Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/269766
Type: TESE
Title: Zazie dans le métro = violência na escrita de Raymond Queneau e nas traduções para o português do Brasil
Title Alternative: Zazie dans le métro : violence in Raymond Queneau's writing and in the translations into Brazilian Portuguese
Author: Jalabert, Adeline Marie
Advisor: Coracini, Maria José Rodrigues Faria, 1949-
Abstract: Resumo: No romance Zazie dans le métro (1959), Raymond Queneau explora a linguagem coloquial, valendo-se da língua que chamou de neo-francês. O autor faz um verdadeiro "exercício de estilo" oral popular, em que mistura registros e faz paródias, imprimindo ao romance, além de um ritmo rápido, redundâncias, ortografia fonética, ausência de concordâncias gramaticais, arcaísmos etc. em franca oposição aos preconceitos em relação à língua oral. O oulipiano questiona a língua, provocando o leitor e obrigando-o a se distanciar da linguagem a que está habituado. Este trabalho propõe uma reflexão sobre a violência observada tanto no texto dito 'original' de Queneau, quanto na tradução e, em particular, na passagem do neo-francês à língua portuguesa do Brasil. Se a própria escrita de Zazie na língua original (o neo-francês) já é um exercício, da tradução espera-se um trabalho que podemos chamar de "trabalho dobrado". Para tanto, admite-se a violência na tradução, o que permite levantar várias questões relativas à língua, à cultura, à identidade, à dicotomia entre língua oral e língua escrita, entre obra original e obra traduzida, além de questionar os limites e as proibições, a criação literária, o trabalho do tradutor, as normas acadêmicas, o desafio da escrita e favorece a divulgação de obras literárias importantes

Abstract: In the novel Zazie dans le métro (1959), Raymond Queneau explores colloquial language, making use of what he called neo-French. The author makes a real popular and oral "exercise in style", mixing registers and parodies, making the novel fast paced and using redundancy, phonetic spelling, grammatically incorrect expressions, archaisms etc. in clear opposition to the prejudices about oral language. The oulipian questions language and culture provoking the reader and forcing him to distance himself from the language he is accustomed to. This work proposes a reflection on violence observed both in Queneau's 'original' text and in its translations, particularly between neo-French and Brazilian Portuguese. If the actual writing of Zazie in the original language (neo-French) was already an exercise, in translation, a kind of "double work" is expected. Admitting violence in translation allows us to raise several issues relating to language, culture, identity, the dichotomy between oral and written language, and between original work and translated work, to limits and prohibitions, literary creation, the work of the translator, academic standards, the challenge of writing and dissemination of important literary works
Subject: Queneau, Raymond, 1903-1976 - Crítica e interpretação
Língua francesa - Francês falado
Língua francesa - Escrita
Língua francesa - Traduções para o português
Violência
Transcriação
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2010
Appears in Collections:IEL - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Jalabert_AdelineMarie_M.pdf677.39 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.