenas do filme que evidenciam a fabricação de uma espontaneidade programada, na qual a cinematografia clássica é utilizada para recompor um imaginário da favela com ecos do sertão do Cinema Novo. A discussão assinala ainda como, em sua estruturação narrativa e estilística, Cidade de Deus acomoda uma representação vanguardista da criminalidade e violência juntamente com uma estética padrão de cinema e televisão, apagando qualquer traço de tensão histórica entre ambas. O resultado das interpretações aponta para o fato de que, nos dois filmes, a força do ímpeto criativo, expresso por meio do acaso, aleatoriedade e improviso, é incorporada pelo idioma tecnicamente controlado do cinema, não apenas perdendo seu poder desestabilizador, mas também reduzindo esse ímpeto a mero dispositivo com função estilística

Abstract: The culture industry, a central expression of the capitalistic system, operates through a logic that incorporates and conciliates antagonistic aesthetic expressions by emulating a dialectic tension akin to artworks. Cinema, given its industrial nature, stands out as one of the domains of culture industry to achieve the highest level of sophistication and technical control, establishing stable aesthetic-narrative patterns followed by not only the so-called mainstream films (produced by Hollywood film industry) but also by those labelled as independent. Thus taking into account the argument that films produced out of the mainstream production system are more likely to break with and subvert the hegemony of the technical controlled language of mainstream cinema, the objective of this dissertation is scrutinize the films Naked lunch [David Cronenberg, Canadá, 1991] e City of God [Cidade de Deus, Fernando Meirelles, Brasil, 2002], in order to verify how the tension between the cinematic protocols of mainstream cinema and the artistic expressions that operate against it is established. The first part of this work is divided into two correlated chapters which aim at discussing how the aesthetic-narrative conventions of mainstream Hollywood cinema particularly epitomize the technical controlled language of culture industry in general. Chapter one investigates the procedures upon which the bulk of the mainstream cinema visual protocols (frame composition, montage, sound-system, etc.) set up a stable prescriptive diegetic framework which ends up being the parameter for cinematic culture worldwide. Chapter two discusses the way in which the very type of cinema, triggered by marketing tendencies and aiming to reach the same status of artwork, absorbs aesthetic innovations engendered by cinematic movements contrarious to its aesthetic norms without altering its rigid aesthetic principals. The second part is divided into two chapters devoted to the interpretations of both films. The third chapter focuses on Cronenberg's status as an auteur filmmaker as well as his transgressions with regards to mainstream cinema taking into account the tension established between technical control and spontaneity in the artistic process. The interpretative hypothesis states that Naked Lunch incorporates Burroughs' well-known claim about the intoxication as a means to subvert artistic conventions in order to create a narrative film structure that inverts the opposition between the categories of hallucination and sobriety. The outcome of such inversion transforms the hallucinating experience into a narrative procedure shaped by mainstream cinematic conventions. Chapter four investigates how, in City of God, the tension between technical control and creative freedom results in a new type of film realism in which both aesthetic and cinematic protocols historically revolutionary is absorbed by the mainstream cinematic language. Such argument is discussed through a series of close readings of the film's scenes which evince the forging of a controlled spontaneity in which the classic cinematic conventions are employed to recreate an imagery of the favela that echoes the Cinema Novo portrait of wilderness. The discussion also points out how the narrative and stylistic structure of City of God adjust an avant-gardist depiction of criminality and violence alongside with both cinematic mainstream and television aesthetics, effacing any trace of historical tension between them. In a nutshell, these film interpretations conclude that the power of creative impulse, materialized in elements such as chance and improvisation, is incorporated by cinematic technical controlled language in a way that it does not only wanes their disruptive powers but converts them into sheer stylistic devices
Subject: Cidade de Deus (Filme)
Mistérios e paixões (Filme)
Cinema - Estética - Técnica
Indústria cultural
Liberdade na arte
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2013
Appears in Collections:IEL - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Felix_JoseCarlos_D.pdf4.07 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.