Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/269520
Type: TESE
Title: Traduzindo os progris riports de Charlie : uma experiência sobre escuta e tradução
Title Alternative: Translating Charlie's progris riports : an experience about listening and translation
Author: Kushida, Letícia Yukari Iwasaki, 1985-
Advisor: Veras, Viviane, 1950-
Veras, Maria Viviane do Amaral, 1950-
Abstract: Resumo: Esta dissertação tem como objetivo refletir sobre tradução e sobre o trabalho de escuta do tradutor por meio da elaboração de uma tradução de Flowers for Algernon (1966), romance de ficção científica, escrito pelo estadunidense Daniel Keyes. Uma das hipóteses deste trabalho é a de que a escuta do outro e de si mesmo em cada língua mobiliza, de certa forma, um tipo de ética da tradução. O livro conta a história de Charlie Gordon, um homem com deficiência intelectual que se submete a um experimento científico, uma cirurgia para elevar seu quociente de inteligência (QI). A narrativa em primeira pessoa é caracterizada por aspectos textuais de uma pessoa com dificuldades de escrita da língua inglesa e que apresenta mudanças gradativas na qualidade dessa escrita à medida que o experimento surte o efeito esperado. No romance de Keyes, interessa-nos a exigência da voz do tradutor, uma prova que passa pela literatura, mas que pede outro tipo de criação que não aquela que tradicionalmente reconhecemos como artística. Diante dessa prova de tradução, surgem indagações como: de que maneira traduzir esses "escritos" de Charlie? Como lidar com as dificuldades de escrita de uma língua em outra? Essas perguntas fazem-nos refletir sobre o erro e o preconceito linguísticos, o sentido, a carga, o fardo de termos que hoje são considerados pejorativos, mas transportados de um tempo em que a linguagem não era tão monitorada e o preconceito era naturalizado. Tudo isso leva a uma reflexão sobre ética em tradução: que ética pode conduzir uma tradução de Flowers for Algernon? Na impossibilidade de defini-la no ponto de partida da tradução, tal ética só poderá ser pensada na zona fronteiriça entre o traduzível e o intraduzível, assim como entre o dizível e o indizível, durante a tradução e ao final dela, de tal modo que só terá sido mostrada ao final do trabalho

Abstract: The aim of this thesis is to contemplate translation and the work of translator's act of listening by means of translating Flowers for Algernon (1966), a science fiction novel written by Daniel Keyes. One assumption made in this paper is that the act of listening to oneself and the other necessitates thinking about translation ethics. Flowers for Algernon is a novel about Charlie Gordon, a mentally disabled man who is the subject of a scientific experimental surgery designed to raise his intelligence quotient (IQ). The first-person narrative employs textual characteristics of a person with writing difficulties, which gradually diminish as the experiment begins to take effect. In the translation of Keyes's novel, the demand of the translator's voice is of primary interest, as it requires a kind of creation other than that which is considered artistic. Through this experience, the following questions are raised: how can one translate Charlie's "writing"? How should a translator manage writing problems from one language in another? These questions lead to thinking about linguistic mistakes and prejudice, and the sense, charge, and burden of words that are considered disparaging nowadays, but are to be transported from a time in which language was less monitored and prejudice was commonplace. All of this calls upon an ethical reflection in translation. Which ethics should be considered in translating Flowers for Algernon? If answering this question at the start of translation is impossible, such ethics can only be thought in the borderlands between the translatable and untranslatable, the speakable and unspeakable, and during the translation and upon its completion, which will be explored at the end of this paper
Subject: Keyes, Daniel, 1927-. Flowers for Algernon - Crítica e interpretação
Ficção científica - Tradução
Tradutores - Ética profissional
Tradução e interpretação - Aspectos morais e éticos
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2013
Appears in Collections:IEL - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Kushida_LeticiaYukariIwasaki_M.pdf1.95 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.