Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/269931
Type: TESE
Title: O retorno de Astréia ou Fénelon e a arte de fugir ao tempo
Title Alternative: Astrea's return or Fénelon and the arte of scape time
Author: Brito, Tarsilla Couto de, 1977-
Advisor: Berriel, Carlos Eduardo Ornelas, 1951-
Abstract: Resumo: Quando Fénelon decidiu escrever um espelho de príncipe literário para instruir o neto de Luís XIV nas artes de governar, não imaginou que seu texto fosse causar celeuma, muito menos que se produziria uma fortuna crítica tão vasta e multifacetada. Para além das leituras de caracteres com que o público da época se divertiu descobrindo as figuras reais por detrás das personagens, um dos problemas permanentes para a interpretação de As aventuras de Telêmaco é sua classificação. O livro não se enquadra perfeitamente na narrativa antiga, nem no romance. A despeito da função moralizante-educacional do texto, o personagem Telêmaco ganha autonomia ao ser, nos primeiro livros, narrador de si mesmo. Com isso, temos acesso a uma subjetividade inteiramente nova para um texto que se pretendia pedagógico. O caráter exemplar da epopéia homérica que inspira as aventuras é minado pelas armadilhas criadas pelos sentimentos do próprio herói na missão difícil de despojar-se de si mesmo. Por outro lado, o objetivo de seu texto prende-o às narrativas antigas de caráter moralizante - formar um reicristão. As aventuras de Telêmaco permanecem inscritas em um "tempo sem tempo", em que vemos as transformações sucederem-se umas às outras, sem podermos situá-las numa linha cronológica como no romance. A discussão sobre utopia vem, assim, renovar a discussão do gênero dessas Aventuras. Defendemos que a presença de um "país de nenhum lugar" nessa ficção pedagógica organiza sua estrutura narrativa e orienta seus procedimentos miméticos em função dos espaços visitados. Dividida em duas partes, a presente Tese busca, em um primeiro momento, descrever o texto literário Les aventures de Télémaque de Fénelon. Em termos estritamente literários, tratamos de sua estrutura narrativa, organizada em função de modelos e de antimodelos de governo; de sua linguagem mítico-alegórica que veicula um conteúdo moral e espiritual cristão; e de seu gênero literário. Com uma revisão bibliográfica, esboçamos as razões que fizeram da publicação do Telêmaco um escândalo; e ainda as alterações de sentido e modos de interpretação que o texto sofreu ao longo de uma fortuna crítica de 300 anos. Na segunda parte, nos dedicamos à análise de Salento, o último reino visitado pelo personagem principal, como uma utopia que propõe uma volta no tempo, de modo que afirmamos seu caráter conservador. Nossa proposta de estudo leva em consideração que o Telêmaco de Fénelon não é composto apenas de idéias políticas e religiosas, mas de um conflito entre diferentes concepções de história

Abstract: when Fenelon decided to write a literary mirror for princes to instruct Louis XIV's grandson in the arts of governing, he did not imagine that his text would cause a stir, or that it would produce such a vast and multifaceted critical fortune. Apart from the readings of characters which amused the audience that would try to discover the actual figures behind the characters, one of the perennial problems for the interpretation of The Adventures of Telemachus is its classification. The book does not fit neatly into the ancient narrative, neither into the novel. Despite the moralizing and educational function of the text, the character Telemachus gains autonomy being the narrator of him in the first book. With this, we access an entirely new subjectivity in a text that was intended to be pedagogical. The exemplary feature of the Homeric epic that inspires the adventures is undermined by the traps created by the hero's own feelings while he deals with the difficult task of divesting himself. Moreover, the purpose of the text - to form a Christian king - connects it with the moralizing ancient narratives. The Adventures of Telemachus remains enrolled in a "time out of time" in which we see the transformations following each other, being impossible to place them on a timeline like we do in the novel. The discussion of utopia has thus renewed the discussion about the genre in these adventures. We argue that the presence of a "country of nowhere" in this pedagogical narrative organizes its structure and guides its mimetic procedures according to the spaces visitEditora Divided in two parts, this thesis seeks, at first, to describe Fénelon's literary text, Les aventures de Télémaque. In strictly literary terms, we deal with its narrative structure, organized around government's models and antimodels; its mythical-allegorical language that conveys a moral and spiritual Christian content; and its literary genre. Through a bibliographical review, we outline the reasons that made Telemachus' publication a scandal, and also the changes of meaning and modes of interpretation that the text has suffered over a 300 years old critical fortune. In the second part, we are dedicated to the analysis of Salento, the last kingdom visited by the main character, as a utopia that offers a return on time, so we affirm its conservative feature. Our proposed study takes into consideration that Fénelon's Telemachus consists not only of political and religious ideas, but also of a conflict between different conceptions of history
Subject: Fenelon, François de Salignac de la Mothe-, 1651-1715
Querela entre antigos e modernos
Utopia
Ficção francesa
Language: Multilíngua
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2013
Appears in Collections:IEL - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Brito_TarsillaCoutode_D.pdf3.01 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.