Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/269495
Type: TESE
Degree Level: Mestrado
Title: O dizer de si em língua inglesa e o (não) interdito
Title Alternative: Talking/writing about oneself in English and the (non-)interdiction
Author: Barroso, Márcia Barros, 1962-
Advisor: Coracini, Maria José Rodrigues Faria, 1949-
Abstract: Resumo: Nesta pesquisa, desenvolvida a partir de uma concepção discursivo-desconstrutivista da linguagem e de conceitos da psicanálise freudo-lacaniana, problematiza-se a visão da língua estrangeira como um interdito à expressão da subjetividade do aluno. Trabalhamos com a hipótese de que é possível vislumbrar traços desta, mesmo em instituições em que há certo cerceamento de sua expressão, uma vez que os sentidos, como fagulhas do inconsciente, sempre vazam, invariavelmente escapando por brechas da linguagem, a despeito do controle que o sujeito, ilusoriamente, acredita ter sobre o que diz e escreve. Nosso corpus, coletado em uma instituição de ensino militar no estado de São Paulo, é formado por textos escritos e orais produzidos pelos alunos, nossos participantes, em atividades propostas em aulas de língua inglesa, pela professora-pesquisadora. Objetivamos, através deste estudo, contribuir para uma reflexão acerca da importância de se considerar a subjetividade do aluno e, portanto, de que haja espaço para a expressão da mesma no processo de ensino e aprendizagem da língua inglesa. A análise do corpus traz regularidades e dissonâncias discursivas, que foram organizadas em representações, a partir das quais se geraram eixos de análise. Os resultados da análise da materialidade discursiva apontam para frequentes mo(vi)mentos de irrupção de traços da singularidade no dizer dos alunos e, portanto, para a ressignificação subjetiva dos mesmos

Abstract: This research, carried out according to a discursive-deconstructionist approach to language and some concepts from Freud's and Lacan's psychoanalysis,is intended to discuss the conception of foreign languages as an interdiction to students' expression of subjectivity. Our studies have been developed according to the hypothesis that it is possible to track traces of it, even in institutions in which there is some curbing of their expression, since the senses, like sparks of the unconscious, always leak out, invariably escaping through breeches of language, despite the control that the subject deceitfully believes he/she has over what he/she says and writes. Our discursive corpus, collected in a military school in the state of São Paulo, is made up of written and oral texts produced by the students, our participants, in activities developed in English classes, proposed by the teacher-researcher. The analysis of the corpus reveals discursive regularityand dispersion. These have been organized according to representations, which generated interrelated categories of analysis. This study is aimed at contributing to a reflection on the importance of taking students' subjectivities into consideration and, thus, making room for their expression in the teaching and learning process. The results of analysis of the discursive substance points to frequent leaking mo(ve)ments of traits of the students' singularity and, thus, to their subjective resignification
Subject: Subjetividade
Língua inglesa
Controle
Educação militar
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2014
Appears in Collections:IEL - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Barroso_MarciaBarros_M.pdf942.55 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.